Pais estressados alteram o DNA de suas crianças

Por , em 4.09.2011

Que radiação que nada. Pesquisadores descobriram que até o estresse demasiado dos pais pode deixar marcas duráveis no material genético de seus filhos.

Um novo estudo visou explorar se e como a experiência negativa altera genes de uma criança, e se essas alterações permanecem até a adolescência.

A pesquisa revelou um mecanismo pelo qual as experiências de infância influenciam na parte biológica de uma pessoa.

De acordo com a pesquisadora Marilyn Essex, a novidade confirma a hipótese de que um cotidiano conturbado e estressante na infância pode prever mudanças no DNA que se manifestarão na adolescência. “Essa é mais uma prova da importância dos primeiros anos e dos efeitos duradouros dos ambientes familiares durante a infância e na idade pré-escolar da criança”, diz.

A equipe se concentrou na epigenética, que é um processo que afeta a expressão de genes sem alterar a sequência de DNA subjacente. Un conceito-base da epigenética é um processo chamado de “metilação”, no qual um grupo químico se junta a partes do DNA de um organismo e afeta o fato de o gene se expressar ou não em resposta a estímulos sociais e físicos.

Os pesquisadores mediram os padrões de metilação em amostras de DNA das células da bochecha de mais de cem adolescentes de 15 anos. Os resultados dessa experiência foram em seguida comparados com dados coletados em 1990 e 1991, com os pais dessas mesmas crianças. Os pais foram convidados a fornecer informações sobre seus níveis de estresse, incluindo expressão frequente de raiva, estresse e depressão.

“Esta parece ser a primeira demonstração científica de que momentos de adversidade dos pais durante os primeiros anos de uma criança levam a mudanças perceptíveis em sua ‘epigenoma’, ainda mensuráveis mesmo mais de uma década mais tarde”, afirma o pesquisador Michael Kobor.

Níveis mais elevados de estresse relatados pela mãe durante o primeiro ano de vida de seus filhos foram relacionados com os níveis de metilação do DNA em 139 locais quando as crianças se tornaram adolescentes. Os resultados também mostraram 31 casos que foram associados ao estresse dos pais durante os anos pré-escolares de seus filhos, enquanto as crianças tinham de três e meio a quatro anos e meio.

Outro dado interessante apontado pelos pesquisadores foi que os níveis de estresse da mãe têm efeito tanto nos meninos quanto nas meninas, porém os níveis de estresse do pai são mais fortemente associados com a metilação do DNA das filhas. Esses resultados apoiam pesquisas anteriores que mostram que a ausência da figura paterna está associada ao início mais precoce da puberdade e a difíceis traços temperamentais em meninas – mas não em meninos. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Fernando Monteiro:

    Essa teoria se for comprovada, passa a ser um determinismo. Haverá alguém sem estresse?

  • Eu:

    Além dos pais já serem estressados… agora têm de se preocupar em não alterar o ADN das criancinhas…

  • Eddy:

    Por isso urge uma mudança radical (de raíz) da nossa organização social.
    O modo mais funcional continua sendo TRIBOS onde todos somos responsáveis por TODOS.
    Como sempre foi. Nada que ver com comunismo.
    A atual separação de núcleos familiares isolados por tempo/espaço/economia/cultura…etc, não só é inviável como extremamente decadente.

    • Eddy:

      Pois é Eduardo
      Ainda que pobreza não precisa ser parte dessa equação, ao contrário, a felicidade certamente o é.
      É só questão de parar de pensar que consumismo é igual a realização.

  • Moisés:

    Incrivelmente previsivel, ja que a biblia ja identificava ou seja prever que as caracteristicas geneticas dos pais sao transmitidas aos filhos alem do que a sociedade leiga pensa, mas a explicação cientifica e brilhante ja que os leigos religiosos nao tem o conhecimento genetico cientifico e tem suas razões baseadas somente na fé. Parabens.

  • Roberto:

    Epigenética. Todos os seres vivos sofrem pequenas variações genética durante sua vida e estas acabam sendo transmitidas aos filhos. Sendo confirmada como útil aos filhos, elas passam para os netos e assim sucessivamente até se tornarem traço genético predominante. Acontece que este sistema se dá num liga e desliga de genes já existentes. Ele não produz novos genes.

Deixe seu comentário!