Inédito: astrônomos veem um buraco negro cuspir matéria duas vezes

Por , em 16.01.2018

Segundo a teoria, buracos negros supermassivos passam por ciclos de hibernação e atividade.

Isso significa que, de vez em quando, eles engolem material. Em seguida, dormem. Alguns milhares de anos depois, despertam para se alimentar novamente, e assim por diante.

Agora, pela primeira vez, confirmamos essa hipótese: pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder, nos EUA, registraram um buraco negro se alimentando (e cuspindo um pouco dessa comida) duas vezes entre um período de dormência.

Engolindo (e cuspindo) matéria

Os dois jantares, ocorrendo no prazo de 100.000 anos, verificam a ideia de que os buracos negros supermassivos passam por tais ciclos.

Vale lembrar que os buracos negros não estão vivos, mas falar em termos de alimentação é uma metáfora útil para explicarmos a maneira como esses objetos devoram material, atraindo-o com sua tremenda gravidade.

Antes, pensávamos que nada, nem mesmo a luz, escapava dos buracos negros.

Hoje, sabemos que eles não retêm tudo o que capturam. Quando eles consomem matéria como gás ou estrelas, também liberam jatos poderosos de partículas de alta energia próximas ao seu horizonte de eventos.

Os eventos observados

O buraco negro estudado fica no centro de uma galáxia chamada SDSS J1354 + 1327, a cerca de 800 milhões de anos-luz da Terra.

A equipe de pesquisadores, liderada pela astrônoma Julie Comerford, comparou os dados do Observatório de raios-X de Chandra com imagens do Telescópio Espacial Hubble e descobriu que o buraco negro central dessa galáxia é cercado por uma espessa nuvem de poeira e gás.

“Estamos vendo este objeto comer, cuspir e tirar uma soneca, e depois comer e cuspir mais uma vez, como a teoria havia previsto”, disse Comerford. “Felizmente, passamos a observar esta galáxia em um momento em que pudemos ver claramente evidências de ambos os eventos”.

Essa evidência consiste em duas bolhas de gás – uma acima e uma abaixo do buraco negro -, que são “expulsões” de partículas que ocorrem após uma refeição, como um arroto. As duas bolhas ocorreram em momentos diferentes.

Arrotos

A bolha ao sul do buraco negro expandiu a 30 mil anos-luz do centro galáctico, enquanto a bolha ao norte expandiu a apenas 3.000 anos-luz do centro galáctico.

Estes fenômenos são conhecidos como “bolhas de Fermi”, e geralmente são vistos após um evento de alimentação de buraco negro. Medindo a velocidade dessas bolhas, os cientistas conseguiram descobrir que tais eventos ocorreram com cerca de 100 mil anos de intervalo.

E o que é mais interessante é que esse material expelido do buraco negro vem de uma galáxia complementar, conectada a SDSS J1354 + 1327 por fluxos de estrelas e gás, devido a uma colisão entre as duas.

São os aglomerados de material desta segunda galáxia que giram em direção ao buraco negro, são comidos e arrotados.

E o nosso buraco negro?

A Via Láctea também tem bolhas de Fermi, que são arrotadas pelo nosso buraco negro central, Sagitário A*, quando ele se alimenta.

E, assim como o buraco negro recentemente observado comeu, dormiu e comeu de novo, os astrônomos acreditam que Sagitário A* vai despertar de sua hibernação para se alimentar novamente também.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica The Astrophysical Journal. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (21 votos, média: 4,48 de 5)

1 comentário

  • Edu Müller:

    Não percebem que são naves espaciais entrando e saindo desses buracos????

Deixe seu comentário!