Péssima notícia: a lua é surpreendentemente radioativa

Por , em 27.09.2020Radiação lua

Pela primeira vez foram revelados os níveis de radiação da lua e o resultado mostra que ela é 200 vezes mais radioativa que a Terra.

O novo estudo, publicado na revista científica Science Advances, contem dados da sonda lunar chinesa Chang’e 4, que pousou em janeiro de 2019 no lado oposto da lua.

Radiação é a emissão de energia na forma de partículas on ondas eletromagnéticas. Isso inclui luz visível e calor (radiação infravermelha) que podemos sentir e outras que não podemos, como os raios-X e ondas de rádio. No entanto, astronautas enfrentam várias fontes de radiação potencialmente prejudiciais no espaço. Na Terra somos protegidos delas por causa da atmosfera do planeta.

A radiação prejudicial vem de raios cósmicos galácticos, partículas solares esporadicamente aceleradas, nêutrons e raios gama das interações entre a radiação espacial e o solo lunar.

“Os níveis de radiação que medimos na Lua são cerca de 200 vezes maiores do que na superfície da Terra 5 a 10 vezes maiores do que em um vôo de Nova York a Frankfurt”, afirmou Robert Wimmer-Schweingruber, professor de física do Universidade de Kiel, na Alemanha, e co-autor do estudo publicado na última sexta-feira, em comunicado.

“Como os astronautas estariam expostos a esses níveis de radiação por mais tempo do que passageiros ou pilotos em voos transatlânticos, essa é uma exposição considerável.”

Risco em viagens espaciais

A exposição à radiação é um dos maiores riscos para a saúde dos astronautas, já que a exposição crônica aos raios cósmicos galácticos (RCGs) pode levar a catarata, câncer ou doenças degenerativas do sistema nervoso central ou de outros sistemas orgânicos, afirma o estudo.

“Além disso, a exposição a grandes eventos de partículas solares em uma situação com blindagem insuficiente pode causar efeitos agudos graves”, incluiu o estudo.

Pesquisadores da NASA afirmam que a radiação é um dos cinco perigos do voo espacial humano e o “mais ameaçador”.

Na missão lunar de Artemis, quando a primeira mulher caminhará na lua em 2024, os astronautas deverão permanecer na superfície lunar por uma semana e realizar um mínimo de dois passeios lunares.

Uma missão a Marte possivelmente duraria de dois a três anos e uma exposição muito maior a radiação.

Veículos espaciais profundos, disse a NASA, terão blindagem protetora, medidores de radiação e alertas. A pesquisa também está sendo conduzida em produtos farmacêuticos que podem ajudar na defesa contra a radiação, acrescentou. [CNN]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

2 comentários

  • 1pirado:

    Não quero ser pessimista, mas eis mais uma prova de que o homem não foi feito para viver fora do conforto deste planeta, se restringindo a “pequenos passeios” vez por outra. A matéria menciona que existem 5 riscos em vôos espaciais dos quais pouco ou nada se fala quando dizem que querem enviar pessoas em alguns anos para Marte, por exemplo. Infelizmente (ou felizmente) está é a dura realidade não mostrada ou comentada pelos entusiastas das viagens espaciais

    • Muka42:

      De verdade eu consigo entender a sua frustração. Afinal de contas vivenciamos a época em que estamos fazendo várias descobertas espaciais, e quando aparece uma notícia como essa que dificulta a conquista de um objetivo da humanidade, como por exemplo, a criação de bases lunares pode ser realmente devastador e o pessimismo emergir em nós. Mas tal como Henry Ford disse “Se você pensa que pode ou se pensa que não pode, de qualquer forma você está certo”, veja bem, não existe um destino, quem faz o destino é você, ou neste caso a humanidade. Se pensamentos como esse imperassem, você certamente não estaria utilizando da internet agora em um aparelho tecnológico para criar este comentário. Gostaria de terminar a minha fala com uma passagem famosa de um discurso extremamente inspirador sobre ir a lua:

      “Nós escolhemos ir para a Lua! Nós escolhemos ir para a Lua… Nós escolhemos ir para a Lua nesta década e fazer as outras coisas, não porque elas são fáceis, mas porque elas são difíceis; porque esse objetivo servirá para organizar e medir o melhor das nossas energias e habilidades, porque o desafio é um que estamos dispostos a aceitar, um que não estamos dispostos a adiar e um que temos a intenção de vencer, e os outros, também.”

      John F. Kennedy

Deixe seu comentário!