Por que, afinal, é tão difícil beber com moderação?

Por , em 11.07.2011

Pesquisadores da Universidade de Washington resolveram fazer um estudo visando responder à seguinte questão: se todo mundo sabe que beber demais em uma noite causa vômitos, lapsos de memória, ressacas ou algo ainda pior, por que é tão difícil não exagerar nos drinques?

A resposta, segundo os cientistas, é psicológica e “cultural”. Aparentemente, o fato de passar mal de tanto beber, em uma noite, não traumatiza o indivíduo, que já está psicologicamente pronto para outro porre na ocasião seguinte. Ressacas, portanto, não ficam marcadas no cérebro humano como experiências negativas muito fortes.

Para chegar a essa premissa, os pesquisadores reuniram 500 estudantes da própria Universidade de Washington. Todos os pesquisados responderam como foi viver uma série de coisas que podem acontecer a um ser humano bêbado. Desmaios, brigas, ressacas, faltas a aulas ou ao trabalho, perda ou roubo de objetos, tudo era relatado pelos estudantes. Os aspectos positivos, em contrapartida, também foram observados: os estudantes não se esqueceram das ocasiões em que a bebida os ajudou a se inserir em grupos sociais e ter sucesso em encontros amorosos.

A surpresa da pesquisa foi a seguinte: aqueles que tiveram experiências ruins as avaliaram como não sendo menos ruins, e menos prováveis de ocorrer, do que aqueles que não passaram por maus bocados. Ou seja, quem sofreu garante que a bebida não traz problemas, e quem nem chegou a sofrer é mais cauteloso.

Basicamente, o que acontece é o seguinte. Se você presencia um porre alheio, pensa automaticamente que “isso nunca vai acontecer comigo”. Se você próprio atravessa essa experiência, está de ressaca na manhã seguinte e pensa que “nunca mais vai beber tanto assim”. Mas a promessa, geralmente, não se cumpre em ambos os casos.

Dessa forma, segundo indicam os cientistas, o caminho para diminuir o alcoolismo entre os jovens é fazê-los “compreender”, neurologicamente falando, os aspectos negativos da bebida. O desafio é convencer o cérebro de que os fatores negativos de um porre pesam mais na balança em relação aos positivos. [LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

13 comentários

  • kayane porto alegre RS:

    eu não so viciada em bebida mas sempre que posso to cm uma gelada na mão!!!sô muito fraca pra bebida intão fiko tontinha rapidinho;não sei se é pelo fato de eu ser muito nova (17 aninhos) mas acho que fikar bêbada é um momento de descontração na nossa vida pra sair da monotonia;acho isso bem legal!!!até a ressaca no outro dia!!!nada que um soninho e água gelada ñ resolva!!!até prq já fikei cm um guri que eu tava tentando fik há séculos e quando fikei bêbada fikei cm ele e isso duro 8 meses!!!
    bjão gurizada

  • sabio:

    Acredito que o maior mau da bebida, não é a ressaca do outro dia, mas sim o fato de uzar a bebedeira como desculpa esfarrapada para varios absurdos que acontecem por ai.
    lembre-se, beba mas não bote a culpa no alcool,pois o idiota é você!.

  • GUILHERME:

    SÃO SITUAÇÕES ADVERSAS,MAS BEBER MODERADAMENTE É COMO DIZER “VOU COMER UMA ÚNICA SÓ PIPOCA”,VOCÊ CONSEGUE ?

  • joel aNTIQUEIRA:

    porque e dificil não beber,r;inganoso e o coração e desesperadamente corupto(mente)

  • Prego Mestre:

    Ninguem lembra da dependência, afinal, alcool é uma droga que vicia como outra droga qualquer, deixa o cara doidão como outra droga qualquer, tem gosto ruim e ainda deixa o usuário fedorento.

    Imaginem a situação com o Crack: “fumem com moderação”… A diferença está na legalidade.

  • Aurgon:

    Há muito tempo eu descobri, quem é o culpado pelos meus porres…Pasmem vocês, é o maldito do Garçon, cada vez que uma “loira gelada” está pela metade, lá vem ele, trazendo “outra suadinha”, daí não dá outra, para não deixar esquentar eu mando logo a desdita goela abaixo.Fim do mistério, quando não quero passar da conta, vou logo dizendo: – Se trouxer outra te desço o braço. É tiro e queda! Ah, vale dizer que deixei de apanhar da minha esposa, quando chegava em casa. hehehehehehe

  • Márcio M:

    Matéria traz aspectos interessantes. Eu já passei pela experiência. Já fiquei de porre e disse que nunca mais ia beber a tal ponto de não ficar mais naquela situação. Bebi e fiquei de porre novamente por outras vezes. Hoje, digo que não bebo mais pra ficar de porre e, realmente, não bebo mais pra ficar de porre. Fico com uma enxaqueca fila da … Acho q estou ficando velho, rsrsrs. A gente se cuida mais e não sinto falta de bebida. Só suco e água de coco, nem refrigerante bebo mais. 😉

  • Natália Cristina:

    É assim, uma lata (to bem), 2 ,3,4,5,6,7…..
    Bebidas com o teor alcoólico 60% ….
    Nenhum bêbado assume que não esta legal, acha que o que bebeu foi pouco.

    Por isso eu não bebo e não fumo!

  • Edlove:

    As vezes q bebí foi pra me sentir um pouco mais solto, pra me socialisar com alguma galera, e enquanto não exagerava era maravilhoso, despois era só tortura, e no proximo fim de semana estava eu outra vez de pore. Parei a 2 anos e estou òtimoooooooooo.

  • NERDÃO:

    CONCORDO, no momento de porre todos dizem q nunca mais beberão… MAS após a mesma passar sempre estão pronto para outra… isto porque não ficam traumas… o cérebro não está apto no momento para gravar tais sensações… Vamo Q Vamo pQ bêbê é Bão! \o rs

  • roberto l:

    São pessoas que estão infelizes por algum motivo. Informação é o que não falta.

  • EltonPaes:

    Por falta de autocontrole, eu consigo beber moderadamente, tenho 22 anos e nunca fiquei jogado assim na rua. uhASHAUSHUAhs
    por que ** de bêbado já sabem né…

  • Lews:

    Por falta de educação e informação…

Deixe seu comentário!