O clipe musical que custou US$ 100 bilhões para ser produzido

Por , em 15.05.2013

Com mais de 50 anos de experiência em desenvolver tecnologias e programas de exploração do espaço, a NASA parece agora ter agregado um novo ramo de atuação: produtora musical. Diretamente da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), o astronauta canadense Chris Hadfield gravou um cover de “Space Oddity” (“esquisitice espacial”, na tradução livre), um dos maiores sucessos do britânico David Bowie.

Em atividade desde 1964, Bowie já lançou 24 álbuns só de estúdio. Mas nem mesmo ele deixou aos fãs um clipe como o que a NASA produziu. Ao som dos versos “Ground Control to Major Tom”, um violão flutua suavemente às mãos de um bigodudo astronauta que, por sua vez, também está flutuando. Nenhum problema para fazer este efeito especial: eles (astronauta e violão) estavam realmente pairando no ar.

O clipe musical mais caro da história foi “Scream”, de Michael Jackson, levado ao público em 1995: custou US$ 10 milhões (cerca de R$ 20 mi). Para que o vídeo gravado por Hadfield fosse uma realidade, a NASA desembolsou um valor muito maior: 100 bilhões de dólares (cerca de R$ 200 bi).

O tom da canção de Hadfield é mais triste do que parece: ele estava se despedindo do espaço. Na última segunda-feira, o astronauta voltou à Terra através da cápsula Soyuz, deixando como legado uma multidão de 850 mil seguidores no Twitter e outros 250 mil no Facebook. Sua jornada de no espaço foi fechada com chave de ouro após o sucesso do clipe na internet. [Science 2.0 / Público]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

17 comentários

  • Carlos Alberto Rosière:

    In the original version of David Bowie, major Tom never returns! Something goes wrong and he dies alone in the infinity! That is the oddity, not an odissey, as ulisses makes it back home.

  • WalterZ:

    Concordo com o Cesar Grossmann.

    Acho que há muita hipocrisia quando tratamos de meio ambiente e de ajudar os mais necessitados. Todo o mundo está de acordo, desde que os outros façam.

    Ninguém se dispõe a andar de ônibus ao invés de andar de carro para melhorar o meio ambiente e sobrar dinheiro para ajudar os pobres que vivem nas proximidades, mas todo o mundo lembra dos pobres da África e critica quem desmata para produzir alimentos.

    Ademais tecnologia sempre foi uma excelente investimento como retornos fantásticos para a humanidade.

    E, prá completar os cientistas estão fazendo o seu trabalho muito bem feito. E os cientistas são menos de 0,1% da humanidade. Cobrar dos cientistas da NASA sobre a fome e as doenças pelo mundo é algo realmente sem sentido, considerando-se o que tem de gente que recebe ou se promove, em cima do meio ambiente e das desigualdades sociais pelo mundo.

    Sem contar nos que criticam e não fazem nem ciência, nem meio ambiente e nem ajudam ninguém.

  • Cesar Grossmann:

    Ivan Pavlov (1849 – 1936) foi um pesquisador russo que trabalhou com reflexo condicionado. Um de seus experimentos mais famosos consistia em tocar uma sineta quando servia comida para alguns cães. Depois de um tempo, os cães começavam a salivar só de ouvir a sineta. Este tipo de reflexo condicionado recebeu também o apelido de “reflexo pavloviano”.

    Aqui tem um outro tipo de reflexo pavloviano. É só falar em alguma quantia gasta com ciência ou tecnologia para fazer ciência, ou dizer que alguma agência espacial como a NASA (principalmente a NASA) ou a ESA gastou tanto para fazer isso ou aquilo, que o reflexo pavloviano entra em ação e as pessoas começam a escrever, sem nem pensar, que o dinheiro deveria ser usado para acabar com a fome no mundo, acabar com o câncer, ou alguma coisa do tipo.

    É claro que se trata de um reflexo condicionado, as pessoas estão tão acostumadas a verem cifras e comentarem com azedume “enquanto isto as crianças estão morrendo de fome na África”, sem nem pensar, que isto funciona automaticamente. Elas fazem sem precisar pensar. Como os cães que salivam ao ouvir um sino.

    Por que sei que é sem pensar? É simples, por que os gastos para desenvolver qualquer cosmético (batom, por exemplo) supera as cifras de qualquer projeto espacial mediano. E os gastos em guerras superam o investimento em ciências já feito na humanidade, desde que inventaram o dinheiro, somados.

    A realidade é esta, gasta-se muito mais para matar do que para salvar vidas (seja atacando a miséria e a fome, seja investigando doenças como o câncer, seja investindo em prevenção de portes por doenças evitáveis), e se criticam gastos com investigação científica deixando sem críticas gastos com o desenvolvimento de cosméticos e outras coisas supérfluas ou não tão necessárias.

    Pense nisso.

  • Edivar Tramontini:

    Eu gostei do vídeo e espero que continuem fazendo clipes e outros videos pois foi ótimo ver algumas coisas que tinha curiosidade,como aquele video que torcia um pano encharcado na ausência de gravidade.
    Quem não gostou não assista mais, simples assim.Não precisa ficar desmerecendo e falando que é dinheiro jogado fora.

  • Dessa Pallmer:

    Parece o pai da ”Bella” do Crepúsculo UAHEUHEHA

  • Falcone Big:

    Um novo conceito de música alta! rss

  • Tiagoljr Jesus:

    Gostei

  • Michel Conrado Diz:

    Pobres mortais que não entendem que 100Bi não foram gastos para se fazer o clipe, mas sim para se ter uma estação espacial onde seria possível fazer-se um clipe. Impossível gastar 100Bi em um clipe que eu faria com apenas 1300 reais de equipamento e claro se eu fosse comprar programas de edição me custariam no máximo 10 mil reais juntando tudo. Ah e se eu fosse pagar uma agência de edição certamente não me cobrariam mais que 10 mil reais pelo clipe. ;D

    • Falcone Big:

      Pobre mortal, não entendeu a piada!

  • Cesar Grossmann:

    Fantástico vídeo. Já havia gostado do outro, “We are NASA and We Know it!”

  • Samel Dex:

    100Bi poderiam ser muito mais bem gastos,
    vamos e convenhamos!
    quanto desperdício!
    poderia ajudar milhões de pessoas :/

    • Lucas Schatz:

      [Ironic Mode=on]claro… afinal 100Bi foi gasto unica e exclusivamente para realizar o clip, nada mais foi feito… [Ironic Mode=off]
      Agora convenhamos, eu achei bem bacana a idéia dos vídeos que ele gravou, matando a curiosidade que “nós” temos sobre o espaço

    • Hugo Ataides:

      O projeto da ISS é um investimento que visa justamente a ajudar milhões de pessoas. Muitos experimentos são feitos em ambiente microgravitacional para que possam se transformar em benefício. Um exemplo é a solução para a osteoporose.

    • Bruno Henrique Evaldt:

      Para de gastar dinheiro com internet, dê para os pobres.

    • Yagami Raito:

      Relaxa ai. O título foi só pra assustar, ele não foi lá só gravar não ¬¬’

    • Marcelo de Andrade:

      @Samel Dex

      Você leu a matéria? Entendeu do que se trata? O clipe custou 100bi pois é o valor da missão na estação espacial e não do clipe gravado.

    • Anderson Thiago:

      Não sei por que todo mundo acha que a NASA ou os EUA têm que ajudar o mundo todo… Quanto você gasta por mês ajudando as pessoas carentes? :/

Deixe seu comentário!