Refris dietéticos e adoçantes não aumentam risco de diabetes

Por , em 24.04.2011

Nos últimos vinte anos, houve um boom no mercado de produtos dietéticos. Versões diet, light e adocicadas artificialmente passaram a fazer parte do vocabulário corrente do consumidor, mas a medicina esteve sempre com um pé atrás. Pesquisas de diferentes cientistas afirmavam que estes produtos aumentavam o risco de diabetes. Mas um recente estudo da Universidade de Harvard desmente essa premissa.

Os pesquisadores afirmam que, embora não devam ser consumidas em excesso, as bebidas diet são de fato uma boa alternativa para quem quer perder peso, e não têm nenhum grande efeito colateral. De acordo com os cientistas de Harvard, os estudos anteriores que apontaram bebidas dietéticas como causadoras de diabetes foram precipitados: verificaram que a maioria dos portadores da doença consumia produtos diet, e vice-versa, e associaram os dois fatores sem que houvesse uma ligação comprovada.

A pesquisa, desta vez, analisou mais de 40.000 homens adultos, de 1986 a 2006, comparando seus dados médicos e hábitos alimentares. Entre os dados analisados, estava a quantidade e regularidade do consume de dietéticos.

De maneira geral, dos 40.000 pesquisados, 7% foram diagnosticados com diabetes durante os vinte anos da pesquisa. Primeiro dado: os homens que bebiam uma ou mais doses de bebidas dietéticas por dia tinham 16% a mais de ocorrência de diabetes do que aqueles que não bebiam. Segundo dado: os participantes que mais consumiam os dietéticos também eram aqueles que mais consumiam refrigerantes regulares.

Então, resolveram analisar aqueles que tinham situação crítica em outros indicadores de saúde, tais como pressão sanguínea, colesterol e massa corporal. Neste grupo, a incidência de pessoas que bebiam dietéticos era ainda maior, ou seja: as pessoas contraem diabetes por conta dos indicadores ruins (pressão, colesterol, peso), e são essas que tendem a consumir mais dietéticos. Mas não é o consumo deles que aumenta o risco.

Apesar disso, os médicos reiteram a orientação de não abusar de produtos diet. Ainda que não contribuam para a diabetes, em excesso podem ocasionar uma série de outros problemas de saúde – alguns já provados, outros ainda não. [msnbc]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • eu:

    Soh nao entendi a “sociedade SENIL e saudavel”do Ezio…

    • Ezio Jose:

      Velhos. Pessoas velhas, idosas e com saúde. Que podemos vê-las passeando nos shoppings, caminhando na Praça Henrique VII, nos arredores e frequentando a casa Pastel de Belém, curtindo as areias das praias da região de Belém. A noite nos fados frequentando suas tradições e comendo as iguarias que vêm nadando no azeite. Para completar, notei que aquele povo fuma mais que o nosso povo do sul.
      Sociedade senil porque, creio que seneidade significa velhice, há uma consciência coletiva de não encher a casa de filhos como fazemos sem condições de criá-los. O País é pequeno e a mão de obra pesada fica para os imigrantes dos países subdesenvolvidos que vão para lá em busca de ajuntar alqum dinheirinho. E ajunta mesmo!
      Pois é. Sociedade de velhos com saúde.

  • Ezio Jose:

    Acho essa onda de iet e light uma verdadeira frescura de quem quer se aparecer.
    Realmente, para quem é diabético, tem um significado importante, porém, para quem é diabético. Agora,encontramos um montão bestiais nos restaurantes se empantufando de feijoadas e outros alimentos calóricos e quando chega o garçom pede-lhe uma “coca-light”. Termina a refeição e completa-se com sobremesas variadas. Outras pessoas obsecadas por essa onda fazem de tudo para não expôr ao idículo comendo e fazendo tudo direitinho às vistas de quem as vê, mas, quando chegam em casa quebram toda esta frescura.
    Estive em Portugal no final do ano passado e notei que só quem consome essas frescuras de diet e light são pessoas que seguem recomendações médicas. Ademais, as comidas são mergulhadas em azeite e a carne de porco que predomina como a essencial nas alimentações. Sobremesas são quase todas baseadas no excesso de ovos. Contudo, observei uma sociedade senil e saudável.
    Brasileiros é cheio de impor comportamentos nos outros. Um exemplo são os desocupados que se preocupam com a ecologia e lutam contra sacolas plásticas em mercados. São tão bestiais quando compram sacolas plásticas para acondicionarem seus lixos. Que diferença faz? Não poderiam usar as sacolas dos mercados para acondicionarem os lixos? Nessa viagem que fiz e referí acima, trouxe sacolas de cada mercado e shopping que visitei e efetuei compras.
    Enquanto a sociedade ou o ser humano em particular não se conhecer e saber o que faz mal à cada organismo em particular, dependendo de seus estados de saúde, veremos um povo com vida de gado; um povo marcado se dizendo feliz.

  • Carlos Machado:

    Essa foto ficou legal.

Deixe seu comentário!