Síndrome Truman: Pessoas acham que vivem dentro de um reality show

Por , em 26.11.2008

Um homem apareceu em um prédio Federal nos EUA pedindo para que fosse libertado do reality show que estava sendo feito sobre sua vida.

Outro acreditava que todos os seus movimentos estavam sendo secretamente filmados para um concurso de TV. Um terceiro acreditava que tudo na sua vida (os noticiários, seu psiquiatra, etc.) eram parte de uma farsa e ele era o astro involuntário de um programa como no filme o Show de Truman, de 1998.

A síndrome de Truman está sendo documentada há alguns anos e algumas dezenas de pacientes já foram diagnosticados. Mas os especialistas ainda discutem se ela seria uma doença nova e distinta — causada pelo alto valor que a cultura popular coloca na fama — ou apenas uma faceta de um dlírio paranóico, como as que podem ser causadas pela esquizofrenia e algumas demências, por exemplo.

Grande parte dos pacientes diagnosticados pelo Dr. Joel Gold, dos EUA, com a síndrome fizeram referência direta ao filme “The Truman Show” (título em inglês), protagonizado por Jim Carey. Joel começou a apresentar suas descobertas em 2006 e desde então descobriu cerca de 50 pacientes com sintomas similares.

No filme de 1998, Jim Carey representa Truman Burbank, que desde recém nascido vive em um grande cenário, representando involuntária e inconscientemente o protagonista de um reality show. A luta do protagonista no filme para se libertar do mundo da ficção é emocionante, mas para os pacientes com a síndrome de Truman é terrível.

Poucos dos pacientes se orgulham da sua celebridade ilusória e muitos se sentem com a sua privacidade invadida. Um dos pacientes foi diagnosticado com esquizofrenia e não pode trabalhar, outro pensava em tirar a própria vida caso não conseguisse libertar-se de seu big brother.

Não é incomum os psiquiatras observarem um indivíduo que pensa que seus pais foram substituídos por impostores. Mas, diferente de outras doenças psiquiátricas, a síndrome de Truman é bem mais envolvente, pois não inclui apenas indivíduos, mas sim a sociedade em geral.

Existem muitas categorias de delírios e pesquisas descobriram que tecnologia e cultura podem afetá-las. Muitas pesquisas recentes relataram delírios ligados à internet como a de uma paciente austríaca que acreditava que era uma webcam ambulante. Segundo os psiquiatras, que realizaram o estudo publicado em 2004, os programas reality show ajudaram a convencer a paciente que delírios eram plausíveis.

Especialistas afirmam que a habilidade da internet em transformar estranhos em pessoas íntimas, unido com os reality shows pode compor uma pressão psicológica em pessoas que já tinham problemas em lidar com os demais. Segundo eles as pessoas que tinham predisposição em ficarem doentes estão, no mínimo, ficando doentes com mais rapidez.

Outros pesquisadores não estão convencidos, mesmo assim consideram a “síndrome Truman” uma interessante ligação entre a cultura popular e saúde mental. [CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

19 comentários

  • Natan Thiery:

    eu tinha isso acreditava que eu tava morto e que meus pais simplesmente conversavam entre eles ,e que eu conversava com eles só por si mesmo e qq ue tudo era falso

  • Lucas Costa:

    se eu estivesse realmente num reality show, o que eu deveria fazer pra sair???

  • Adriano Meireles Torres:

    Eu ia até assinar o site, mas depois dessa matéria falaciosa de síndrome do Show de Truman eu vi como é patente a desonestidade do site e a tentativa descarada do mesmo de tentar encobrir algo que nem a mídia corporativa de massas hoje em dia faz questão de esconder, pelo contrário, divulga amplamente mas de forma que só os olhares mais atentos, rabos não presos e mentes preparadas podem enxergar.
    Sou cientista e dou aulas de ciências da comunicação, sou formado em estudos dos impulsos do sistema neurológico e sou mestre em semiologia pela universidade de paris 4 e digo que as pessoas que chegam desesperadas fazendo tais afirmações não estão loucas, doentes mentais ou delirando, na verdade ela estão sendo vítima daquilo que muitas pessoas interessadas querem que você pense que é teoria da conspiração.
    Na verdade essa reportagem é um tipo de mordaça e uma insensibilidade malígna e diabólica para com os sentimentos, privacidade e sanidade mental destas pessoas que sofrem com esse tipo de manipulação rasteira da mídia em geral, do governo e dos parasitas anônimos que se beneficiam desse tipo de sistema a serviço das trevas e que tem interesse em manter o seu mínimo poder que eles acham que exercem sobre as outras pessoas, se fosse loucura George Orwel não dedicaria um precioso tempo da sua vida para escrever um livro (1984) denunciando tais coisas.
    Poder este, digno de um fracassado por assim dizer; sou pesquisador da área e sei muito bem do que estou falando, muito cuidado com quem você faz amizades hoje em dia, muito cuidado com quem você leva pra dentro de sua casa… agora sim é oficial: FUJAM PARA AS MONTANHAS, MATAS VIRGEM E RECUSEM A MARCA DA BESTA, NÃO FAÇAM ACORDO COM ELA!

    • Alex Neves:

      Eu tô pensando por isso, me ajuda a provar que não sou louco e que eles existem e me filmam e controlam tudo sou Alex do RJ “Ela”

  • ricardo:

    as vezes eu pensava isso, eu ja estou siente que nao é bem assim , porem, eu tenho provas suficientes de que estamos sendo manipulados por uma sociedade secreta.

  • Berg.:

    Quando eu assisti esse filme eu tinha cerca de 12 anos, e lembro muito bem que eu estava ficando meio paranoico, eu começei a acreditar q o filme era na verdade uma tentativa de alguem em me fazer perceber a realidade,a de que tudo na minha vida não passava de uma ilusão de um reality show.. começei a perceber q eu nunca tinha saído da minha cidade, e acabei ficando com uma paranoia de estar sendo vigiado… Graças a Deus eu percebi a loucura que eram estes pensamentos… rsrsrs….e hoje em dia, já com 20 anos, e após viajar muito…rsrsrsrs… sei q quem escolhe os caminhos da minha vida é apenas eu..sejam eles certo ou errado !!

  • Alex Erbert:

    Acredito sim que este seja um problema causado (em certos pontos) pela sociedade em que nos tornamos. É lógico que não há como culpar 100% a sociedade, pois na maioria de casos como este, as pessoas já veêm com diagnosticos de problemas mentais. Infelizmente ainda não foram criados remédios para curar loucura ou outros problemas mentais, pois estes ajudariam muito. Apropósito, parabens pelo artigo. =]

  • And.Mota:

    Acabei de vir do psiquiatra e resolvi pesquisar sobre ….o que eu achei que somente eu teria: sensacao de estar sendo vigiado 24h! igualzinho ao show de Truman…

  • Gray:

    Eu também sentia isso quando era pequeno… E foi bem antes de sair o filme

    É bem ruim, mas melhorei sem nenhuma ajuda profissional. Sabe aquela sensação de estar sendo observado? Imagine sentir isso o dia inteiro, inclusive nos momentos mais íntimos :S

    Se tivesse visto o filme enquanto ainda sentia isso, provavelmente precisaria ser internado, kkkkkkkkkkkk

  • Su:

    Quando mais nova, uma vez, brincando de Barbie, aos 10 anos, pensei determinada coisa: Da mesma forma que eu movo minhas Barbies, faço vozes e falas, e controlo seu movimentos e etc, há uma pessoa que deve fazer o mesmo comigo, por exemplo como se eu fosse um gigante, e assim como eu controlo minhas barbies, há um gigante que me controla, e ainda, associei esse gigante à história infantil de “joão, e o pé de feijão” e era uma criança, e nem desconfiava do filme. Porém anos mais tarde, conversando com outras pessoas, mais velhas que eu, essas, antes também do filme, tiveram essa idéia, só que com o playmobil, o que nos leva também a controle dos bonecos.

    E é óbvio que o autor fez o filme, porque um dia também teve essa mesma idéia, e ele com certeza não foi o primeiro. Só não acho que isso tenha a ver com os ideias da fama, talvez com a globolização, como foi citado nos comentários a cima, onde um menino jurava ser perseguido por uma organização, vimos isso em “uma mente brilhante” Russel Crowel tentava remover um chip do braço dele, se rasgando com os próprios dedos, no manicômio em qué foi hospitalizado, porém ele tinha esquizofrênia. Ou ainda com o Google Earth, com os posts que leio a cima. E ainda tem mais, as cameras de segurança em todos os locais, as pessoas alheias a nós que nos veêm todos os dias indo trabalhar a ex. Só que levar isso tão a sério, como se realmente fossemos estrelas de um show, talvez é não compreender que isso é o mundo, que ser vigiado, hoje, não é coisa programa de TV e sim, a realidade.

    Tive essa idéia com minhas Barbies aos 10 anos, cheguei a conversar com outras pessoas sobre o memso assunto, motivo de baos risadas, mas nunca fiquei pensando depois que estava sendo vigiada o tempo todo.

    Acho sim, que é uma doença, e que os sintomas aparecem normalmente em pessoas que não tem a vida muito ativa, talvez poucos amigos, influenciadas demais pela internet, onde as pessoas querem expor sua opinião, muitas suas fotos, seus gostos, o que nos torna talvez próximos a todos, o que também nos leva a pensar, será que não é uma vontade de conseguir essa atenção que não conseguem no mundo real e acabam se perdendo ao tentarem desesperadamente se inserirem na sociedade, ou que não compreendem ao certo a realidade.

    Todos tem em si a sindrome de truman, em níveis baixos. Os que tornam isso uma paranóia, com certeza estão ficando doentes.

    • Rafael Augusto Costa:

      Muito bem colocado, Su. O modo de vida pós contemporâneo traz consigo estes valores culturais de vigilância e exposição, como as redes sociais, as câmeras em tudo quanto é lugar e tudo mais. As pessoas que possuem uma predisposição podem desenvolver tais comportamentos “estranhos”.

  • Daniel:

    Acredito já ter cogitado a possibilidade de estar vivendo sob outros olhares… Mas certamente existem pessoas que são vigiadas, não como um programa reality show em rede mundial, mas talvez por interesse de um grupo. Como saber, com 100% de certeza, que nossas vidas não estão sendo vigiadas nesse momento. Por ex. se tiveres acesso, com um simples clicar pode ver uma foto da minha casa pelo google earth, imaginen, por dia, quantas câmeras obtem nossas imagens, enfim, todas as informações que a técnologia pode nos proporcionar…
    Certamente existem pessoas que se perdem de forma paranóica com a idéia de estarem sendo monitoradas, como é o caso da Síndrome de Truman, entretanto, é um fato que todos temos uma porcentagem de risco de sermos vítimas de um Show de Truman!

  • Bomber:

    Interessante a pesquisa

  • Josué:

    Tipo assim:

    Quando vão publicar o epsódio de hoje, em que eu li essa noticia e descubri a verdade….
    (desculpe, sei que o caso é sério, mas não aguentei xD)
    ^^

  • Cesar:

    Isto não é paranóia nem delírio, eu tenho certeza que todos os posts que coloco na Internet são lidos por outras pessoas, que eu não conheço e que não pedi para ler minhas palavras.

  • Michel:

    Em um estilo de vida que vivemos hoje em dia. quem não acha viver como em O Show de Truman também é considerado paranóico.

  • VERBÊNIA GONÇALVES DE ARAUJO:

    Olha, achei interessante essa descoberta do DR.Joel Gold, sou psicóloga e atendi um rapaz que tinha esses sintomas…..ele fez de tudo pra me convencer de que ele participava de uma operação secreta….e que ate dentro dos olhos deles havia um chip que filmava as pessoas com ele conversava e que tentava descobrir quem o estava manipulando…..uma viagem só, por fim tive que indicá-lo a outro colega, pois se apixonou perdidamente por mim……ainda ouço falar dele….pois trabalho na cidade onde ele mora…..ele é medicado mas continua com a paranóia, julga-se perseguido pela “organização”.

    • Alex Neves:

      Eles fizeram isso comigo e fazem testes comigo e ninguém pode me ajudar senão sera feito com eles . Eu tenho uma câmera dentro do meu olho

  • rafa:

    eu tinha isso quando era menor

Deixe seu comentário!