Cientista descobrem porque humanos vivem mais do que outros mamíferos

Por , em 23.01.2014

Seres humanos vivem mais tempo do que quase todos os outros mamíferos. Por quê?

Essa é a pergunta que uma equipe internacional de cientistas queria responder. Para isso, eles compararam a quantidade de energia que os primatas usam por dia, em média, com a quantidade equivalente de energia que outros mamíferos gastam diariamente.

Os pesquisadores descobriram, surpreendentemente, que os primatas queimam metade das calorias que outros mamíferos de tamanho similar – um ser humano (mesmo alguém com um estilo de vida muito ativo fisicamente) precisaria correr uma maratona por dia apenas para se aproximar da média de gasto energético diário de outro mamífero de seu tamanho.

Aliás, como primatas em zoológicos gastam tanta energia quanto primatas em estado selvagem, o estudo sugere que a atividade física pode ter menos impacto sobre a quantidade de calorias que os mamíferos gastam do que se pensava.

Segundo os cientistas, este metabolismo lento natural dos primatas pode retardar o processo de envelhecimento, o que faz com que eles vivam mais.

Seres humanos x outros mamíferos

A maioria dos mamíferos, incluindo ratos e cães, atinge a idade adulta dentro de um ou dois anos. Inclusive, muitos mamíferos atingem a maturidade sexual em questão de semanas. Por exemplo, um rato de seis meses tem o equivalente a 18 anos humanos, enquanto um cão de dois anos tem o equivalente a 18 a 25 anos humanos.

Na natureza, estes mamíferos se reproduzem muito mais regularmente do que os primatas e muitos morrem na adolescência, se não antes.

Em comparação, humanos e nossos parentes primatas, como macacos, grandes símios, társios e lêmures, têm longas infâncias, se reproduzem com pouca frequência e vivem uma vida excepcionalmente longa.

Este ritmo lento de vida tem intrigado os biólogos por algum tempo, porque os mecanismos por trás dessa diferença eram desconhecidos.

A pesquisa

Agora, o professor Herman Pontzer, do Hunter College (Nova York, EUA) e seus colegas analisaram 17 espécies de primatas em zoológicos, santuários e na natureza para determinar seu gasto energético diário.

Usando uma técnica segura e não invasiva conhecida como “água duplamente marcada”, os pesquisadores mediram o número de calorias que os primatas queimavam ao longo de um período de 10 dias.

Esta técnica acompanha a produção de dióxido de carbono do corpo, o que dá uma indicação da quantidade de energia que ele está gastando.

Ao combinar essas medidas com dados similares de outros estudos, a equipe pode comparar a produção de energia destes animais com a de outros mamíferos.

“Os resultados foram uma verdadeira surpresa. Os seres humanos, chimpanzés, babuínos e outros primatas gastam apenas metade das calorias que esperaríamos para um mamífero”, explicou o professor Pontzer.

Todos os organismos precisam de energia para crescer e se reproduzir, e o gasto energético também pode contribuir para o envelhecimento. As baixas taxas de crescimento, reprodução e envelhecimento entre os primatas correspondem a sua lenta taxa de gasto energético, o que indica que a evolução tem atuado na taxa metabólica para moldar as vidas distintamente lentas dos primatas.

“As condições ambientais que favorecem a redução de gastos de energia podem ser a chave para entender por que os primatas, incluindo humanos, evoluíram este ritmo lento de vida”, sugere um dos coautores do estudo, David Raichlen, da Universidade do Arizona (EUA). [DailyMail]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

3 comentários

  • Richard Fontana:

    Uma outra causa desta condição: a capacidade de transformar alimentos em calorias e o seu aproveitamento. Estamos no topo desta pirâmide.

  • Edjon Pereira De Jesus:

    Acredito que não é só pelo gasto energético que se determina a longevidade das espécies, existe uma enzima chamada telomerase que protege para não perdermos a seqüência de dna qdo há reposição celular, enquanto jovens até +- 25 anos. Será que todas as espécies tem essa enzima? Esportistas em tese viveriam menos, se esta for a condição.

    • Anderson Thiago:

      Mas é bem raro a gente ver atletas chegarem a idades bem avançadas, como os centenários e os supercentenários. Porém, encontramos muitos destes que trabalharam pesado a vida toda e também gastaram muitas calorias. Os atletas, pode ser, que devido ao desgaste no coração e não só no consumo de calorias. Meu avô é nordestino, foi caixeiro-viajante, vindo lá de Garanhuns, vindo parar em SP, trabalhou arduamente a vida toda em plantações de algodão – era selecionador – e hoje tem 93 anos, firme e forte! Já algumas celebridades de um determinado estado do BR, ficam de boa, a vida toda, e estão vivos até hoje… rs

Deixe seu comentário!