,

Segundo Stephen Hawking, humanidade pode não sobreviver aos próximos mil anos na Terra

Por , em 14.04.2013

Um dos físicos e cosmologistas mais conhecidos do mundo, Stephen Hawking recentemente deu uma palestra em que, além de lembrar “o maior erro de sua carreira”, ressaltou a importância da busca por outros planetas habitáveis. “Nós temos de continuar indo ao espaço pela humanidade”, disse. “Não vamos sobreviver por mais mil anos sem escapar do nosso frágil planeta”.

A palestra foi dada no Centro Médico Cedars-Sinai, em Los Angeles (EUA), pioneiro na busca de tratamentos com células-tronco para doenças degenerativas – entre elas a de Lou Gehrig, com a qual Hawking foi diagnosticado há 50 anos e que o fez perder quase toda sua habilidade motora.

O “maior erro” ao qual se referiu foi a ideia de que nada é capaz de escapar de um buraco negro. Embora nem a própria luz esteja a salvo desse fenômeno, existe, sim, algo que escapa: radiação Hawking – cuja descoberta é um dos grandes orgulhos do cientista.

Já o reforço quanto à importância da exploração espacial faz referência ao corte de US$ 300 milhões (quase R$ 600 milhões) feito esse ano no orçamento de ciência espacial da NASA – projeto de grande importância na busca por planetas que possam ser “colonizados”.[Independent, Daily Mail UK]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

42 comentários

  • dr.pc:

    Só para contrariar! Eu quero um padrão de vida confortável sim. Não sou hipócrita ou eco-hipocrita. quero comer carne todos os dias da semana, deixar uma temperatura agradável em meu ambiente intimo no lar, que tomar banho com bastante agua e em uma temperatura bem confortável, quero pode me locomover c/ rapidez e segurança por onde eu for, q/ as ruas e lugares onde eu passar estejam limpos e bem cuidados, quero tudo que a dita “civilização” tem obrigação de me proporcionar.

    Pode ser em…

    • Cesar Grossmann:

      Todo mundo quer isso, e é por isto que o mundo está se tornando um ambiente hostil ao ser humano. E quem toma atitudes não é hipócrita. Hipócrita é quem diz que devemos tomar atitudes e não toma nenhuma, deixa para os outros…

  • kid redman:

    Se em menos de 200 anos a gente conseguiu fazer esse estrago todo na natureza e proliferar como motoboys em Sampa e o progresso evolui em progressão geométrica, vc não acha 1000 anos muito
    otimista não ?
    Coerência já !

    • kid redman:

      Rá ! errei !!! esse comentário era pra sair abaixo do trigésimo oitavo…
      olha o que faz a distração !

  • Helder Mafra:

    NO UNIVERSO ENCONTRAMOS TODAS AS FORMAS DE: VIDA, ENERGIA, MATÉRIA , ANT-MATÉRIA ETC…SÓ UM FATOR ME CHAMOU A ATENÇÃO…AINDA NÃO ENCONTRAMOS FORMAS DE VEGETAÇÃO COMO NA TERRA. MAS PARA SUAS DESCOBERTAS PRECIZA-SE ESTUDAR MAIS..VARIAÇÃO DE EMISSÃO DE ENÉRGIA CÓSMICA, CÔRES E COMPOSIÇÕES..ASSUNTO PARA UMA VIDA TODA DENTRO E FORA DA CIÊNCIA..POR ISSO MAIS ESCOLAS MAS HUMANIDADE DEVIDAMENTE INSTRUÍDA TODA PRODUTIVA..POIS VIDA NO PLANETA TEMOS PARA ISSO..COMEÇEMOS ENTÃO A PROPOR ISTO PARA A CIÊNCIA E SEUS MUITOS CAMINHOS..UNIÃO PARA FORMAÇÃO..ISSO É O QUE INTERESSA PARA NÓS.

  • Danilo Moço:

    Claro, se nenhum evento cataclísmico acontecer até lá!!!

  • kid redman:

    Esse é o ponto ! Acredito que vida humana não está limitada ao corpo físico.
    Ainda bem, pois toda e qualquer matéria está fadada à extinção, ao desaparecimento. Me recuso a acreditar na possibilidade de colocarmos 10 bilhões de “malucos” numa lata de sardinha percorrendo o universo, respirando, bebendo, se alimentando e se medicando com matéria escura, vivendo “felizes para sempre”…
    Isso é tão irreal no momento quanto a nossa própria realidade.
    Também acho muito possível a ocorrência de civilizações cíclicas no decorrer do desenvolvimento do nosso
    planeta. Não creio que tenhamos sido os primeiros humanos inteligentes e talvez não sejamos os últimos…
    Acredito, sim, que para que a nossa sobrevivência possa ser estendida (visto que o conceito de eterno não deve existir na matéria) devemos tentar viver com mais sustentabilidade, menos consumo desenfreado, manter a população com um número limitado de gente – que o planeta possa suportar e prover, entre outras coisas que não sou nem capaz de enumerar aqui visto que não sou especialista em nada – sou apenas um mero observador.
    Mas creio que cientistas e governantes, assim como as grandes corporações, quando (e se) deixarem de lado a ganância pelo dinheiro e pelo poder (se é que “homo burriens” poderá um dia se libertar disso) serão capazes de encontrar soluções nesse sentido; de se ajudar mutuamente nesse ideal único de sobrevivência.
    A chance que temos de isso acontecer é que “o fogo possa fazer a pipoca pular antes que torre”, ou seja:
    temos que mudar o rumo desse barco antes do “point of no return” – se é que ainda há tempo para tal.
    Não sei, mas tem gente estudiosa “do ramo” que tem uma melhor noção do que acontece, com certeza.
    Enfim, sou suspeito para falar disso… me considero eterno fora da matéria e já vivi o suficiente pra partir
    dessa pra uma melhor sem muito apego ( e não faço a menor questão de ficar velho demais e entrevado… rsrsrs…afinal, ainda preciso fazer meu surfe de tiozão e minhas trilhas de moto pra viver mais feliz).
    De qualquer maneira, desejo o bem, o proveito da vida e a beleza do planeta azul aos que virão. Que nossa
    frágil estrutura, ainda que mal organizada hoje, possa reverter esse quadro e sobreviver por um longo tempo ainda.
    Namaste à toda a tripulação deste orbe.

  • Alex Sander:

    Stephen Hawking,têm razão,sustentar 7 bilhões de pessoas num planeta com recursos esgotáveis é uma caminhada rumo ao precipício.
    Infelizmente a maioria da população não têm consciência do custo ambiental para usufruir da modernidade, para produzir um automóvel,tomar um banho quente, encher o tanque de gasolina, ou o simples gesto de acender uma lâmpada .
    Quando damos descarga aquela sujeira não desaparece como mágica, ela vai parar em algum rio que muitas das vezes também é usado para abastecer nossas torneiras com água que para se tornar potável exige um alto custo energético,aquela garrafa pet ou sacolinha de supermercado levara centenas de anos para decompor e ninguém se pergunta aonde elas vão parar.
    Produzir alimento barato para tanta gente só foi possível graças a prática da agricultura extensiva que usa fertilizantes nitrogenados e pesticidas que por sua vez vai contaminar algum rio ou lençol freático
    Um futuro sem petróleo,com o solo e as fontes de água contaminadas e 7 ou 10 bilhões de bocas para alimentar,isso é tão ameaçador quanto um meteoro em rota de colisão com a Terra.
    Felizmente somos capazes de refletir as conseqüências de nossas atos, só precisamos despertar essa consciência ambiental e transformá la em ações práticas, que muitas vezes exige soluções simples,mais também a renuncia de velhos hábitos.

    • Dinho01:

      A decisão mais lógica (se fôssemos vulcanos) seria instituir um controle rigoroso de nascimentos em todo o planeta.

    • Dutch Ruyter:

      Amigo, a questão não é nem a quantidade de pessoas no planeta. E sim o absurdo de que estes 7 bilhões desejam ter o mesmo padrão de vida dos EUA. Já foi estudado que o nestas condições o planeta entraria em colapso (faltaria matéria prima) em apenas poucos anos.

    • Cesar Grossmann:

      O “controle rigoroso” de nascimentos tem prós e contras. Alguns dos “contras” é a diminuição da diversidade genética. De qualquer forma, tem uma maneira de diminuir a fertilidade feminina sem precisar apelar pela lei: desenvolvimento. Em países ricos, onde a mulher tem acesso a métodos contraceptivos e acesso ao mercado de trabalho, a tendência é baixar a taxa de fertilidade (ou o número médio de filhos por mulher). Daí vieram as muçulmanas pipocando de filhos e foi tudo para o saco…

      Eu apostaria no desenvolvimento e libertação da mulher para baixar a taxa de fertilidade feminina, e também no investimento pesado em educação para que as pessoas naturalmente optassem por formas sustentáveis de viver. O problema é que a indústria vive do consumo. Nossa sociedade avançada só está onde está por causa da circulação de riquezas causada pelo consumo. Será que conseguimos mudar o modelo econômico sem causar uma estagnação econômica (que levaria a uma crise e a um mundo onde as pessoas não teriam vontade nenhuma de ir se pudessem escolher)?

    • Helder Mafra:

      REALMENTE, A REALIDADE SE REFLETE EM TODA A SOCIEDADE HUMANA INTELIGÊNTE, DOS QUAIS DEVEMOS NOS ALIAR.POIS SE A EDUCAÇÃO DO PLANETA TERRA TRANSFORMAR, TODO SER VIVENTE EM PRODUTIVO E CRIATIVO..SEREMOS COM ESSA CONCIÊNCIA, CAPAZ DE COLONIZARMOS NOVOS PLANETAS TERRA E ATÉ CRIARMOS NOVOS PLANETAS. COM TODA A MATÉRIA EXISTÊNTE NO UNIVERSO E SUAS FÔRÇAS COMPOSTAS.TALVEZ SEJAMOS A ÚNICA CIVILIZAÇÃO CONHECIDA NESTE UNIVERSO CAPAZ DE SER INFINITAMENTE CRIATIVA EVOLUTIVA CAPAZ DE SEGUIR ESTE RUMO O DA IMORTALIDADE DAS ESPÉCIES.PRECISAMOS ACREDITAR MAIS EM NÓS, MAIS QUE A FÉ QUE NÓS GUIA POR CAMINHOS APENAS TERRENOS DESTA EXISTÊNCIA, QUE UM DIA ACABA.NADA MAIS SOMOS DO QUE VIVEMOS.EXTINÇÃO…

  • Rodolfo 2013:

    Eu creio que nos, humanos, nao seremos capazes de transportar pessoas a outros planetas. Acho que nesse momento deveríamos estar “fertilizando” o cosmo, enviado DNA, RNA e proteínas a outros locais. Se a Panspermia nao nos criou, deveríamos “cria-lá”.

  • Marcos Pedroso:

    Acredito que vamos colonizar outros mundos.
    Atualmente o espaço pertence às naves robôs e serão estes robôs que levaram esporos e sementes para os astros que tenham agua e atmosfera e condição de abrigar a vida. Temos que plantar florestas e posteriormente após milhares de anos o astro poderá abrigar vidas humanas.

  • Vagner Mariano:

    Como Carl Sagan já disse la nos anos 80, a humanidade precisa de uma consciência universal; Além disse ressaltou que depois de a gente aceitar esse meio ambiente que não se restringe só ao nosso planeta, que guerras por territórios aqui, passariam a ser insignificantes. Mas eu acredito também que isso nunca irá acontecer enquanto existir alguma coisa para extraírem, pois se vê isso pela devastação ecológica que se faz em nome de um tipo de progresso.O vamos dar esse passo depois que começar o desespero.

  • Jonatas:

    WalterZ, É a analise de um grande cientista, não precisa de dados numéricos e levantamentos estatísticos ou algo assim, é só opinião (não afirmação de um fato), é a opinião dele baseada no conhecimento dele (muito maior que o nosso), simplesmente.
    Mas sabemos pensar também, então cada um pode fazer sua própria estimativa, desde que não afirme certezas – isso se tornaria religião e professia.
    Na minha opinião, mais um século e estaremos num limiar: grande civilização planetária (capaz de manipular o clima com inteligência, sustentar e proteger a biosfera, a passo que coloniza o espaço), ou, na pior hipótese, extinção por suas próprias mãos.

    • WalterZ:

      Beleza Jonatas, eu concordo contigo.

      Mas eu acho que faltou o fundamental que é exatamente o que levou ele a conclusão de que Terra vai se tornar inabitável em mil anos. Se tivéssemos essa informação, poderíamos pensar, por exemplo no que fazer para tentar evitar.

      Inegavelmente o Stephen é um dos maiores cientistas de nosso tempo. Mas ele também erra, como errou quando apostou que o Boson de Higgs não existia. A previsão depende muito de como a humanidade vai evoluir, em termos de consciência e comportamento. E essa não é a praia dele. Acho difícil ele prever por exemplo, se a humanidade vai entrar em um período de paz, progresso e cooperação ou vai entrar em guerra pelos recuarão naturais, por exemplo. E isso faz toda a diferença. Aliás, nem sei se ele se baseou nisso para fazer a previsão. Esse é meu ponto.

      Eu tendo a pensar mais parecido contigo. A única ameaça iminente da destruição da Terra como planeta habitável para os humanos, são os próprios humanos. E isso será definido em um século ou no máximo dois! Se a humanidade conseguir manter a paz e a cooperação, eu acredito que, através da colaboração de cada um e da tecnologia encontraremos uma forma de viver de forma sustentável na Terra por um longo período, milhões de anos talvez. Assim a “colonização” do espaço vai ser uma opção. Mas se não conseguirmos a cooperação e a paz, não vai dar tempo de colonizar o espaço. Será o fim!

      Embora a probabilidade da Tera ser atingida por um asteróide ou cometa com energia suficiente para extinguir a espécie humana no próximo século seja muito pequena, ela não é zero e portanto pode ocorrer. Mas antes de conseguirmos colonizar o espaço, teremos tecnologia para desviar asteróides ou cometas.

  • Vagner Mariano:

    Como Carl Sagan já disse la em nos anos 80, a humanidade precisa de uma consciência universal; Além disse ressaltou que depois de aceitar esse meio ambiente que não se restringe só ao nosso planeta, que guerra por territórios aqui passariam a ser insignificantes. Mas eu acredito também acredito que isso nunca irá acontecer enquanto existir extraírem, pois se vê isso pela devastação ecológica que se faz em nome de um tipo de progresso.

  • Helder Mafra:

    NÃO ESPERO ESTAR VIVO PARA ME BENEFICIAR DAS DESCOBERTAS CIENTIFICAS ,DOS QUAIS MEU FRAGIL ORGANISMO ESTA SUJEITO..MAS ESPERO, QUE A JUVENTUDE QUE SE SEGUE ESTUDE E TENHA CONCIÊNCIA DE CUMPRIR E EXIGIR QUE NADA FALTE NA ESTRADA DO CONHECIMENTO E DA EDUCAÇÃO…EM PR0L DA VIDA DA TERRA E DA DESCOBERTA DE NOVOS PLANETAS ABITÁVEIS..COMO A NOSSA TERRA FOI FORMADA, POR ELEMENTOS ORIUNDOS DO UNIVERSO CAPACITANDO O NASCIMENTO DE VIDA…ASSIM TAMBEM VEJO RAZÃO PARA NÃO NOS CONFORMAMOS COM CRENÇAS PLANETÁRIAS E PARTIR RUMO AO DESCONHECIDO ATRAVEZ DA BOA EDUCAÇÃO E DOS DESFIOS IMPOSTOS POR LIMITES DA VIDA QUE UM DIA SE ACABA..

  • magoado:

    Outro planeta habitável como a terra…kkkk,Quando achar me avisem….!!

  • WalterZ:

    Cadê os dados Mr Stephen que embasou esta “bombástica” afirmação: “Não vamos sobreviver por mais mil anos sem escapar do nosso frágil planeta”? Afinal, esta é a opinião dele ou é o resultado de algum estudo que concluiu isso?

    De qualquer forma não vamos enviar bilhões, quem sabe, dezenas de bilhões de pessoas mais os recursos iniciais necessários para o espaço. Assim, se a Terra se tornar realmente inabitável, mandar alguns aptos, escolhidos, ricos, ou o que seja para o espaço afim de “salvar” a espécie humana, continuará a ser uma catástrofe para a imensa maioria da população. Ou seja, não vai fazer diferença.

    Porém a busca do conehcimento, o desenvolvimento de tecnologia mesmo que com finalidade inicial de explorar ou viajar pelo espaço podem sim trazer soluçoes para salvar a Terra. Na minha modesta opinião, isso é mais viável.

    • Cesar Grossmann:

      A queda do meteoro na Rússia é um dos avisos que a Terra é um lugar perigoso para a humanidade. Se cair um meteoro maior, não poderemos fazer nada, nossa civilização tecnológica vai ter um fim e a humanidade será reduzida a alguns bolsões de humanidade selvagem.

    • WalterZ:

      Verdade.
      E dependendo do tamanho do asteróie a humanidade pode ser extinta, não sobrando nem “blsões selvagens”.
      Mas eu acho que estamos bem mais próximos de dominar tecnologias para detectar e desviar asteróides ou cometas em rota de colisão com a Terra do que “colonizar” o espaço.
      E diga-se de passagem, não vai ser nada fácil encontrar no espaço um lugar tão seguro quanto a Terra.

    • Jonatas:

      Acho que antes de achar qualquer segunda “terra” ou formatar um planeta tal-qual, já teríamos sobrevivido tanto tempo no espaço, em bases espaciais cada vez mais elaboradas e auto-sustentáveis, que não haveria mais necessidade de planetas – pra que ficar a mercer de terremotos e intempéries de mundos selvagens quando podemos ter nossa própria biosfera e atmosfera pressurizada sob nosso controle em um cilindro espacial giratório gigante? Uma nova espécie surgiria: o homo-sapiens-spaces… talvez. 😀

    • WalterZ:

      Correto.
      Construir uma cápsula auto-sustentável, com gravidade artificial (por força centrifuga de um cilindro rotatório) , e uma biosfera artificial onde tudo seria reciclado usando energia Solar ou de outras estrelas é possível. Acho que as tecnologias já estão aí são quase suficientes, basta juntá-las e, claro, arrumar um balaio de dinheiro para fazer.

      Mas a velha questão que sempre se impõe: Por que fazer?

      E uma resposta poderia ser como um experimento para aprimorar ou desenvolver tecnologia. Resposta válida, pois eu acho que toda a tecnologia desenvolvida pode ser aplicada em outras áreas, as vezes com retornos magnificos.

      Outra resposta: Por necessidade. Ai meus caros, parece que sembre dá prá fazer algo parecido na Terra a um custo muito mais baixo! Mesmo se, por exemplo se a Terra fosse varrida por uma guerra nuclear e tudo se tornasse radioativo anda seria mais fácil construir uma cápsula auto-sustentável aqui do que no espaço, pois aqui temos a pressão certa, a temperatura certa, a gravidade certa, muita água, minerais, etc.

      E, na minha opinião, isso só vai mudar quando algo destruir a INTEGRIDADE da Terra. Por exemplo, quando o Sol se tornar uma gigante Vermelha. E não tem nada, pelo menos que eu saiba, que num curto espaço de tempo (alguns milhões de anos pelo menos) ameaçe a integridade da Terra.

    • Jonatas:

      Em alguns milhões de anos tem sim, ou em menos disso:
      1 – Gliese 710 – Uma estrela que pode adentrar os domínios do Sol e causar um bombardeio de cometas.
      2 – O Vale da Águia – o Sol segue uma excursão em sua tragetória pela Via Láctea e, em umas dezenas de milhares de anos, entra numa zona altamente radioativa da galáxia, conhecida como vale da águia.
      3 – Muito antes da Gigante Vermelha, o calor maior do Sol sela a sorte da Terra. Em ao menos 1 bilhão de ans no futuro, nosso Planeta estará fervendo a 700°C – mais quente que o Vênus atual.
      4 – O cenário imprevisível do espaço cósmico pode ser pior que qualquer meteoro; explosões de raios gama distantes já causaram extinções em massa no histórico geológico da Terra, isso pode acontecer de novo e a qualquer instante, não se pode estimar, e não teríamos defeza.
      5 – A própria Terra. Temos uns 10 supervulcões como o yellowstone, todos inativos, mas apenas um que entrasse em atividade tornaria nossa vida miserável, obscurecendo o Sol por décadas. O problema é não sabermos se algum entrará em atividade hoje, daqui a mil anos ou nunca mais…
      6 – Humanos em Guerra Nuclear – e não precisa ser mundial, uma guerra local, que envolvesse armas nucleares, estragariam nosso dia. E o pior, já tem onde acontecer, na richa entre Índia e Paquistão, potências nucleares.

      ps: desculpem os erros de português, to num dispoitivo móvel, e sou ruim de gramática tbm. 😀

    • WalterZ:

      Caro Jonatas.
      Está sendo muito bom trocar ideias contigo. Então, aproveitando o embalo, vou fazer algumas observações sobre cada item que você listou. Não se reprima em responder, pois é exatamente isso que eu procuro neste site : Trocar ideias e discutir em alto nível.
      O meu ponto é que os sistemas que sustentam vida no espaço, podem fazê-lo melhor aqui na Terra, mesmo nas situações de desastre que podem ocorre nos próximos milhões de anos.

      1 – Gliese 710 . Ainda temos um milhão de anos pela frente. Eu acho que poderemos ter propulsão e tecnologia desviar os cometas que vem em nossa direção. Mesmo um grande cometa, se detectado a tempo, necessita de um desvio mínimo em sua trajetória para não se chocar com a Terra.
      2 – O Vale da Águia – Daqui a 50 mil anos talvez. Não tenho conhecimento do assunto, mas me parece que hominídeos, ancestrais do homo sapiens que viveram há uns 300 mil anos, já passaram por algo parecido. E temos uns 49000 anos para desenvolver tecnologia para nos proteger. Acho que é uma ameaça que poderemos nos defender.
      3 – Aumento do calor do sol. Um bilhão de anos . Podemos pensar nisso mais tarde.
      4 – Radiações / Partículas de alta energia do espaço cósmico – Sair da terra não resolverá. A a tecnologia nos protegeria no espaço, nos protegerá aqui na Terra também .
      5 – Super-vulcões e Guerra Nuclear – Sinceramente eu acho que o espaço ainda é mais hostil que a Terra mesmo após uma guerra nuclear ou a erupção de um super-vulcão. Basta ter energia (várias fontes possíveis) para manter uma biosfera por alguns anos.

    • Jonatas:

      Tranquilo. Concordo que sair da Terra não resolve perigos do espaço como esses – nosso campo magnético protetor é um ás na manga impossível de dispensar atualmente, estudos interessantes estimam sua produção artificial para proteger uma estação ou nave espacial. E de fato a vida se recuperou de grandes percalços cósmicos e sísmicos do passado, por isso estamos aqui. Minha aposta no espaço persiste, mas não apenas por perigos a nossa civilização, mas também pelo nosso progresso e pelo encômodo que nós somos – 7 bilhões e ainda crescendo, devoraríamos o Planeta como uma nuvem de gafanhotos acabam com uma plantação, todos os animais morreriam. Aposto na consciência que um dia supere o capitalismo consumista, e assim como homens saíram das cavernas e construíram cidades, civilizações saem dos planetas e constroem impérios tecnológicos – nosso afastamento gradual da natureza é um processo natural e positivo, pra nós e para a natureza – as criaturas da Terra precisam da nossa ausência para sobreviverem, e nossa demanda por energia e metais levará o eixo de nossas atividades ao espaço.

    • Cesar Grossmann:

      Jonatas, tem alguma referência sobre estas ameaças à sobrevivência na Terra?

    • WalterZ:

      Fechou.
      Hoje estamos exaurindo a Terra rapidamente. A principal ameaça a vida humana na Terra são os próprios humanos e está na mão dos humanos salvá-la.
      A Terra continuará a ser o melhor lugar do espçao para os humanos habitarem por muito tempo, talvez indefinidamente se soubermos como tratá-la.
      Isso não significa que o espaço não deva e não vá se tornar um lugar habitável para os humanos. Mas acho que isso levará ainda muito tempo. Teremos problemas sérios aqui, antes disso acontecer e, portanto, antes disso precisaremos pensar seriamente na Terra se quisermos sobreviver.

    • Jonatas:

      Cesar, lembro dessas “ameaças” de antigas leituras e em revistas diversas de anos já passados (sou mais bom em lembrar o assunto do que a fonte, hehe), portanto podem estar meio ultrapassadas as minhas informações. Sobre Gliese 710, o Sol mais quente daqui 1 bilhão de anos e o Vale da Águia li na superinteressante – uma matéria que também referia que outras Estrelas, como Barnard, Lalande e Sírius também virão pra mais perto de nós, embora só a anã GL 710 entrará aqui. Sobre a Guerra Nuclear entre Índia e Paquistão li na América-Científica, uma de 2010 creio eu.
      Mas acho que com certeza ao pesquisar por essas palavras chaves achará referências melhores. Abraço.

  • Hamilton Lacerda:

    Esse cara só fala besteira. É o astrólogo da ciência, o Nostradamus do Século XXI. 90% de sua fama está somente nestas afirmações mirabolantes e supersticiosas onde foca no medo das pessoas aproveitando do poder que a ciência oferece. No mais, tem seus méritos como físico teórico, mas só.

  • grasisuperstar:

    De acordo com Stephen Hawking, que sem dúvida é um dos maiores físicos teóricos do planeta, é vital que a humanidade descubra alguma forma de sobreviver no espaço, pois, segundo ele, a Terra não suportará a nossa presença eternamente.Em contraste a Bíblia diz claramente que Deus “fundou a terra sobre os seus lugares estabelecidos; não será abalada, por tempo indefinido ou para todo o sempre”. (Salmo 104:5) A Bíblia diz o seguinte a respeito dos habitantes da Terra: “Os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre.” — Salmo 37:29. A terra é frágil mas não o criador que declara ser a terra a menina dos olhos dele.Daqui a milhões de anos o nosso planeta verde estará aqui firme e forte e preservado na sua totalidade. Lindo né?

    • kid redman:

      Cuidado… não se pode ler a Bíblia no sentido literal, não. ( é meio que um livro de verdades contadas por mentiras, vamos dizer assim… ). Já experimentou uma Bíblia comentada ? Leu as interpretações de algum
      auxílio ? Pois é… ainda é muito pouco. Sugiro uns 5 anos de estudo de Cabalah, a leitura do Zohar e outras
      “cositas más”, para começar a “lixar a parede”… a tinta ainda demora um pouco.
      É preciso um tanto mais de experiência e conhecimento pra se fazer esse tipo de afirmações.
      É exatamente por isso que muitos não acreditam em nada do que está ali. Parece “Carochinha”, ficção de
      tempos remotos.
      Infelizmente é leitura para iniciados. Seus segredos não estão ao alcance do homem comum. É por isso que
      tantos “inocentes” dão o que têm e o que não têm para pastores inescrupulosos e aproveitadores.

    • kid redman:

      ” Em verdade vos digo” : se a Bíblia fosse corretamente interpretada não haveria céticos nem ingênuos…

    • Danilo Moço:

      grasisuperstar, não são os justos que herdarão a Terra, mas sim os aptos a mudança!!!

    • Rone Firmino:

      Seu comentario foi o melhor aqui. Porque falou a verdade. Eu sei porque.As pessoas que comentam aqui as vezes imaginam que nossa vida na Terra esta destinada ao acaso, a catastrofe da superpopulaçao, da poluiçao, etc… Mas la no fundo, bem no fundo, mesmo os que se consideram Ateus, Agnosticos, tem um desejo natural de que tudo se inverta no mundo: um declinio da poluiçao,nos crimes, no terrorismo e tudo de ruim que o homem plantou e esta colhendo. Certa vez comentei aqui, como as pessoas que nao acreditam em um Criador reagiriam se ” seres de outro mundo” nos contatassem e nos ensinasssem como salvar o planeta, curar todas as doenças, viver em harmonia… E depois de um tempo, eles ” ets”, diriam a nos: Adoramos um Deus, criador do universo a bilhoes de anos, agora voçoes terao oportunidade de conheçelo, adora-lo, ter vida eterna, e ate povoar outros mundos, o que vcs escolherao, sera o que esta em seus coraçoes e mentes racionais, façam uma boa escolha,façam bom uso de seu livre arbitrio, pois nos fizemos”. Sera que ainda assim, muitos ainda iriam querer viver sem as leis de Deus.? Cada um deve responder a si mesmo.

  • Danilo Moço:

    No casos os “aptos´´ seriam os ricos!!!

  • Danilo Moço:

    Aquecimento global, mudanças climáticas, consumismo na qual os estadunidenses dão um péssimo exemplo pois se o mundo consumisse como eles o planeta suportaria apenas um pouco mais de 1 bilhão de habitantes,diminuição das áreas verdes, escassez de água, poluição das águas,poluição do ar,contaminação das terras cultiváveis,pragas, surgimento de novas doenças,microrganismos cada vez mais resistentes,guerras,etc…No decorrer desse tempo só vamos poder contar com os mais aptos, se houverem aptos.

    • Paulo Henrique de Oliveira:

      Eu acho muito mais provável que sejamos aniquilados por algum evento natural do que gradualmente consumindo e poluindo o planeta. As próprias mudanças naturais da Terra poderia acabar com a raça humana. E a questão dos ricos sobreviverem: talvez até por um tempo sim, mas sem as outras classes, os ricos e poderosos não são nada.

    • Paulo Henrique de Oliveira:

      Eu acho muito mais provável que sejamos aniquilados por algum evento natural do que gradualmente consumindo e poluindo o planeta. As próprias mudanças naturais da Terra poderiam acabar com a raça humana. E a questão dos ricos sobreviverem: talvez até por um tempo sim, mas sem as outras classes, os ricos e poderosos não são nada.

  • Daniel Silvério:

    Só faltou falar por que a humanidade pode não sobreviver aos próximos mil anos na terra…

Deixe seu comentário!