Os restos da morte de uma estrela em detalhes sem precedentes

Por , em 2.04.2013

Uma equipe de astrônomos conseguiu observar os restos da morte de uma estrela gigante em detalhes sem precedentes.

Em fevereiro de 1987, astrônomos observando a Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia anã, notaram o aparecimento súbito do que parecia ser uma nova estrela. Na verdade, eles não estavam vendo o início de uma estrela, mas o seu fim – a supernova mais brilhante vista da Terra nos quatro séculos desde que o telescópio foi inventado.

A 170 mil anos-luz da Terra, tendo como progenitora uma estrela conhecida como Sanduleak -69º 202, uma supergigante azul colapsou.

Nas duas décadas e meia desde então, o remanescente da Supernova 1987A continuou a ser foco de pesquisadores em todo o mundo, proporcionando uma riqueza de informações sobre um dos eventos mais extremos do universo – a morte das estrelas.

A nova pesquisa, publicada no The Astrophysical Journal e feita por astrônomos na Austrália e Hong Kong, fez imagens da mais alta resolução do remanescente de supernova em comprimentos de onda milimétrica, usando o rádio telescópio Australia Telescope Compact Array.

“Detectar objetos astronômicos distantes como este em comprimentos de onda menores que 1 centímetro exige as condições atmosféricas mais estáveis. Geralmente, isso só é possível em condições mais frias de inverno, mas mesmo assim, a elevação e baixa umidade do local [do rádio telescópio] torna as coisas muito desafiadoras”, disse a autora principal do estudo, Dra. Giovanna Zanardo, da Universidade Curtin e da Universidade da Austrália Ocidental em Perth, ambas na Austrália.

Ao contrário de telescópios ópticos, um rádio telescópio pode operar durante o dia e pode observar através do gás e da poeira, permitindo aos astrônomos ver o funcionamento interno de objetos como restos de supernovas, galáxias e buracos negros.

Os cientistas estudam a evolução das supernovas olhando para seus restos a fim de melhorar sua visão sobre a dinâmica dessas explosões, e a interação da onda de choque com o meio circundante.

“Não só fomos capazes de analisar a morfologia da Supernova 1987A através da nossa imagem em alta resolução, como pudemos compará-la a imagens de raios-X e dados ópticos para modelar sua história provável”, disse Bryan Gaensler, da Universidade de Sydney (Austrália).

A equipe suspeita que uma fonte compacta ou nebulosa de vento de pulsar está no centro da emissão de rádio, o que implica que a explosão supernova não colapsou a estrela em um buraco negro. O próximo passo da pesquisa é tentar observar melhor o interior do remanescente e ver o que está lá.[ScienceDaily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Rodolfo 2013:

    O que vai ser da ciência “galáctica” sem gênios como Stephen William Hawking? Ja ficou desfalcada com a perda de Carl Sagan.

  • grasisuperstar:

    Vamos continuar observando, os telescópios estão cada vez mais modernos. “O E-ELT um que esta em andamento e tem uma tecnologia com ênfase em engenharia ótica”. Bilhões estão sendo investido na área vamos ter fotos maravilhosas no futuro.

  • Luiz Fernando:

    Por que eles nunca gravam um vídeo de acontecimentos como esse?

    • Thiago Alexandre Dos Santos:

      Não tem como gravar, pois a expansão acontece em milhares de anos… nao é uma explosão como na terra de uma bomba… a esta distância só fica a onda de impacto e massa ejetada registrada.

    • Amadeus E:

      Esses acontecimentos, demoram milhares de anos para acontecer, imagine gravar todo esse processo? Acho que nem todo espaço disponível para armazenamento digital do mundo seria capaz de tal, essa foto que você vê, por exemplo, foi tirada a 10 minutos atrás, se tirar outra agora, superficialmente, nada ira ter sido alterado, é um processo bem longo para a pequena vida humana.

    • Eloyr:

      Isto não acontece todos os dias… Este caso aconteceu em 1987 e nem existia tecnologia para fazer boas imagens do evento. A mais espetacular explosão de uma supernova que se tem notícia, foi a SN1054 na constelação do caranguejo. Sua aparição teve início em 04 de julho de 1054 e foi visível à vista desarmada durante 23 dias e por 653 noites. Só temos relatos de astrônomos chinêses e àrabes.

  • Marco337:

    A Astronomia nós dá imagens fascinantes, porém tem cada teoria “bizarra”.

Deixe seu comentário!