O “homem com o braço de ouro” que já salvou mais de 2 milhões de bebês

Por , em 11.06.2013

Se você nunca doou sangue, o australiano James Harrison certamente irá te inspirar. Ao longo de meio século de doações, estima-se que ele já tenha salvado a vida de mais de 2,4 milhões de bebês.

Harrison ficou conhecido como o “homem do braço de ouro”, já que em suas veias corre um tipo de sangue raro e precioso para a medicina, de fator RhD-negativo.

Utilizando o plasma de Harrison, cientistas australianos puderam fabricar uma vacina que é aplicada em grávidas ou recém-nascidos, para evitar que os bebês sofram a doença de Rhesus.

[box]
Doença de Rhesus

A doença de Rhesus (também chamada de eritroblastose fetal, doença hemolítica por incompatibilidade do Rh ou doença hemolítica do recém-nascido) ocorre quando o sangue de um feto sofre hemólise, ou seja, é aglutinado pelos anticorpos do sangue da mãe.

Isso pode acontecer quando o sangue da mãe é Rh-, e o do bebê é Rh+. Depois que a mãe tem contato com sangue Rh+ (transfusão de sangue ou após ter tido um primeiro filho com sangue Rh+), cria anticorpos que passam a atacar o sangue Rh- do bebê.

No passado, a doença de Rhesus era responsável pela morte de mães e fetos, além de causar problemas de saúde a longo prazo, como danos cerebrais. A situação era tratada com a transfusão do sangue do bebê logo após seu nascimento.[/box]

O sangue de Harrison produz um anticorpo que permitiu o desenvolvimento da vacina anti-D, que permite que mulheres com sangue Rh- tenham filhos saudáveis. O próprio neto de Harrison foi um dos bebês salvos pelo sangue mágico.

As mães têm muito a agradecer ao doador de sangue. Em 1965, 96 bebês australianos morreram vítimas da doença de Rhesus. Dez anos depois, o número anual de mortes diminuiu para 34, graças à vacina.

Mais de mil doações

A doação de sangue também salvou a vida do próprio “homem do braço de ouro”. Com 14 anos, Harrison teve que ser submetido a uma cirurgia no peito, e precisou de 14 litros de sangue. Foi graças a essas transfusões que ele sobreviveu, e, em agradecimento, começou a doar sangue desde os 18 anos.

Acredita-se que foi a partir das transfusões que Harrison recebeu que se originaram os anticorpos raros em seu sangue. Hoje, com 77 anos e meio século de doações, Harrison já doou sangue mais de mil vezes. Em 2003, ele entrou para o Guinness por ter doado, até aquele ano, 480 litros de sangue.

E você, já pensou em doar sangue? Você só precisa estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 67 anos e pesar no mínimo 50 quilos. Confira todos os requisitos aqui. [DailyMail/Wikipedia 1 e 2/DN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Diomar Silva:

    Gostei muito. Tenho amigos que são testemunhas de Jeová. Eles defendem com unhas, dentes e até foice o não uso de sangue. Viva o Deus da saúde e da solidariedade, que dá ao homem a capacidade de encontrar a cura e salvar milhões de pessoas. Parabéns a esse senhor por usar esse dom com sabedoria:doando.

  • Lee Bano:

    Rá! Chupa essa Testemunhas de Jeová.

    • Lucas Schatz:

      Não sou Testemunhas de Jeová, nem nada do tipo, mas considero o teu comentário uma total falta de consideração e respeito, sem considerar totalmente desnecessário, principalmente nos dias de hoje e voce ainda usando a máscara de Guy Fawkes.
      Abraço

  • Philipe Razia:

    “RhD-negativo”. Não entendi o que esse “D” faz ali.

    • Lucas Schatz:

      acho que o organismo dele desenvolveu um “fator RH mutante” devido as transfusÕes de sangue que ele recebeu aos 14 anos

      “Acredita-se que foi a partir das transfusões que Harrison recebeu que se originaram os anticorpos raros em seu sangue. Hoje, com 77 anos e meio século de doações, Harrison já doou sangue mais de mil vezes. Em 2003, ele entrou para o Guinness por ter doado, até aquele ano, 480 litros de sangue.”

  • Maria Struthos:

    Doar sangue, tudo de bom! ♡

Deixe seu comentário!