Perder um ente querido pode matar você?

Por , em 11.01.2012

A dor emocional de perder um ente querido afeta o coração, metaforicamente. Mas será que isso pode causar um ataque cardíaco real?

Em um novo estudo, cientistas confirmaram o que a medicina suspeitava há muito tempo: a síndrome do coração partido é real. A pesquisa descobriu que o risco de ataque cardíaco, um dia depois de perder alguém que se ama, é 21 vezes maior do que o normal.

Conforme o tempo passa, o risco diminui, mas continua elevado no primeiro mês. Uma semana depois do ocorrido, por exemplo, o risco é seis vezes maior do que o comum.

“Se uma pessoa de luto está tendo sintomas como dores no peito, elas não devem pensar ‘Oh, é apenas stress’ e ignorar isso”, afirma Elizabeth Mostofsky, líder do estudo.

Outros trabalhos já haviam apontado o crescimento dos riscos para o coração e da mortalidade nas semanas e meses após a perda de um companheiro, filho ou alguém amado, mas esse é o primeiro a olhar sistematicamente no efeito imediato.

Para isso, os pesquisadores entrevistaram quase duas mil pessoas hospitalizadas por ataques cardíacos, durante um período de cinco anos e levando em conta aspectos como a saúde e histórico familiar da doença.

Obviamente, aqueles com fatores antigos de risco cardíaco são mais vulneráveis, mas as altas chances prevalecem mesmo em quem não tem histórico algum. Mostofsky salienta também que o estado de luto pode provocar depressão, raiva e ansiedade – todos fatores que podem elevar o nível cardíaco e a pressão sanguínea. [The New York Times, Foto]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

14 comentários

  • suely freitas:

    oi, meu nome é suely freitas ha dois anos, por um acidente perdi meu filhinho de 18 anos, meu vinicius freitas, filho lindo e muito amado meu mas novo, que por pouco nao perco os dois , pois estavam os dois na moto no momento do acidente, desde 19-01-2011, minha vida perdeu o sentido, a DOR ultrapassa nossa alma, a saudade é tamanha que nem conseguimos decrever nem menssurar, so podemos pedir misericordia a Deus e sabedoria pra ir continuando, pois se dependesse de nós nem estariamos aqui, pois nem sei esplicar como uma mae consegue sobreviver, apos ter que se afastar do seu filho mesmo sabendo que um dia todos estaremos juntos que só estamos distante fisicamente, pois como ele me falava todos os dias MAINHA EU TE AMO, NUNCA VOU ME AFASTAR DE TU, NUNCA VOU TE DEIXAR. Isso eu ouvia dele todos os dias junto com tantos abraços e beijos. MEU VINICIUS MEU FILHO SEMPRE, OBRIGADO SENHOR POR PERMITIR QUE CONVIVESSE POR 18 ANOS UM UM SER TAO ILUMINDO. O MEU VINICIUS.

  • Wanda:

    Oi gente.
    Perdi meu filho com 22 aninhos foi a maior dor que já pude sentir, já fazem dois anos.Mas falando sobre coração, no mesmo dia que meu filho sofria o acidente que lhe tirou a vida, meu outro filho mais velho que era saudavel sofria um principio de infarto no trabalho sendo socorrido pelo chefe, sem nem saber que o irmão já havia falecido por acidente de moto na mesma hora. Acho que eu não sobreviveria a perda de dois filhos imagine . Alguem pode explicar isso?
    Gente brigado pelo espaço. beijinhos.

  • gloria:

    Como viver no mundo sem sofrer perdas importantes? Não são as notícias ruim q matam, as pessoas já estão doentes, a noticia pode acelerar a morte, mas mesmo assim acho q ñ são todas as pessoas q morrem do coração c\ noticias ruins, morrem c\ noticias boas tbm. O bem e o mal caminham juntos, o q mata é a doença e o estres O sofrimento é necessário em nossas vidas nem sempre ele mata, tbm nus faz cerscer amadurecer e mudar o rumo de nossas vidas, a dor da perda nus fortalece p\ dias futuros, ensinando-nos a viver de maneira correta, quem ñ aprende c\ o sofrimento fica no meio da caminhada da vida.

  • regina:

    Minha mãe adormeceu em Jesus há 8 meses. Um mes depois tive uma erupção nas pernas, que demorou 3 meses para secar.Os médicos atribuem a “stress”, mas, tenho certeza que foi uma manifestação de repulsa pela morte de minha mãe. As feridas foram, com certeza , a materialização , a manifestação da tristeza que me abateu!
    O ser humano é muito complexo e pouco conhecemos das reações psicológicas , que acabam atingindo nosso corpo físico! E´ preciso aceitar o que não se pode mudar, para aliviarmos essa dor!

  • Rafael:

    Oque acontece aí é o seguinte:
    Todo pensamento negativo faz a alma irradiar sobre o corpo vibrações perniciosa que degrada o corpo, e alem disso estas mesmas vibrações atraem outras de espíritos obcessores que agravam mais ainda a situação, indusindo a pessoa a morte. Então o importante é se recuperar logo para que os maus sentimentos não sirva de apoio de ataque as forças do mal.

  • carlos manuel da silva simoes:

    Minha querida mãe, que sempre vivi, faleceu vai fazer 3 anos a
    18 de Setembro. Hoje ainda choro por ela, que tanto amo, mas
    não me deixo abater porque não sou só eu que perco uma e única mãe, toda a gente perde uma mais que querida pessoa amada, e como se diz cá em Portugal, a vida continua, não deixa de ser
    verdade. O falecimento de minha adorada mãe, ainda está muito
    fresco, vou visitá-la = a campa = uma vez por semana, só para não cair numa droga chamada ( DOR )me entendem por favor, estou escrevendo estas linhas e a chorar, mas choro com fortaleza porque ao princípio tentei o suicídio, porque a minha vida já não fazia mais sentido pensava assim eu.
    Esta dor de perder de quem mais amamos é muito forte.
    Amar é o melhor do mundo, mas depois, vem o pior. carlossimoes

  • Brúh´s:

    nossa interessante isso minha mãe morreu de ataque do coração isso quer disser que se eu me deixar levar por isso quando um ente querido me deixar o meu risco é bem maior bom saber

  • Elizabeth:

    É verdade… meu tio avô era saudável mas morreu poucos dias depois que a esposa dele. A família sempre disse que ele morreu de saudade.

  • Lilith Bel Moon:

    eu fiquei desse jeito..apos a morte de meu papai…ele faleceu em meus braços..ate hje me culpo..e peço pra ir com ele…sei que vou ser a poxima a ficar pertinho dele..

  • Flor de Lis:

    Penso que aí está a resposta pra o fato de meu coração não ser mais como era…

  • MARISTELA MENEZES DE PAULA MANGILI:

    Perdi meu pai aos 72 anos de idade, que embora ninguém da família soubesse, ele tinha um problema no coração que era tratável; mas gozava de saúde quase que perfeita.Nunca bebeu, nem fumou, sempre alimentou-se corretamente. Não tinha nenhum problema, até que minha irmã caçula suicidou ao 36 anos de idade em 05 de março de 2008 e em 20 de setembro de 2008( 6 meses depois) meu pai querido, teve um infarto fulminante, após ter sofrido o 1º infarto 5 dias antes( dia 15)e ter passado por cateterismo e angioplastia. Ele estava com aviso de alta médica para 2ª feira e morreu no sábado anterior dentro do hospital.

    • Lilith Bel Moon:

      Põ kra..eu fiquei assim desde que meu pai faleceu do coraçao.. aos 82 anos, eu ate hje fiquei depremida,solitaria,triste e ate misatrofa, nao gosto de ninguem perto de mim..quero esta sempre so.. e embaixo de arvores a noite…

    • carlos alberto belmonte chaves:

      Concordo é amais pura verdade esta pesquisa devemos não esquecer dos nossos entres queridos mas não deixar nos levar pois a vida vida deve seguir seu rumo.

    • carlos manuel da silva simoes:

      Olá Maristela M’Paula Mangili, bom dia de Portugal.
      Como te COMPREENDO, é uma dor invisível tão forte que nos abate,
      seja a quem for, porque até o BAMDIDO também ama, e no entanto não deixa de amar.
      Esta dor que sentimos, quer queremos ou não, vai-nos consumindo.
      Toda a felicidade para você, e tenha mesmo muita força. E acima de tudo se ame para que possa amar o próximo. carlossimoes

Deixe seu comentário!