Existem mais bactérias do que células humanas no seu próprio corpo

O suficiente para encher um prato grande de sopa. “Isso é 1,36 a 2,27 quilos de bactérias”, diz Lita Proctor, que estuda as comunidades de bactérias que vivem sobre e em nós.

As células de bactérias em nosso corpo superam as células humanas em 10 para 1, diz Lita. Porém, como elas são muito menores do que as células humanas, representam apenas cerca de 1 a 2% da massa do nosso corpo, embora componham cerca de metade dos nossos resíduos corporais.

A quantidade de bactérias que carregamos com a gente não era bem catalogada até recentemente. Em julho, a Universidade Estadual da Carolina do Norte, EUA, estudou quantos micróbios tínhamos em nosso umbigo, e os cientistas encontraram cerca de 1.400 diferentes cepas de bactérias em 95 participantes. Destas, 662 amostras eram previamente desconhecidas.

Agora, uma nova instituição sem fins lucrativos, chamada MyMicrobes, quer conectar as pessoas através de uma rede social exclusivamente para falar e comparar experiências com bactérias (especificamente as gastrointestinais).[POPSCI]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 1,00 de 5)
Curta no Facebook:

12 respostas para “Existem mais bactérias do que células humanas no seu próprio corpo”

  1. São muitas bactérias, mas isso não quer dizer que todas elas são prejudiciais à nossa saúde, vejam os lactobacilos, por exemplo.

    • Não vejo porquê.
      O nosso corpo é cheio de bactérias, sobre a pele, nas partes mais “vincadas” como umbigo ou debaixo das unhas, dentro do organismo, e ainda mais, o reino das bactérias em nós é mesmo dentro da boca. Existem milhões e milhões de bactérias dentro da nossa boca. São inofensivas para a gente, e essenciais para que não hajam infecções contra outras bactérias realmente perigosas que tentam penetrar no organismo e “lutam” entre si. Convivemos em harmonia com determinadas bactérias para que nos defendam de outras.

    • Gostei do seu comentário. Mas, lendo em voz alta o texto seguinte, você saberá do que não gostei. O texto hipotético é: para que não HAJAM bactérias venenosas precisamos saber quantas bactérias HOUVERAM no passado.
      No mais, texto bom mas desagradável ao ouvido.
      Abraços.

Deixe uma resposta