Policial nigeriana diz a gays: “Abandone o país ou enfrente julgamento criminal”

Por , em 24.01.2019

Uma oficial de alto escalão da polícia nigeriana fez uma postagem na rede social Instagram advertindo os gays que vivem em seu país a abandoná-lo ou arriscarem processo criminal.

Dolapo Badmos, superintendente e porta-voz do Comando da Polícia do Estado de Lagos, fez os comentários em sua conta pessoal privada, com 125 mil seguidores:

“Se você é homossexual, a Nigéria não é um lugar para você. Existe uma lei (Lei de Proibição de Casamento do Mesmo Sexo) que criminaliza clubes, associações e organizações homossexuais com penas de até 14 anos de cadeia. Então, se você é homossexual por natureza, saia do país ou enfrente uma acusação criminal”, escreveu Badmos, que alcançou status de celebridade no país devido a suas frequentes atividades nas redes sociais, na semana passada.

O ex-presidente nigeriano Goodluck Jonathan foi quem assinou a controversa Lei de Proibição de Casamento do Mesmo Sexo, apesar de ampla objeção internacional. Na Nigéria, aqueles considerados culpados de estar em um relacionamento com uma pessoa do mesmo sexo enfrentam até 14 anos de prisão.

Apoio

Os comentários de Badmos são a mais recente lembrança dos desafios enfrentados pelos membros da comunidade LGBT em um país onde a lei antigay goza de amplo apoio entre seus cidadãos.

De acordo com uma pesquisa com 2.000 pessoas conduzida pela Iniciativa para a Igualdade de Direitos (TIERs, na sigla em inglês), uma organização de direitos humanos sediada na Nigéria, cerca de 90% dos nigerianos apoiam a aplicação contínua da lei.

Após a postagem, Badmos recebeu vários comentários, a maioria expressando aprovação ao processo proposto contra os gays que vivem na Nigéria. “É ilegal e ímpio”, escreveu um usuário. Outro disse: “Devemos dizer não ao lesbianismo e à homossexualidade, é um mal”.

Lamentável

Olumide Makanjuola, diretor executivo da TIERs, disse à CNN que a postagem no Instagram é o equivalente a incitar a violência contra pessoas LGBT na Nigéria, chamando os comentários de Badmos de “inaceitáveis”.

“A polícia deve ser cautelosa com suas declarações, se elas incitam a violência. O que ela disse é incabível”, disse Makanjuola.

Muitas das pessoas que comentaram a postagem de Badmos destacaram um indivíduo transgênero em particular, proeminente nas mídias sociais, e pediram sua prisão.

A lei foi amplamente condenada por organizações de direitos humanos como a Anistia Internacional e Human Rights Watch na época, assim como o então Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry.

Homofobia

A homofobia é generalizada em muitos países africanos. Mais da metade das nações do continente promulgaram leis que tornam ilegal a homossexualidade. Em algumas, incluindo a Somália e o Sudão do Sul, a homossexualidade é punida com morte.

Uma pesquisa da Pew Research em 2013 descobriu que 98% das pessoas na Nigéria acreditam que as pessoas LGBTQ não deveriam ser aceitas pela sociedade.

No entanto, uma pesquisa de novembro encomendada pela TIERs mostrou um aumento de 7% nas taxas de aceitação de LGBTs na Nigéria, quando comparado a uma pesquisa similar de dois anos antes. [CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (15 votos, média: 3,73 de 5)

Deixe seu comentário!