,

Quem pega um resfriado e por quê?

Por , em 28.02.2012

Imagine a seguinte situação: se você ficar resfriada e for exposta a 100 pessoas, quantas vão pegar a doença e por quê?

Segundo os médicos, as taxas de transmissão podem variar de 50 a 80% (ou seja, das pessoas que estiveram em contato com o doente, 50 a 80% podem exibir sintomas). Quanto ao porquê de alguns serem poupados, há muitas possibilidades.

“Há centenas de tipos de vírus do resfriado, e eles têm diferentes taxas de infectividade”, disse a Dra. Elizabeth Jacobson.
“A exposição anterior ao vírus em questão deve levar a imunidade, mas a imunidade pode diminuir ao longo do tempo, e os vírus sofrem muitas mutações”.

A resistência pode ser comprometida por uma série de fatores, desde a privação de sono a doenças respiratórias subjacentes. Imunodeficiência, causada por medicamentos ou doenças, também podem predispor uma pessoa a pegar um resfriado.

As pessoas que lavam as mãos com menos frequência ou tocam seus olhos e nariz com mais frequência são mais propensas a pegar um resfriado, assim como aquelas que gastam mais tempo ao lado de uma pessoa infectada.

Além disso, a Dra. Jacobson diz que é possível ter um resfriado sem sintomas perceptíveis, que variam de tipo para tipo de vírus e de pessoa para pessoa.

Comunicabilidade também depende da quantidade de vírus nas secreções da pessoa doente. É mais elevada no início do resfriado, e começa a cair depois de três ou quatro dias.

Além disso, a temperatura do ar e a umidade podem afetar quanto tempo os vírus do resfriado podem sobreviver em superfícies inanimadas.[NewYorkTimes]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

5 comentários

  • Garantindo Gerações:

    Eu acho que falta muita informação aí. Citar um único doutor já não leva mais à credibilidade, estamos em outros tempos. Hoje é preciso mostrar estudos mais que avançados sobre o assunto, é preciso mostrar estudos que não fazem parte da máfia médica.

    E os atuais estudos sobre terreno humano (corpo e mente)?
    O que comprova que qualquer ser humano pode estar em contato com qualquer vírus desde que esteja com o terreno preparado.

    Os vírus, os micróbios, estão em toda parte. Eles são inofensivos, para atacarem uma pessoa, tem que haver um campo propício. Esse campo é gerado pela falta ou excesso de energia (corporal e mental) como de sentimentos: o ódio, a falta de perdão, atos, palavras ou pensamentos negativos, egoísmo, ressentimento. Tudo isso gera a baixa freqüência. Com ela, damos poder aos vírus e aos micróbios para se manifestarem. Nosso corpo físico, então, vira uma presa fácil, principalmente, se não tiver uma boa manutenção.
    Detalhe: isso é mais que lógico!

    Os vírus só afetam organismos desnutridos (em todos os sentidos). Pesquise mais, pesquise Marcos Aurélio Fontoura, Dr. Márcio Bontempo, Hipócrates (o Pai da Medicina), Dr. Ulisses Mota de Aquino, médico americano Bernie S. Siegel, Louis Pasteur e Claude Bernard (dois gigantes da Biologia do século 19 – que inclusive se arrependeu de ter criado a vacina), Dr. Mauro Kwtiko, Dr. Carlos Brasil (que é um respeitável médico que também é a favor da idéia de que “o micróbio não é nada, o terreno é tudo), entre tantos outros…

    “NÃO LIDAMOS COM DOENÇAS, MAS SIM COM ERROS NA CONDUTA DE VIDA.
    ELIMINE ESTES – E AS DOENÇAS DESAPARECERÃO POR SI”
    Dr. Are Waerland – Manual Waerland da Saúde (ed. Germinal)

  • Mario:

    corra de quem espirra se não puder não respire.

  • Marte:

    Algumas pessoas são autoimunes de berço. Infelizmente não fui abençoado com essa característica. Dra. Elizabeth, reveja seus conceitos.

    • HUGO SM:

      Autoimunes não! São imunes.

    • Mel:

      Autoimune é a pessoa cujos anticorpos atacam o próprio organismo, fique bem feliz que você não foi “abençoado” com esta característica.

Deixe seu comentário!