Prozac: antidepressivos funcionam melhor aliados a terapia psicológica

Por , em 28.12.2011

Muitas pessoas já tomaram fluoxetina, vendida sob a marca Prozac, um antidepressivo famoso que ajudou muitos casos.

Porém, a droga teve resultados variados em sua história e sua eficácia já foi questionada. Agora, um novo estudo com ratos reforça descobertas recentes de que a fluoxetina, por si só, não oferece um forte benefício, a menos que seja acompanhada por uma terapia cognitiva.

A combinar prozac com terapia

“A combinação de antidepressivo e terapia de exposição psicológica produziu um efeito benéfico que não foi atingido por um ou outro tratamento sozinho”, disse o autor do estudo, Eero Castrén.

No estudo, os pesquisadores deram fluoxetina a metade dos ratos. Em seguida, os condicionaram a ter medo de um ruído, dando-lhes um pequeno choque quando os animais o ouviam.

Após o condicionamento do medo, alguns dos ratos receberam o que os pesquisadores chamam de “terapia de extinção” – os pesquisadores reduziram o medo dos ratos do ruído, não dando o choque quando eles o ouviam.

Na fase final do experimento, os pesquisadores deram choques nos ratos cinco vezes sem o ruído. No dia seguinte, eles soaram o barulho para ver como os ratos reagiriam, examinando seus cérebros.

Ratos que tinham sido tratados com fluoxetina e terapia de extinção tiveram respostas diferentes no cérebro para o barulho, e foram menos propensos a congelar quando ouviram o ruído na fase final do experimento do que ratos que receberam apenas um dos dois tratamentos.

Cerca de 15% dos ratos que tinham sido submetidos a terapia de extinção e receberam fluoxetina congelaram em resposta ao ruído, enquanto pouco menos de 40% daqueles que não tomaram a droga congelaram.

Enquanto isso, pouco mais de 40% dos ratos que receberam a droga, mas nenhuma terapia, congelaram, enquanto os ratos que não receberam a droga nem fizeram terapia congelaram a uma taxa de cerca de 60%.

Embora o estudo tenha sido feito com ratos, ele confirma e ajuda a explicar descobertas que, em pessoas, a terapia de conversação ou a droga sozinha é menos eficaz do que as duas juntas.

A conclusão é de que tratamento psicológico combinado com a terapia antidepressiva está associado a uma maior taxa de melhora da doença. Segundo os pesquisadores, faz todo o sentido que o sistema nervoso tenha de ser receptivo à mudança da droga com a terapia.

Tornar o sistema nervoso mutável, mas não fornecer qualquer exposição ou experiência terapêutica que irá “informar essa mudança” pode fazer do sucesso improvável.

O novo estudo reforça a evidência de que os antidepressivos funcionam afetando o crescimento e a religação dos neurônios no cérebro, o que explicaria por que os medicamentos parecem funcionar melhor durante um período prolongado.

Mas também sugere que, se os antidepressivos estão “religando” o cérebro, o cérebro precisa de orientação nesse processo (com a terapia).

Os pesquisadores explicam que a terapia de reabilitação deve ser considerada em todos os casos que drogas antidepressivas estiverem sendo usadas.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • Lucia Winther:

    Gostaria de saber como eles fizeram a terapia cognitiva nos ratos.
    Quem faz experiências com ratos está há anos de luz de distância dos seres humanos.
    A mente não é o cérebro. Por isso que nenhum medicamento vai funcionar para melhorar o comportamento humano.
    Para entender como a mente funciona e melhorar o potencial mental recomendo a leitura do livro best-seller Dianética: O Poder da Mente sobre o Corpo.

  • Liel Pires:

    Fluoxetina is the new ASS/Cafeína

  • Sylvia:

    tomei fluoxetina por 6 meses!!!Nunca senti um remedio fazer um efeito tão benéfico e rápido…Já parei a mais de 2 anos
    e me sintomuito bem.

  • Geferson:

    Dependendo da terapia, até aspirina tem efeito antidepressivo.

Deixe seu comentário!