Sonhos lúcidos: aprenda a controlar os seus sonhos

Por , em 9.01.2013

Imagine se você pudesse controlar seus sonhos, criando possibilidades infinitas apenas com um pensamento. Embora possa acontecer espontaneamente, é um fenômeno raro e, nos últimos anos, vem ganhando atenção de pesquisadores e leigos que buscam entendê-lo (e, em alguns casos, induzi-lo conscientemente).

“Sonhos nos dão um mundo em nossa mente para onde escapamos da realidade e aparentemente temos pouco controle sobre o que acontece”, explicam os autores do canal AsapSCIENCE, que publicaram um vídeo a respeito dos sonhos lúcidos, aqueles em que a pessoa tem consciência de que está sonhando e, com isso, consegue “tomar as rédeas”.

Eles apontam algumas dicas para quem deseja provocar o fenômeno. A primeira é manter um diário de sonhos, que ajuda você a se lembrar do que sonhou (além do registro propriamente dito, você treina a memória). Todo dia, depois de acordar, escreva o que lembra de ter sonhado – é bom fazer isso logo que acordar, pois mesmo os sonhos recentes são normalmente esquecidos em questão de minutos.

A segunda é fazer “checagens de realidade”: observe relógios em funcionamento ou conte seus dedos até fazer disso um hábito. Assim, há mais chances de você conseguir fazer isso durante um sonho e perceber que tem algo “diferente” acontecendo.

A terceira dica é praticar a técnica dos Sonhos Lúcidos Mnemonicamente Induzidos. Quando estiver com sono, faça um esforço para se lembrar de seu último sonho e se imagine lúcido nele, o que ajuda a reforçar sua capacidade de perceber que está sonhando. Mentalmente, repita a frase “eu vou ter um sonho lúcido hoje”. Levantar no meio da noite e passar meia hora acordado aumenta as chances de sucesso.

Depois de ficar craque na técnica, você pode passar para uma mais avançada: a dos Sonhos Lúcidos Induzidos Despertos, em que você mantém a consciência mesmo dormindo, sem a aparente “interrupção” que ocorre quando você começa a dormir. Há um risco de paralisia do sono, um fenômeno completamente normal que evita que seu corpo se movimente enquanto sonha. Nesse momento, você pode acabar sofrendo alucinações e se sentir aterrorizado antes de “acordar” – considere esses riscos antes de experimentar a técnica.

Neurologia dos sonhos lúcidos

Em artigo publicado em julho de 2012 no periódico Sleep, pesquisadores do Instituto Max Planck (Alemanha) explicaram quais regiões do cérebro ficam especialmente ativas durante os sonhos lúcidos. Por meio de ressonância magnética, eles compararam as atividades cerebrais durante os dois tipos de sonho.

“Em um sonho normal, nós temos uma consciência muito rasa, experimentamos percepções e emoções, mas não estamos conscientes de estar apenas sonhando. É apenas em um sonho lúcido que a pessoa tem noção de seu estado”, explica o pesquisador Martin Dresler.

Apesar das diferenças, a atividade cerebral tanto em sonhos lúcidos quanto em sonhos normais é muito parecida. Contudo, três áreas ficam especialmente ativas durante os sonhos lúcidos: o córtex pré-frontal dorsolateral (normalmente associado com a tomada de decisões); o córtex fronto-polar (responsável por processar nossos pensamentos e sentimentos); e o precuneus (ligado à autopercepção).

Estudos como esse podem ajudar a compreender melhor não apenas o fenômeno dos sonhos lúcidos, mas a própria ideia de consciência e a transição entre o sono e o estado de vigília.[AsapSCIENCE, MedicalXpress, LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 4,50 de 5)

75 comentários

  • Anderson Artes:

    A possibilidade de controlar sonhos é fascinante. Eu já acostumo “brincar” na imaginação simulando situações inusitadas e poder fazer isso nos sonhos, que são bem mais reais, é espetacular. Já tive uma experiência de sonhar e saber que estava sonhando, e foi logo num pesadelo. Eu fugia de um algoz e, no meio da fuga, eu pensei naquela situação e percebi que não fazia sentido. Eu fugia de uma criatura inexistente, que não existia no mundo real. Então, eu descobri que era um sonho, ou melhor, um pesadelo. De repente, eu não tinha mais medo da criatura. Quando fui ver, eu dominava toda a situação e meu inimigo naquele pesadelo se transformou em vítima. Eu podia tudo e ele nada. Incrível! Nunca mais tive tal experiência, entretanto sei que é possível. Com essas dicas, vou buscar ter sonhos lúcidos.

  • Very_much_alive:

    Ter sonhos lúcidos é relativamente fácil. Agora tentarei abrir o terceiro olho e próximo passo, viagem astral.

    • Cesar Grossmann:

      Eu gostaria de ver uma evidência sólida de “viagens astrais”… Até agora, os projecionistas falharam em todos os testes propostos por céticos.

  • Carlos Demóstenes:

    Estou evoluindo cada vez mais. Agora eu modifico o cenário como quero e acordo quando canso de brincar com o sonho. Faço tudo que quero, lá.

    • clovis:

      foi facil ou teve muita dificuldade para ter sonhos lucido?

  • filipn89:

    Eu uma sonhei que estava fugindo de um serial killer mas ai eu do nada pensei “isso é um sonho” ai tentei abrir os olhos e consegui.

    • Cesar Grossmann:

      Mas aí é sonho lúcido ou é acordar?

    • Fábio Pavan:

      Isso acontece comigo.

    • Elizandro Roos:

      Abriu os olhos e acordou? rs
      Eu já sonhei que tinha acordado, mas ainda estava dormindo, “acordei” em outro sonho.

  • Bruno Marques:

    Eu já tive algo parecido com um sonho lúcido,eu estava em um lugar que hora parecia uma imensidão branca e outra parecia com algo tipo um planalto (não sei como os lugares se alternavam) no qual depois de ficar sem fazer nada,apenas observando,eu dei um pulo e conseguia voar,mas eu voltava a cair no chão e era difícil controlar,por isso eu me frustrava ao não conseguir voar novamente.
    E também de vez em quando eu estou com sono e assistindo algo,consigo ficar acordado inconscientemente….

    • Elizandro Roos:

      Fica acordado e dormindo ao mesmo tempo? Explica melhor isso.

  • Bruno Mocellin:

    Já tive algo do tipo de controlar 50% do sonho, tipo olho prum lado mas vou para outro, mas enfim.
    Creio que tive meu primeiro sonho lúcido 100%, foi num dia que estava com muita dor de cabeça, e para passar, me deito e escondo de todas as luzes e tal, e comecei a pensar na possibilidade disso, mas não tenho certeza se “forcei” um SL tipo, agora vou sonhar e em vez de relaxar me concentrava muito, talvez isso tenha sido depois.

    O Sonho em si era eu em quarto, com azulejos de banheiro e um ralo logo a minha frente, não havia fonte de luz, mas não era escuro de mais, dei um passo e o quarto sacudiu, a “camêra” deu um zoom out pra cima e vi que esse quarto banheiro era um elevador (eita!), quando ouvi o estalo me virei e olhe para a parede contraria a mim e lá havia aquelas janelinhas quadradas de banheiro, foi dai que lembro de ter pensado, “cara, isso é um sonho” e fechei os olhos para trocar de lugar, mas quando abri os olhos deu um segundo e realmente abri os olhos e acordei.

    Não sei se tive paralisia do sono, pois fiquei tão abismado com isso que nem tentei me mexer e fiquei pensando no ocorrido e tentei voltar, mas sem sucesso, mas lembro de ser INSANO, pois é uma outra realidade VIVA e não assistida, é maluco mesmo =).

    A dúvida é, relaxar pensando de boa, ou forçar concentração para induzir? valeu!

  • Genioso Irreligioso:

    Desde sempre eu tive sonhos lúcidos… por exemplo: quando criança eu não sabia andar de bicicleta; então quando eu corria de bicicleta nos sonhos eu automaticamente me dava conta de que era um sonho e era uma sensação inusitada! mas fora isso; eu não me lembro de ter manipulado significamente algum sonho que eu tenha tido… deixava o sonho transcorrer normalmente mesmo =]

  • André Lamberty:

    Eu tenho 16 anos e ja tive alguns sonhos lúcidos onde me lembro até hoje e agora estou interessado em praticar as tais habilidades para se obter um sonho lúcido, mas enfim vou contar oque aconteceu em alguns de meus sonhos, a primeira vez em que me lembro ter sonhado eu estava em um campo, parecia acampamento onde tinha várias pessoas então eu trouxe uma garota para longe dos outros e consegui beija-la, o mais impressionante foi que eu senti a língua dela como se fosse real, sonhei uma vez também que eu tinha saido do meu corpo, e me vi dormindo na cama então fui até o computador mas fiquei parado não consegui ligar ele, mas conseguia tocar na mesa do computador onde realmente parecia real, parecia q eu estava tocando nela, outra vez eu estava na cidade e percebi que estava sonhando e pensei em fazer coisas insanas como voar, não consegui porem eu consegui escalar muros muito altos e sentia como se encostasse neles, encosta em carros também e os sentia como se fossem real, realmente é uma briza muito loca k

  • Amanda Azzarini:

    Sempre pensei que eu era a única. Tenho seguidamente sonhos lúcidos. Eu sei que estou sonhando e controlo o meu sonho. Chega a ser divertido.
    Nunca pratiquei nenhuma técnica. Isso veio a acontecer involuntariamente de uns anos pra cá.
    E em falar em paralisia do sono, tenho, mas raramente. Porém a maioria das vezes consigo sair tentando me mexer e tudo volta ao normal.

  • GoogleUser24:

    Bom dia a todos ,eu controlo meus sonhos na maioria das vezes em que sonho , hoje estive fazendo uma busca na internet ,para ver se tinha algo relacionado com o assunto, e cheguei aqui .Descobri que se chama sonhos lucidos , e estive lendo tambem pessoas falando sobre tescnicas , eu nunca fiz nehuma tecnica, e mesmo assim tenho sonhos do tipo , isso deve ser muito normal não ?Li aqui tambem sobre viagem astral, tem alguma coisa aver com sonhos lucidos ? Não acredito em viagem astral .Tenho 21 anos , não me lembro desde quando tenho sonhos assim, mas lembro que nesses ultimos dois anos é quase toda noite .São sonhos muito surreais , acabo me divertindo até , se alguem tiver alguma informação sobre o que vem ocorrendo comigo e se dispuser a compartilhar , ficarei grato ! fiquem em paz e até a proxima .

    • aguiarubra:

      GoogleUser24

      Vc parece ter uma capacidade natural em controlar os sonhos. Não é nada preocupante, ok?

      E sonhos lúcidos nada tem ver com viagens astrais. Eu sei disso pq. já passei por ambas as experiências.

      Se vc tivesse viagem astral, veria com muito mais nitidez que nos sonhos lúcidos o panorâma que se abre à mente, ok?

    • Thiago Oeew:

      Eu também, desde criança (hoje tenho 24) tenho esses sonhos, e sempre sei que é sonho, geralmente sonhava com o Diabo ou coisas assim, mas quando percebia que era sonho, sempre dava risada das bizarrices do mesmo kkk e várias vezes acordei dando risada kkk.. mas assim, eu nunca consegui levar o sonho como eu queria, tipo, eu até ria da situação, mas não conseguia evitar nada de acontecer, nem voar (acredite, ja tentei várias vezes, acho que por saber que não é possível, nem no sonho eu consigo ahuahua), muitas vezes que era pesadelo, eu sabia que era sonho, até pq muitas vezes era repetido, mas não conseguia mudar o que ia acontecer, as vezes desviava um pouco, mas nada drástico.. sempre tinha que acordar (é, quando estou sonhando, é só querer que eu acordo).. porém ultimamente não tenho me lembrado do sonho.. nem logo após acordar..

  • Costa:

    Cesar Grossmann,
    Sobre o que é REAL, você explicou o que eu já esperava. Entretanto você ainda não se deu conta que as ‘REALIDADES’ que estamos tratando, são duas REALIDADES diferentes, uma física e outra metafísica. O que ocorre na dimensão metafísica não tem que se refletir necessáriamente na dimensão física. Também não se deu conta que a REALIDADE física é aparente, ou seja, a ‘realidade’ de hoje não é mais ‘realidade’ amanhã, já que o mundo físico está em constante transformação.
    Sôbre a experiência fora do corpo ser provocada pelo giro angular, sua explicação foi vaga e você não sabe se isso ocorre necessáriamente em todos os casos de EQM.
    Sobre as outras questões você não respondeu. Entretanto, você está muito interessado em defender a doutora Susan, e teceu um longo comentário sobre o fato. Entretanto mesmo que eu tenha tirado conclusões errôneas sobre a mesma, isso não muda absolutamente nada já que a Dra Susan não é a porta voz oficial da ciência e muito menos da verdade.

    • Costa:

      Cesar Grossmann,
      Sinto decepcioná-lo, ou quem sabe até confortá-lo, mas a única ‘fantasia’ é a do mundo material, ou seja, do mundo ‘irreal’, onde nada, absolutamente nada, é ‘real’.
      A Dra.Susan pode até ter investigado com bastante rigor, mas utilizando ferramentas e métodos inadequados, além de pessoas que se dispuseram a passar pelo ridículo esperando simplesmente algum tipo de promoção. Ingressar na dimensão da ‘realidade espiritual’ utilizando os métodos do mundo ‘irreal da matéria’, é inútil. Querer que a ‘realidade espiritual’ se manifeste no mundo ‘irreal da matéria’ ou se comporte de forma a ser detectada em instrumentos que funcionam até precariamente no próprio mundo material, é uma infantilidade. Claro que tudo isso justifica plenamente o ceticismo dos que se agarram à irrealidade do mundo material. Esteja bem.

  • Costa:

    Cesar Grossmann,
    Não entendi muito bem sua ‘lógica’ do último comentário. Mas falar em absoluta ausência de evidências apesar de décadas de estudos, só pode ser considerado, se você realmente aguarda que a ciência vai captar a alma ou a consciência de alguém e colocar num vidrinho pra você ver. Considerando tudo que psicólogos e cientistas já falaram e confundiram as cabeças dos leitores sobre EQMs e sonhos lúcidos, em várias matérias deste site, é necessário esclarecer que experiências de EQMs não são sonhos lúcidos. Para que haja um sonho lúcido é necessário que a pessoa esteja saudável. Nas EQMs, geralmente as pessoas estão em coma e o cérebro não está funcionando como descreve o neurocirurgião, Dr. Alexander sobre o seu próprio caso. Nos sonhos lúcidos em que a pessoa está saudável, as experiências ‘fora do corpo’ são relatadas das mais variadas formas e nos mais variados ambientes, enquanto nos casos de EQMs, os relatos são sempre muito semelhantes. Ainda que os atuais métodos científicos pudessem detectar fenômenos extra físicos, não haveria necessidade de se induzir experiências laboratoriais já que os casos de EQM pululam de forma natural as centenas em vários locais do planeta, com pessoas de todos os níveis culturais, inclusive médicos e todos com relatos semelhantes. Acreditar que todos esses casos são de pessoas mentirosas ou que todos combinaram entre si para contar sempre a mesma estória, é no mínimo um pouco de neura. Finalmente você está insinuando que há um confronto entre cientistas e crentes. Isso pode até estar ocorrendo já que existem crentes fanáticos e/ou ignorantes e/ou sistemáticos e/ou intransigentes, etc…., assim como existem ‘cientistas’ e ‘pseudo-cientistas’ com as mesmas características. Entretanto, duvido que um cientista que se preze, não respeite os pontos de vista dos crentes ou que um crente mais esclarecido não respeite as posições e colocações dos cientistas até porque somos todos usuários da tecno-ciência. Podemos não ter as mesmas opiniões, até porque temos vivências, experiências, e necessidades diversas. Essas são as causas das divergências de idéias e dos diálogos que podem ser construtivos.

    • Cesar Grossmann:

      Não, Costa, eu falo que não há evidências significa que não há evidências. Ninguém falou em colocar alma em vidrinho, isto é um espantalho seu.

      Uma coisa é você ter um sonho com um elefante, outra coisa bem diferente é dizer que o elefante é real, só por que o sonho que você teve foi tão realista.

      Há uma estrutura no cérebro que é responsável pela noção da posição do corpo, e quando esta estrutura recebe um estímulo anormal, a pessoa relata uma experiência “fora do corpo”. Isto já foi demonstrado.

      “Experiência fora do corpo” em sonhos são sonhos. Da mesma forma que um elefante sonhado não é um elefante real, por mais forte que a sensação de realismo do sonho seja.

      A tua dicotomia de que a única explicação para todo mundo ter o mesmo relato se trata de uma combinação ou fraude, ou então de que o fenômeno que eles relatam seja real é falsa, existe uma outra explicação: todos tiveram uma experiência similar, e ser um produto da mente – afinal de contas, todos os cérebros humanos compartilham de uma estrutura e funcionamento comum.

      Ainda sobre as experiências de EQM se darem em um cérebro inativo, as últimas pesquisas na área indicam que pode não ser assim.

      Finalmente, em ciências, uma evidência é um fenômeno que pode ser observado por outros cientistas. Algo que possa ser replicado em condições controladas. Todo mundo consegue dormir, todo mundo sonha, e algumas pessoas tem sonhos lúcidos, isto já foi demonstrado, há EVIDÊNCIAS disso. E uma parcela das pessoas que estiveram em situação de quase-morte relataram ter tido uma EQM. Mas, embora todas elas tenham relatado que se viram “flutuando perto do teto”, nenhuma delas relatou ter visto alguma coisa diferente do que alguém no chão teria visto. Tudo indica que se trata de mais uma alucinação.

      Tudo isto a doutora Susan Blackmore investigou durante trinta anos. Depois de ter tido uma experiência fora do corpo, ela ficou convencida da realidade do fenômeno, e se tornou cientista para investigar o mesmo, e em uma cruzada para “abrir os olhos dos cientistas”. Como ela mesma disse, “depois de poucos anos de experimentos cuidadosos, tudo mudou. Eu não encontrei nenhum fenômeno psíquico – só wishful thinking, auto-engano, erros experimentais e, ocasionalmente, fraudes. Eu me tornei cética.”

      Ela escreveu livros e escreveu artigos sobre o assunto, você pode ver aqui: http://www.susanblackmore.co.uk/Research/out-of-body%20experiences.htm

      Por exemplo, “são experiências fora do corpo evidência de sobrevivência?” (em inglês).

      Sem precisar “colocar a alma em um vidrinho”.

    • Costa:

      Cesar Grossmann

      Nesse caso eu gostaria de aprender:

      Você disse: Uma coisa é você ter um sonho com um elefante, outra coisa bem diferente é dizer que o elefante é real, só por que o sonho que você teve foi tão realista.

      Pergunto: O que significa ‘REAL’ nesse contexto?

      Você disse: Há uma estrutura no cérebro que é responsável pela noção da posição do corpo, e quando esta estrutura recebe um estímulo anormal, a pessoa relata uma experiência “fora do corpo”. Isto já foi demonstrado.

      Pergunto: Que estrutura é essa e o que é um estímulo ANORMAL nesse caso? Já foi demonstrado como?

      Você disse: Ainda sobre as experiências de EQM se darem em um cérebro inativo, as últimas pesquisas na área indicam que pode não ser assim.

      Pergunto: Você está tirando conclusões de algo que PODE não ser assim?

      Você disse: Finalmente, em ciências, uma evidência é um fenômeno que pode ser observado por outros cientistas. Algo que possa ser replicado em condições controladas. Todo mundo consegue dormir, todo mundo sonha, e algumas pessoas tem sonhos lúcidos, isto já foi demonstrado, há EVIDÊNCIAS disso. E uma parcela das pessoas que estiveram em situação de quase-morte relataram ter tido uma EQM. Mas, embora todas elas tenham relatado que se viram “flutuando perto do teto”, nenhuma delas relatou ter visto alguma coisa diferente do que alguém no chão teria visto. Tudo indica que se trata de mais uma alucinação.

      Pergunto: a) Quais são as evidências de que as pessoas tem sonhos lúcidos? b) Você já leu todos os relatos de pacientes que sofreram EQM? c) Você pode me explicar o que é uma alucinação?

      Você disse: Tudo isto a doutora Susan Blackmore investigou durante trinta anos.

      Pergunto: Você acha que em sã consciência eu posso confiar na doutora Susan Blackmore depois de sua peremptória declaração?
      “I know the truth about the universe from reading my science books. I know that telepathy, clairvoyance, psychokinesis and life after death are impossible. I don’t want to see any evidence that they exist. I am terrified that I might be wrong.”

    • Cesar Grossmann:

      Só para completar, o que ela realmente pensa é bem diferente do que você acha ou gostaria que fosse:

      The way I really think is more like this “I am a scientist. I think the way to the truth is by investigation. I suspect that telepathy, clairvoyance, psychokinesis and life after death do not exist because I have been looking in vain for them for 25 years. I have been wrong lots of times before and am not afraid of it”. Indeed I might add that finding out that you are wrong, and throwing out your previous theories, can be the best way to new knowledge and a deeper understanding.

      Beeeeeeem diferente do que você está tentando fazer passar pela opinião da dra. Susan. Isto foi bastante desonesto da tua parte. Ou será que é natural para um esotérico ficar pinçando só o que lhe agrada e o que vai de acordo com o que ele pensa? Vai saber…

  • Rodolfo Andrello:

    minha última experiência lúcida interpretei, dentro da própria experiência, como uma projeção da conciência. Me percebi na cozinha de casa, mas tinha deitado no quarto logo após o trabalho, e pra ter certeza caminhei para a porta e busquei saltar para o telhado, sendo bem sucedido… logo quiz me orientar pela posição do sol pra saber pra onde voaria e eventualmente em que direção deveria voltar, e fiz um passeio nos ares. Quando quiz descer e explorar o que estaria no chão, acordei logo que toquei o solo, sem problemas do tipo susto ou paralisia.

  • Marianna Goret:

    Eu ja fiz essas tecnicas. Inclusive tem os nomes das tecnicas.
    Eu acredito em sonhos lúcidos, acredito que é possível por que eu consegui ter um pouco de experiência, praticando por 3 meses.
    Mas não acredito que sonhos lúcidos possam ocorrer instantaneamente.
    Me desculpem, mas é uma tecnica muito trabalhada. E dizer que teve sonhos lucidos sem nem mesmo praticar uma tecnica é especulação.

    Ps. A melhor tecnica pra mim é a MILD. Ela é voltada para a mnemônica. Eu parei porque não aguentava ter que lembrar e escrever meus sonhos. Era muito esforço lembrar… mas digo que valeu a pena.

    Eu cheguei a sonhar só algumas vezes lucidamente porque é um trabalho árduo. Mas lembro de estar conversando com um grupo e conseguir controlar o que eu falava. Teve uma hora que eu disse “Estou sonhando” para uma prima minha, ela me segurou e disse “não acorde agora” eu respondi: “Não, eu vou ficar mais”. Foi muito bom uahhua…
    Eu podia fazer qualquer coisa. Mas durou muito pouco.

    • Germano:

      ao contrario do que vc disse …
      meu primeiro sonho lucido foi involuntario
      e na época eu nem sabia que isso era possivel

      eu me vi andando a pé em uma via que eu só custumo passar de carro porque é muito longe da minha casa
      tentei ler a placa do supermercado e as letras mudavam toda hora
      percebi que era um sonho e tentei morder um carro
      mastiguei ele inteiro
      logo em seguida só ideia insana … “tenho que ver mulher pelada “, “tenho que voar”
      eu queria tanto aproveitar o momento que acabei acordando

      comecei a estudar sobre isso
      e hoje eu consigo com mais facilidade … e realmente a sensação de um sonho lucido é a vibe perfeita
      se eu conhecesse algum tipo de droga que induz isso
      usaria facil
      huhuHAuaH

      eu fico injuriado é que quando eu consigo acontece coisas
      e eu acabo percebendo que não os controlo 100%
      tipo só consigo correr com a cabeça abaixada
      de vez em quando rola uns lag e tudo fica em camera lenta
      é muito estranho mesmohaha

  • aguiarubra:

    Volta e meia eu tenho sonhos lúcidos. Em apenas uma vez, por pouco tempo, consegui controlar os eventos, pois acordei logo após haver iniciado o “controle” dos acontecimentos.

    Fico contente com a existência desses estudos no âmbito da Neurologia e decepcionado com a pouca pesquisa feita entre os espíritas.

    P.: “…Há um risco de paralisia do sono, um fenômeno completamente normal que evita que seu corpo se movimente enquanto sonha. Nesse momento, você pode acabar sofrendo alucinações e se sentir aterrorizado antes de “acordar” – considere esses riscos antes de experimentar a técnica…”

    Comentário: essa paralisia do sono eu consigo controlar. Concordo que há alucinações, pois consegui entender o que me ocorria.

    Mas não consigo dominar o terror que este fenômeno me causa e sempre entro em pânico, pois é muito difícil acordar voluntariamente disso. Acordo, sim, se minha esposa perceber e me dar uma chacoalhada. Para mim, perco a respiração e parece que vou morrer.

    Depois que acordo, tudo desaparece instantaneamente (como se não tivesse acontecido nada) e volto a dormir tranquilamente.

    Apenas uma vez “acordei” dentro do sono e não estava sonhando. A sensação que tive foi de “independência” de meu próprio corpo e “vi” meu cérebro se ligando como um grande motor eletro-mecânico, onde “chaves” fechavam “circuitos” em várias partes!

    Em certo momento, perdi a “liberdade” e sentí-me “preso” ao corpo, sentindo a “sonolência” dele e, abrindo os olhos, tive que “descobrir” onde era acima e abaixo, pois eu tinha a nítida sensação de que estava levitando! Assim que pensei na direção em que a gravidade atuaria, voltei a reconhecer as dimensões da poltrona de sala em que eu dormia, lenvantei-me e fui prá cama…

    Essa experiência não me causou pânico nenhum. Pelo contrário, tive só sensações maravilhosas!!!!!

    • Germano:

      comigo acontece exatamente a mesma coisa
      minha namorada acha que eu sou louco
      e conversei com a minha mãe uma vez
      e ela levou um pastor la em casa
      dizendo que eu estava sofrendo uma opreção demoniaca … haha

      de certa forma o cara entendia muito sobre tudo isso
      e o pouco que eu sabia ele vinha com respostas
      no fim das contas ele tentou expulsar um demonio de mim
      só que não aconteceu nada
      ele insistiu e nada
      HAUAHUAHuAH

      nunca mais fui a igrejas

      mais eu parei de tentar esse desdobramento astral justamente por causa da paralisia do sono
      alem de ter o corpo paralizado eu sinto uma preção nos ossos
      é muito cinistro

    • aguiarubra:

      Pois é camarada, em minhas alucinações eu também via demônios. Um dia resolvi encará-los “de frente” (quer dizer, dominei o terror o suficiente para ver o que aconteceria) e “os bichos” sumiram!!! Então eu vi que eram “feitos” com minha própria imaginação aterrorizada.

      Anos depois assisti um “Diálogos Impertinentes”, onde tratavam sobre distúrbios do sono e entendi que eu (e vc), de vez em quando, percebemos o corpo dormindo enquanto nossa mente ainda está atenta.

      Parei de ter alucinações, mas o pânico ainda continua! Eu não vejo mais “coisas demoníacas”, mas a sensação (falsa) de falta de ar ainda continua!

    • Germano:

      como vc disse no comentario abaixo
      posso ser “sequestrado” por espiritos durante o desdobramento astral ?

      hoje para não ter paralizia do sono, eu só deito na cama quando o sono estiver impossivel de segurar
      com isso acabo durmindo pouco
      no maximo 5 horas por dia

      e consigo induzir os “sonhos lucidos” com certa facilidade nos cochilos durante a tarde

      eu nunca busquei ajuda espiritual mais ja conversei com espiritas
      eles dizem que é um dom e que eu deveria estudar mais sobre isso
      mais por hora… é algo que eu não pretendo desenvolver

    • Cesar Crash:

      Na paralisia do sono, eu nunca vi nada. Mas há um som alto, agudo. Na primeira vez, parecia ter alguém ou algo sobre mim, parecia haver gargalhadas, algo como que zombando de mim. Hoje eu só espero passar, é um incômodo, nada mais.
      Certa vez eu tive a sensação de sair do corpo, ou que meu corpo levitou e passou paredes. Mas a verdade é que não vi nada também, e por sentir que o corpo se deslocou na horizontal, por parecer ter a noção de direção, sentido e velocidade, o cérebro interpreta a distância percorrida, por isso senti ter passado a parede, o banheiro e ido até a cozinha.
      O que parece haver de “sobrenatural” nisso, é que eu nunca tive nada, mas começou a aparecer depois de me envolver com uma pessoa que tem visões enquanto acordada.

    • Germano:

      risadas, sons agudos parecendo um tipo de frequencia …isso é exatamente o que acontece comigo

      na proxima vez que acontecer relaxe e deixe rolar
      pense em coisas boas
      é assim que eu começo um sonho lucido
      se voce pensar em coisas ruins suas alucinações vão ser aterrorizantes
      e vice versa

    • Cesar Crash:

      É o que eu disse. Eu na primeira vez foi assim, como não sinto medo, como sei que é natural, não sinto mais esta coisa tão ruim. Faz tempo que não acontece, e posso dizer que parece ser por temporadas: se acontecer hoje, é normal acontecer amanhã de novo.
      Estou me desinscrevendo por que tá chegando e-mail demais sobre a alma sair do corpo. Fui!

  • Cesar Crash:

    Acho estranho que se queira induzir isto, por que em geral, não é nada agradável, você está consciente, quer se mexer, mas não consegue.
    E fazer um diário dos sonhos é pra mim algo impossível. Se eu me lembrar de dois sonhos por ano depois que acordo, é muito.

    • Caleb Yamamoto:

      É dois.Lembrar dos sonhos que tive é uma missão praticamente impossível.

    • Costa:

      Cesar Crash,
      Há várias técnicas para lembrar dos sonhos que você pode pesquisar na net. Aqui vai uma que achei interessante pois inclui auto-hipnose:
      “Outra técnica que pode ajudar você no processo de recordação do sonho é a auto-hipnose. Basta você colocar um copo com água ao lado de sua cama quando for dormir. Antes de se deitar olhe para o copo e pronuncie a frase: “amanhã quando beber essa água me lembrarei de tudo que sonhei. A auto-indução costuma funcionar super bem.”

    • Cesar Crash:

      Olá, sr. Costa! Há quanto tempo!
      Rapaz, vou tentar, mas o poder da sugestão é desde já, um grande impedimento. Certamente é preciso antes, ter a certeza de que vai funcionar. Eu sei que o farei duvidando, seria então, preciso controlar isto também.

    • aguiarubra:

      Cesar Crash

      A técnica de auto-hipnose realmente funciona! Comecei a ter “paralisia do sono” após três dias tentando auto-hipnose! E depois, não consegui pará-lo por cerca de 30 anos! Um terror puro me domina durante o processo, que passou a ser quase involuntário.

      Hoje, se eu “limpar a mente” durante o início do sono, em poucos segundos entro nesse estado tremendamente desagradável e evito, o quanto possível, ficar sem pensar em nada.

      Mas eu adquiri um livro do filósofo ateu-marxista armênio-brasileiro Jacob Bazarian chamado “Intuição Heurística”, dedicado a ensinar como aproveitar certas propriedades do subconsciente para encontrar a solução de problemas (principalmente os problemas que exijam cálculos).

      Por enquanto, não tive “problemas” (rsrsrsrs) com a paralisia do sono, aplicando as sugestões deste livro. Mas não aprendi o suficiente, ainda, e vou ver o que acontece quando tiver mais prática na aplicação das dez regras que Bazarian sugere.

      As técnicas apresentadas são similares às da auto-sugestão induzida, mas com o “sentido” invertido: o que sugerimos ao subconsciente é um determinado problema para resolver, mas será o subconsciente é que produzirá a resposta no consciente.

      Depois que eu aprender como funciona, vou ver se consigo combinar as técnicas e auto-induzir sonhos lúcidos.

  • Cesar Grossmann:

    A neurologista Susan Blackmore conta um estudo que foi feito com uma mulher que alegava conseguir ter encontros amorosos e fazer sexo durante sonhos lúcidos:

    http://www.susanblackmore.co.uk/Articles/si91ld.html

    Basicamente, quando a mulher pesquisada tinha orgasmos no sonho lúcido, o corpo experimentava orgasmos reais!

    E tem as experiências fora do corpo que, segundo a mesma Susan, estão relacionados de alguma forma:
    http://www.sawka.com/spiritwatch/luciddreams.htm

    Nota, a Susan pesquisou durante muito tempo estas experiências fora do corpo, tentando provar que se tratava de um fato real, mas não conseguiu. Segundo ela, tudo que ela encontrou foi fraude e auto-engano.
    http://www.susanblackmore.co.uk/journalism/NS2000.html

    • Cesar Grossmann:

      “Imagine isto… Imagine um mundo em que se você amar alguém o suficiente, ou precisar desta pessoa o suficiente, suas mentes vão se comunicar não importa onde vocês estejam, sem importar tempo ou espaço. Imagine um mundo em que, se você tiver um pensamento claro e poderoso o suficiente, ele pode tomar vida por si, movendo objetos e influenciando o resultado de eventos distantes. Imagine um mundo em que cada um de nós tenha um núcleo especial – um ‘eu real’ – que faz de nós quem somos, que pode pensar e mover-se independente de nosso limitado corpo físico, e que vai sobreviver à morte deste, dando sentido a nossas vidas que de outra forma seriam curtas e sem razão. É assim que (de forma geral) muita gente pensa que o mundo é. E é como eu pensava – e tinha esperanças – que o mundo era. Eu dediquei 25 anos da minha vida tentando descobrir se era assim. Agora eu desisti.”

      http://www.susanblackmore.co.uk/Chapters/Kurtz.htm

    • Costa:

      Cesar Grossmann,
      1) “um mundo em que, se você tiver um pensamento claro e poderoso o suficiente, ele pode tomar vida por si, movendo objetos e influenciando o resultado de eventos distantes. Imagine um mundo em que cada um de nós tenha um núcleo especial – um ‘eu real’ ”
      Ainda não li a matéria toda, mas quer me parecer que a intenção é um dos motivos impeditivos. Influenciar o resultado de eventos distantes não me parece ético. O mundo espiritual também tem regras. Além disso há um erro fundamental na crença de um ‘eu real’. Esse ‘eu real’ fundamentado na personalidade, criado pelo ‘ego’, é uma ilusão; uma máscara provisória e mortal. Nós não somos ‘pessoas’ que tem ‘espíritos’, mas espíritos encarnados, o que é muito diferente. Mesmo muitos espiritualistas ainda tem dificuldade de entender isso. O ‘ego’ não aceita.

      2) “I know the truth about the universe from reading my science books. I know that telepathy, clairvoyance, psychokinesis and life after death are impossible. I don’t want to see any evidence that they exist. I am terrified that I might be wrong.”
      Esse trecho é auto explicativo do que realmente ocorre com Susan Blackmore.

    • Cesar Grossmann:

      2) “I know the truth about the universe from reading my science books. I know that telepathy, clairvoyance, psychokinesis and life after death are impossible. I don’t want to see any evidence that they exist. I am terrified that I might be wrong.”
      Esse trecho é auto explicativo do que realmente ocorre com Susan Blackmore.

      Este trecho é auto explicativo do como os crentes nestes fenômenos reagem frente à absoluta ausência de evidências apesar de décadas de estudos.

      É interessante como a história se repete: cientista ouve afirmação fantástica, cientista investiga afirmação fantástica, cientista não encontra nenhuma evidência da afirmação fantástica, cientista é acusado de ter a mente “fechada para o novo” e de se “fechar na sua crença cientificista”.

      E você está fazendo isto também.

    • Glauco Ramalho:

      Eu acho q o Cesar apelou.
      Cesar, metafísica só se comprova com metafísica.

    • Germano:

      cezar eu não pertenço a crença alguma
      mais tive essa esperiencia fora do corpo de forma involuntaria durante a mal-di-ta paralisia do sono
      como eu não conseguia acordar resolvi esperar pra ver o que iria acontecer
      e aconteceu esse fenomeno estranho

      só achei muita coencidencia o meu cerebro me proporcionar a mesma alucinação que os espiritas relatam

      na época eu não tinha conhecimento algum sobre isso
      e até hoje não tenho uma opinião formada sobre o assunto
      apesar de ter acontecido mais vezes

    • Costa:

      Glauco,
      Parece que o Cesar espera que a ciência capte a alma do indivíduo e coloque num vidrinho.

    • Cesar Grossmann:

      Glauco, quando alguém faz uma afirmação testável, ela deixa de ser “metafísica”. Por exemplo, se alguém afirma que “saiu do corpo” e foi até a cozinha e viu quem estava lá, ele está fazendo uma afirmação testável. Quer dizer, não dá para ver este “eu intangível”, mas dá para verificar se ele realmente esteve lá.

      Sobre os sonhos lúcidos, havia uma moça que afirmava ter sonhos eróticos lúcidos. Tudo bem, isto a gente acredita, mas aí surgiu uma pergunta: o sonho lúcido afeta o corpo dela? Ela concordou em fazer o teste e foi verificado que realmente ela estava experimentando orgasmos REAIS. Os sinais dos orgasmos estavam todos lá…

      Está lá no artigo da Susan Blackmore…

    • Glauco Ramalho:

      Cesar,identificar a presença de um conhecido em outra sala durante a viagem astral é uma coisa.Repetir uma sequência numérica,decorar um texto ou recordar uma imagem são coisas totalmente diferentes.O experimento para isso, sob teste,exigiria um projetor tão experiente que seria o mesmo que pedir a um PhD de astronomia para calcular a órbita de um planeta.Esses projetores são muito mais do que projetores, e não se encontram esses facilmente.A maioria nem deve saber dessas pesquisas para serem localizados.

      Os sonhos eróticos dessa garota pode ser só isso mesmo: sonhos. Mas podem ser sucubus, que são criações do nosso próprio ego,mas essa é outra aula.Os cientistas deveriam buscar mais a literatura existente sobre o assunto, pois saberiam logo que o cordão de prata, que liga a consciêcia projetada ao corpo, envia sinais de ambos os lados.Por isso às vezes sonhamos que estamos na iminência de urinar: o corpo avisa a consciência por esse cordão. E a consciência também se comunica com o corpo à distância. Por isso o seu corpo físico sentia os orgasmos: ela estava fora do corpo, mas sua consciência, naturalmente, enviou as impressões da experiência ao seu corpo físico, o que era de se esperar.

    • Cesar Grossmann:

      Não é o que estes projecionistas afirmam. E o que eles afirmam, não puderam demonstrar.

    • Glauco Ramalho:

      Provavelmente, Cesar. Mas fazer projeções astrais é mais fácil q beber água, qq um q se dedique faz. Esses devem ser projetores com pouca experiência, talvez nunca leram literatura sobre o fenômeno. Se não, não topariam testes que envolvem muito mais experiência do que simples viagens astrais podem fornecer.

      Para que eu não pareça leviano, vou dizer o q é necessário para testes tão específicos quanto esses q os pesquisadores propõem: clarividência bem desenvolvida ou intuição forte. Mas essas duas capacidades são muito mais “metafísicas” do q as viagens astrais, logo não podem ser compreendidas pela ciência aristotélica. Só pela própria metafísica.

    • Cesar Grossmann:

      Glauco, sempre que alguém faz uma afirmação que pode ser comprovada, ela deixa de ser “metafísica”.

      Você fala em “clarividência bem desenvolvida”. Como é que você sabe que alguém tem “clarividência bem desenvolvida”? Ou existe uma forma objetiva de determinar isto, ou então é só uma fantasia.

      O que ocorre com os “clarividentes” é que eles inventam um dragão invisível. Sempre que você imagina uma maneira de testar a existência do dragão deles, eles afirmam que o dragão não pode ser testado daquela forma. E é sempre assim, eles estão sempre tratando de colocar o tal dragão fora do alcance do escrutínio cético.

    • Glauco Ramalho:

      Cesar, quem joga as evidências longe onde ninguém pode ver é a NASA com suas teorias espaciais, nuvens de Oort e Big Bang.

      Quando você diz que qualquer afirmação pode ser testada aristotelicamente, eu digo que questões metafísicas só podem ser testadas metafisicamente.

      O homem possui cinco sentidos físicos e sete metafísicos. A ciência aristotélica utiliza apenas os cinco sentidos físicos, logo não irá nunca detectar fenômenos metafísicos. Entende? Você conhece a metafísica?

    • Cesar Grossmann:

      Glauco, você não entendeu.

      Se alguém afirma que pode ir para Marte com o seu corpo astral, poderia então fazer uma descrição e esta descrição deveria bater com o que sabemos. Só que aí ainda ficaríamos no dilema, a pessoa poderia estar simplesmente repetindo algo que viu em alguma publicação, o Chico Xavier fazia bastante disso. O que o nosso projecionista que foi para Marte poderia fazer? Dar uma informação nova, alguma coisa que ninguém sabe, mas que pode ser verificada. Por exemplo, o robozinho de Marte está se preparando para investigar uma área, o nosso amigo projecionista poderia então informar o resultado da análise antes do robozinho começar.

      Agora, quando fazem afirmações que não podem ser verificadas de forma alguma, eu me reservo o direito de não acreditar em porcaria nenhuma.

      Não dou atenção para dragões invisíveis na garagem.

    • Glauco Ramalho:

      Cesar, você não entendeu. Durante uma viagem astral você está em seu corpo astral numa região do mundo astral, o que você vê de lá é um misto entre o que existe no mundo físico e o que começa a surgir dos outros mundos.

      Mesmo que um vá à Marte em corpo astral (e é possível), e pouse sobre alguma sonda da NASA, não dá prá ter certeza se ele verá o robô, pois o viajante pode estar mais deslocado no plano astral do que no plano físico. Para quem se guia pela ciência moderna é impossível compreender isso, mas quem possui qualquer experiência sabe que o plano astral é muito maior e populoso do que o mundo físico.

      Como eu disse, se você quer confirmar, tem que praticar. É uma experiência pessoal. Não é um dragão invisível na garagem, é um elefante branco na sala.

    • Cesar Grossmann:

      Ou então o sujeito simplesmente está sonhando.

    • Glauco Ramalho:

      Hehe, pode crer

  • daniel_vieira30:

    pode parecer engraçado mas durante os meus sonhos lúcidos eu sempre tive a capacidade d sair voando, apesar de nunca poder controlar o destino do voo, eu sempre obtive vistas maravilhosas durantes estes voos.

    um amigo espírita me disse que isso é um certo tipo de mediunidade, eu queria saber se alguem mais jah passou pela msm situação.

    grande abraço a todos!

    • Lucas Miranda:

      Desdobramento Astral

    • Germano:

      eu ja passei por isso
      até estudei um pouco para desenvolver esse “dom”
      mais eu nunca consegui sair do meu quarto
      na verdade nunca consegui me afastar muito do meu corpo
      meu limite foi o ponto de eu me ver deitado

      nunca conversei com ninguem sobre isso
      nego pode pensar que eu to ficando maluco
      então resolvi parar porque não sei os riscos que existem
      talvez medo de não conseguir voltar pro meu corpo
      ja fazem uns 4 meses que eu parei de forçar essa viagem astral

    • aguiarubra:

      Germano

      Faz muito bem, Germano!

      Quando eu tinha dez anos de idade, fui “raptado” por dois espíritos, contra minha vontade. Acordei no meio do umbral, com ectoplasma emanando do meu corpo e esses dois estavam “recolhendo” para serviços de socorro deles lá, só que eu estava muito “inocente” das intenções deles.

      O que eu via era muitíssimo diferente de sonhos lúcidos, ou seja, eram mais reais do que se eu estivesse com os olhos abertos e tornou-se um “balizador” para outras experiências mentais que tive pelo resto da vida.

      Nessa época, eu não tinha ideia do que era o Espiritismo, embora meu pai fosse médium da Umbanda e haviam “trabalhos” em casa. Só fui saber o que havia acontecido comigo quando meu professor de “admissão” (que era um orador espírita) me explicou direitinho o que era tudo aquilo.

      Camarada, tentar “desdobramento astral” sem assistência não é perigoso para o corpo, mas pode representar um perigo para a mente. Se vc se impressionar muito, pode acabar “virando crente” e pagar muito dízimo prá “pa$tore$” que sabem como se aproveitar da ingenuidade dos fiéis.

    • Germano:

      oO … isso é possivel ?
      tem absoluta certeza que não foi um sonho lucido ?

    • Cesar Grossmann:

      É sonho lúcido.

      Entre os aficcionados não-espíritas tem um nome, “projecionistas”. Eles alegam poder projetar a consciência para fora do corpo.

      Uma médica resolveu testar as alegações de mente fora do corpo em uma sala de emergência, um dos lugares onde saem muitos dos relatos de gente “flutuando perto do teto” e colocou sobre um dos armários, fora do campo de visão até mesmo de quem está de pé, mas visível para quem supostamente estaria flutuando, um painel eletrônico que coloca palavras aleatoriamente (ou seja, nem ela saberia dizer qual a palavra que estava aparecendo em dado momento, para descartar uma suposta “explicação telepática”). Ninguém dos que alegavam ter flutuado perto do teto jamais relatou ter visto o painel eletrônico sobre o armário, e isto diz muito sobre “sair do corpo”.

      Em um outro teste, um projecionista foi levado para um quarto em um hotel e deveria descrever o que havia em um outro quarto, informado só na hora. Ele não descreveu.

      Finalmente, uma outra pessoa dispôs-se a testar as alegações de um projecionista, que dizia poder ir a qualquer lugar. Esta pessoa pediu para o projecionista descrever o conteúdo da geladeira dela. O projecionista não chegou nem perto.

      Mas os projecionistas sempre tem uma desculpa para explicar isto. Ou eles “não tem controle sobre onde vão” (embora antes alegassem ter este controle), e em outras vezes eles dizem que nem sempre vêem o que está lá, e outras vezes vêem o que não está lá (explicação simples: conhecem ou supõe como é o lugar, e fazem uma descrição baseada neste conhecimento e/ou suposição, e erram e acertam como qualquer um erraria e acertaria, sem precisar “projetar-se”).

    • Germano:

      eu tambem acho improvavel
      e como eu disse … acontece comigo de vez em quando
      e posso te dizer que ter um “sonho lucido” é melhor do que viver no mundo real

    • aguiarubra:

      Eu já tive sonhos lúcidos, pelo menos 2 vezes. Num deles, ate conversei com os “personagens”, SABENDO que era um sonho lúcido. Mas, não tenho controle disso, ou seja, não posso e não pude repetí-lo.

      Outra vez (uma única também), eu não estava sonhando: estava me percebendo dentro de meu corpo absolutamente consciente desta ‘liberdade’. Reconheci meu corpo, toquei, por dentro, em minhas pálpebras, fechadas! E também percebi meu cérebro “ligando”! Então, acordei “em suspenso”, após um curto estado de sonolência, andei, sonolento, até minha cama para então dormir de verdade, sem sonhos.
      Mas essa experiência de desdobramento astral é completamente diferente de tudo isso que te relatei. E só tive uma vez, durante minha infância, mas não me esqueci jamais. NÃO ERA SONHO LÚCIDO!!!

    • aguiarubra:

      testando!!!

    • aguiarubra:

      GERMANO

      Meu comentário saiu em local inadequado, mas eu o reproduzo aqui:

      “…Eu já tive sonhos lúcidos, pelo menos 2 vezes. Num deles, ate conversei com os “personagens”, SABENDO que era um sonho lúcido. Mas, não tenho controle disso, ou seja, não posso e não pude repetí-lo.
      Outra vez (uma única também), eu não estava sonhando: estava me percebendo dentro de meu corpo absolutamente consciente desta ‘liberdade’. Reconheci meu corpo, toquei, por dentro, em minhas pálpebras, fechadas! E também percebi meu cérebro “ligando”! Então, acordei “em suspenso”, após um curto estado de sonolência, andei, sonolento, até minha cama para então dormir de verdade, sem sonhos.
      Mas essa experiência de desdobramento astral é completamente diferente de tudo isso que te relatei. E só tive uma vez, durante minha infância, mas não me esqueci jamais. NÃO ERA SONHO LÚCIDO!!!

    • João Alberto:

      Eu já tive sonhos lúcidos, mas tinha certeza que era sonhos..

    • João Alberto:

      Comigo aconteceu o seguinte. Numa época que estava tendo muito pesadelos, de repente comecei a conseguir controlar meus sonhos. No começo eu só evitava ter pesadelos, mas a partir daí comecei a fazer o que quiser nos meus sonhos. Só que senti um efeito colateral. Meu sono era pouco, não era o suficiente, durante o dia parecia que não tinha dormido o suficiente. Foi então que de repente passei a nem lembrar dos meus sonhos. Antes era frequente lembrar de todos os meus sonhos, mas até hoje em dia é muito raro e detalhe tem o sono de uma pedra.

  • Glauco Ramalho:

    Na minha opinião esses pesquisadores estão dando um jeito de provar a existência da consciência sem um corpo sem chamar atenção dos outros cientistas fanáticos que não permitem pesquisas sobre a alma.

    Qualquer um que aprende essas técnicas da matéria, extremamente úteis, podem ir além do Sonho Lúcido e entrar nas Viagens Astrais propriamente ditas. Aí o mundo “dentro da mente” se torna um pouco limitado, pois o viajante poderá ir a qualquer parte do mundo e em várias dimensões da natureza.

    • aguiarubra:

      Glauco

      P.: “…Qualquer um que aprende essas técnicas da matéria, extremamente úteis, podem ir além do Sonho Lúcido e entrar nas Viagens Astrais propriamente ditas. Aí o mundo “dentro da mente” se torna um pouco limitado, pois o viajante poderá ir a qualquer parte do mundo e em várias dimensões da natureza…”

      Comentário: Lobsang Rampa escreveu vários livros sobre essas possibilidades. Mas é tudo impostura! No máximo, ficção mística.

      P.: “…Na minha opinião esses pesquisadores estão dando um jeito de provar a existência da consciência sem um corpo sem chamar atenção dos outros cientistas fanáticos que não permitem pesquisas sobre a alma…”

      Comentário: Stanislav Grof desenvolveu experiências nesse campo e produziu cerca de 20.000 relatos, dos quais ele publicou 500 artigos científicos.

      Grof, que recebeu incumbência para testar um produto novo da Sandoz (que ficou conhecido depois como “ácido lisérgico”) não teve nenhuma resposta da comunidade científica sobre suas experiências e ele jamais entendeu o porquê desse silencio!

      E Grof conseguia fazer “desdobramento astral” usando LSD, com controle laboratorial! Depois da proibição do uso de LSD, desenvolveu a técnica da “Respiração Holotrópica” https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=3&cad=rja&ved=0CEAQFjAC&url=http%3A%2F%2Fpt.wikipedia.org%2Fwiki%2FRespira%25C3%25A7%25C3%25A3o_holotr%25C3%25B3pica&ei=U7MBUbyQJoSi8gSXzoDYBA&usg=AFQjCNE52lr20Ap3g3utR6uRxX64uekwow&bvm=bv.41524429,d.eWU que propicia estados alterados de consciência.

      Então, camarada, até acredito que hajam pesquisadores que, subrepticiamente, estejam tentando dar um jeito de provar a existência da consciencia extra-corpórea, mas fora do âmbito da Psicologia Transpessoal.

      Estamos, então, numa situação em que, de um lado, há neo-ateus querem demonstrar, a todo custo, que a Humanidade inteira (menos eles próprios, entende?) é composta de mentes-robôs governadas por um cérebro maquínico que emite pensamentos em ebulição feito água fervente (pois o pensamento é produto aleatório e caótico da evolução biológica) Vide: Daniel C. “Demmentt” https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&ved=0CDEQFjAA&url=http%3A%2F%2Fpt.wikipedia.org%2Fwiki%2FDaniel_Dennett&ei=aLUBUbbqDoy89QSDkoGIDg&usg=AFQjCNHWxM3pP4AnToJEeeXpsNPy1fUgbQ&bvm=bv.41524429,d.eWU e de outro lado há pesquisadores da Psicologia Transpessoal que contrariam como podem essa corrente “neoliberal mecanicista” que pretende internar os seres humanas dentro da verdadeira MATRIX que estão preparando prá nós. Vide:
      —> A ERA DAS MÁQUINAS ESPIRITUAIS, de Ray Kurzweil
      —> A.I. – INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL (filme)
      —> SUBSTITUTOS (filme)

  • alfredo soares:

    Todas as informações sobre este assunto estão no livro SONHOS LÚCIDOS de Carlos Castanheda

    • SomDe Rocha:

      Só pra completar: o livro de Carlos Castaneda é: A Arte do Sonhar.
      Sonhos Lucidos, é um livro da dicipula dele, Florinda Donner-Grau.

      Abraços à todos.

  • Thiago Regina:

    Interessante! sempre consegui controlar meus sonhos.
    É uma sensação diferente quando você está em um sonho e dentro do mesmo percebe que é um sonho, ainda mais quando o sonho está bom!

  • BlackZ:

    Artigo interessante. Porem, ressalto que não basta estar lúcido para controlar os sonhos.

    Falando por experiência própria, aparentemente aquilo que sonhamos quando estamos lúcidos são fruto das nossas expectativas. Se você acredita que algo vá acontecer, então ele vai acontecer.

    Por isso, ao controlar essas expectativas, conseguiremos facilmente controlar o sonho lúcido. Não chega a ser difícil, mas é menos fácil do que parece – especialmente quando inseguranças e medos entram em cena.

  • Germano:

    eu pratico essas técnicas de sonhos lúcidos a algum tempo
    mais até hoje tenho muita dificuldade em faze-lo
    quando eu consigo acontece a “paralizia do sono”
    e como o altor disse … é aterrorisante

Deixe seu comentário!