Seriam as alergias um traço evolutivo?

Por , em 24.06.2012

Onde a maioria das pessoas olha para um amendoim e enxerga um petisco, alguns amigos meus veem um veneno e saem de perto. Que atire o primeiro frasco de anti-histamínico aquele que nunca sofreu com uma alergia.

Por razões ainda desconhecidas, o sistema imunológico de muitos de nós às vezes reage de forma exagerada a substâncias aparentemente inofensivas, que nada se parecem com parasitas (como vírus e bactérias) – esses, sim, alvos legítimos!

Para o pesquisador de imunobiologia Ruslan Medzhitov, da Universidade de Yale (EUA), as alergias podem ser um traço evolutivo. Em favor dessa teoria, ele recorda que certas reações alérgicas podem, por exemplo, neutralizar venenos ou evitar que determinados insetos ataquem novamente a pessoa. Nesses casos, faz sentido, do ponto de vista evolutivo, que as alergias continuem existindo, escreve Medzhitov em artigo publicado na Nature.

Bom, caso a teoria de confirme, a ideia de mudar de “frágil” para “evoluído” será muito bem-vinda.[Gizmodo] e [Scientific American]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • particulada:

    Traço evolutivo? Por que não nos adaptamos às alergias ainda? São liberadas dezenas de proteínas em nosso organismo como resposta a um alérgeno, o que gera todo o transtorno que um alérgico passa. Por que ainda não se adaptar a esse viés todo? Em uma alergia há mais ônus, que bônus. Dessa vez a evolução não fora tão inteligente. Aliás, é bastante piegas acreditar na teoria evolutiva.

  • Andhros:

    Eu tenho alergia, mas nunca encarei como fragilidade, apenas como uma “ineficiência”, devido ao sistema imunológico desgastar o corpo por ser excessivamente “precavido” (a exemplo da contagem de eosinófilos acima do normal). Mas trocar tudo isso por “evoluído”? Certeza!

    Mas na verdade é bem a cara da evolução genética, criar mutações aleatórias (neste caso, nos parâmetros do sistema imunológico) que eventualmente podem vir a calhar e, então, prevalecer.

Deixe seu comentário!