Pessoas feias sofrem mais bullying no trabalho

Por , em 18.07.2013

Todo mundo sabe que a escola pode ser um ambiente cruel, onde os alunos considerados atraentes são “populares”, e os menos atraentes acabam intimidados ou sofrem bullyng.

Esperava-se (ó, sonho impossível) que esse tipo de comportamento mesquinho sumisse com a idade adulta, mas uma nova pesquisa mostrou que não; colegas de trabalho podem ser tão imaturos quanto colegas de classe.

O estudo da Universidade de Notre Dame e da Universidade Estadual de Michigan (ambas nos EUA) é o primeiro a vincular atratividade à bullying no local de trabalho.

Os pesquisadores concluíram que a atratividade física afeta da mesma forma que a personalidade na maneira como uma pessoa é tratada no trabalho.

Eles entrevistaram 114 trabalhadores, perguntando-lhes com que frequência seus colegas o tratavam cruelmente, dizendo coisas ofensivas, sendo grossos ou tirando sarro deles. Através de fotos digitais, a “atratividade” desses trabalhadores foi então julgada por pessoas que não os conheciam.

“Nós descobrimos que pessoas menos atraentes são mais propensas a sofrer tratamento rude, grosseiro e até mesmo cruel por seus colegas de trabalho. E, não somente nós, como sociedade, percebemos colegas de trabalho atraentes e não atraentes de maneira diferente, como agimos de acordo com essa percepção de formas que podem ser dolorosas”, disse Timothy Judge, um dos autores do estudo.

Diversas pesquisas já chegaram à conclusão de que a beleza pode ajudar muito uma pessoa no mercado de trabalho, seja para receber salários mais altos, melhores avaliações de desempenho ou para o sucesso na carreira como um todo.

Pessoas atraentes são mais autoconfiantes, têm maior autoestima e são percebidas como mais inteligentes e morais. A pesquisa indica ainda que ver pessoas atraentes nos coloca em um estado de espírito melhor.

“Dado que a atração física não é uma qualificação profissional para a maioria dos postos de trabalho, as nossas novas descobertas são problemáticas para a sociedade”, fala Judge. “Pior ainda, a pesquisa mostra que nós somos mais influenciados pela atratividade do que estamos dispostos a admitir”.

Esse é um problema sem solução fácil, especialmente dada a natureza cada vez mais visual da comunicação. “A consciência [do problema] é certamente um passo importante”, diz o pesquisador. “Se reconhecemos os nossos preconceitos e somos mais abertos e honestos acerca de sua onipresença, podemos combater melhor essa influência”. [ScienceDaily]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Larissa Rafaella Santos Sales:

    Ah, é verdade. Triste isso. O bom é que ja me tornei forte, adquiri experiencia na adolescência para lidar melhor agora e não me abalar por pouca coisa.

  • Nara:

    Pessoas feias sofrem bulling enquanto pessoas belas sofrem assédio sexual… sofrimento de qualquer jeito.

  • Bruno Vilas Boas:

    As pessoas estão perdendo o senso sobre o certo e o errado eu só acho, tanto o agressor quanto a vítima, pois não estão se dando conta que o território brasileiro apesar de democrático e com seus defeitos NÃO é terra sem lei, podendo levar o agressor a pagar uma gorda indenização à vítima ou até um ou dois anos de detenção, e todo mundo sabe que todo boa pinta na cadeia vira mulher KKKKKKKKKK. Além do mais geralmente o termo ‘bullying’ na idade adulta não é usado, usa-se mais os termos assédio moral ou sexual, racismo e etc.

  • luysylva:

    to lascado kkk !

  • JG Costa:

    Está explicado por que me zoam tanto! 🙂 Abraços!

  • Vicente Ferreira:

    Pena que muitas pessoas agem assim. Estas, com certeza, são superficiais, não enxergam nada além da aparência. Nunca entenderão que ‘beleza’ passa, acaba… Caráter, não. Não que pessoas bonitas também não tenham caráter, mas por vezes, esta qualidade não é a primeira a ser vista!

    • João Gabriel:

      Aposto que vc é feio, rsrs(brincadeira)

Deixe seu comentário!