Super Terra recém-descoberta é candidata importante a ter desenvolvido vida

Por , em 24.09.2012

Um estudo feito pela Universidade Joseph Fourier em Grenoble (França) descobriu uma super Terra, um exoplaneta chamado Gliese 163c, que se encontra na borda da “zona habitável” de sua estrela (distância necessária de seu “sol” para que possa existir água líquida), entrando para o “top 5” de exoplanetas conhecidos até agora que deve conter vida.

Uma equipe internacional de astrônomos estudou cerca de 400 estrelas anãs vermelhas com o telescópio HARPS no Observatório Europeu do Sul no Chile.

Foi assim que eles identificaram Gliese 163c, planeta com uma massa de 6,9 vezes a da Terra e um período orbital de 26 dias. Sua estrela “mãe” é uma anã vermelha, que fica a 49 anos-luz de distância na constelação de Dorado, a Gliese 163.

Além de Gliese 163c, mais um planeta alienígena orbita a estrela. A equipe descobriu indícios de um terceiro planeta, ainda não confirmado.

Segundo o pesquisador Xavier Bonfils, há uma grande variedade de estruturas e composições que permitem que Gliese 163c seja um planeta habitável, mas também existem várias combinações possíveis para cenários inabitáveis.

No momento, pouca coisa pode ser sugerida sobre o planeta. Ele pode ser rochoso, ou pode ser um gigante gasoso. “Planetas com essa massa podem ser terrestres, aquáticos ou parecidos com Netuno”, diz Bonfils.

Gliese 163c também pode ter um tamanho compreendido entre 1,8 e 2,4 raios terrestres, dependendo se for composto principalmente de rocha ou de água, respectivamente. Ele recebe em média 40% a mais de luz de sua estrela mãe do que a Terra do sol, tornando-o mais quente. No entanto, é mais escuro que a Terra por conta da órbita.

Bonfils apontou que há uma chance de cerca de 2% que Gliese 163c passe entre sua estrela e o nosso sol a partir da perspectiva da Terra. Se assim for, os cientistas podem ser capazes de colher mais informações sobre o planeta.

Top 5

O Laboratório de Habitabilidade Planetária (PHL, na sigla em inglês), da Universidade de Porto Rico em Arecibo mantém um catálogo dos mundos alienígenas (fora do nosso sistema solar) que considera bons candidatos a abrigar vida. O recém-descoberto Gliese 163c ocupa o quinto lugar dessa lista.

Dos seis planetas na lista, quatro foram encontrados no ano passado: Kepler-22b, Gliese 667Cc, HD 85512b e, claro, o Gliese 163c.

“A maioria destes planetas estão relativamente perto, por isso podemos esperar encontrar melhores candidatos ainda mais perto conforme nossa sensibilidade tecnológica melhorar”, disse Abel Mendez, do PHL.

Para classificar os planetas como habitáveis, Mendez e seus colegas os comparam com o único planeta conhecido que abriga vida: a Terra. A comparação inclui massa, diâmetro e temperatura, porém, alguns desses itens são difíceis de medir.

A temperatura de planetas alienígenas, por exemplo, é difícil de estimar porque é fortemente influenciada pelas características atmosféricas, sobre as quais os cientistas não sabem muito ainda – para tanto, precisam de melhores telescópios.

Gliese 163c, por exemplo, pode ter um oceano agradável com uma atmosfera 10 vezes mais densa que a da Terra, com um céu rosa, coberto de nuvens. Nesse cenário possível, o planeta teria 60 graus Celsius, temperatura muito quente para a existência prolongada de plantas ou animais complexos, mas que alguns micróbios poderiam tolerar. Também é possível que Gliese 163c seja muito quente para qualquer forma de vida.[MSN, SCINews, Slate]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • HFC:

    A idade do planeta e do sistema estelar pode indicar que vida já existiu neste planeta, mas investigar vida extinta é extremamente mais complexo do que investigar um sistema que tenha vida organizada e razoavelmente abundante.

  • Richard Barros:

    É lamentável vermos bilhões de dólares sendo gastos para encontrar vida extraterrestre, enquanto vemos a miséria e a falta de cuidado que os ditos “HUMANOS” têm para com o seu próximo. Cadê a ONU? Olhando para a África e outros países subdesenvolvidos, onde a miséria e as condições de vida subumana sempre será usada como máquina eleitoral de uns poucos metidos a espertos, é realmente uma vergonha! Se os governos se juntassem poderiam acabar com a fome no mundo, isso sim seria pra mim um marco “HISTÓRICO”, ir a lua ohhhh!, Ir a marte ohhhh! Que tal sair do mundo da lua e ir a favela levar alimentos? Vamos ser realistas! Se uma nação extraterrestre existir e estiver em condições de viagens interestelares poderiam estar buscando formas de subsistência, alimento, água etc., encontrar uma destas civilizações talvez fosse a extinção da vida terrestre, pois seres mais desenvolvidos viriam como conquistadores, pois nós presenciamos em nossa história centenas de guerras onde o objetivo é sempre o mesmo, “EGOÍSMO E GANÂNCIA” porque achar que encontraríamos algo diferente lá fora? Quando aqui vemos pessoas morrendo aos milhares com “FOME” meu Deus! Ajude-me a entender que mundo é esse? onde os governos gastam bilhões com realizações como a Copa do mundo, Olimpíadas, Jogos de inverno e outras comemorações “EGOÍSTAS” dos seres que se dizem “HUMANOS”. Por favor, reflitam e mudem enquanto ainda “HÁ TEMPO”.
    Para estas pessoas eu desejo tudo de bom, encontrem os extraterrestres que tanto procuram e sejam bem felizes! Como animais de estimação e gado de corte.

  • digiomni:

    Observatório Europeu do Sul no Chile. O.o agora o chile virou europeu ?

    Quanto a vida é impossivel dizer que mesmo água possa trazer vida no fim acaso do destino é nós existirmos, por mais que água tenha sido nossa condição primaria para nossa vida podem existir vida inclusive inteligente baseado em outros compostos, quem sabe algum acido ? com células baseadas em silício, quem sabe até uma forma de vapor que raciocina apenas se utilizando de processos químicos nosso cérebro pensa e sente apenas por processos quimicos esse vapor poderia ser uma única massa uniforme em todo o planeta.
    a vida pode assumir muitas formas não precisa assumir necessariamente forma humana ou animal muito menos plantas por isso penso até que mesmo em marte vida possa existir afinal o que é ela mesmo como podemos dizer e limitar a noção do que é vida talvez seja hora de rever nosso jeito de pensar

    • HFC:

      O observatório é da ESO (European Southern Observatory), e apesar de estar no Chile, foi construído por uma organização européia e é dirigido pela mesma. Há um único país sul-americano que faz parte da ESO – que é o Chi … BRASIL!!!
      Pode se espantar o quanto quiser …
      Quanto a vida, são interessantes suas especulações, contudo, há alguns problemas a se verificarem, como em quais condições quais elementos poderiam repetir processos semelhantes ao dos compostos carbônicos autoreplicantes que estruturam a vida como a conhecemos. A particularidade da preferência pela água, é que ela é a segunda molécula mais comum no universo(perdendo apenas para o hidrogênio molecular), o que faz em princípio, as ZH’a hoje pesquisadas como maiores probabilidades para existência de vida. Isso não exclui a possibilidade de sistemas mantidos por outras fontes de calor longe das apostas iniciais de ZH (satélites galileanos tem uma probabilidade interessante de possuir vida, mesmo estando fora da ZH de nosso sistema).

  • Andre Luis:

    Grande parte dos recursos financeiros de vários países, são destinados a guerra e a destruição. Se esse mesmo dinheiro fosse usado para investir em vida, alimentação e recursos para todos os seus habitantes, sem dúvida que com apenas um resto de tudo isto, destinado a exploração espacial e pesquisas, já teriamos melhores equipamentos e consequentemente, teriamos muito mais informações sobre este planeta por exemplo!

    • Duda Weyll:

      Perdoe-me se pareço reacionário, mas da manipulação de metais às naves espaciais e internet são tecnologias desenvolvidas para a guerra. Recursos para o bem-estar social existem, de sobra, mas a corrupção e incompetência organizacional contribuem muito mais para esse cenário atual.

    • Jonatas:

      As Agências espaciais a muito tempo patinam na dificuldade de recursos pra pôr em órbita telescópios procuradores de planetas, bem como a exploração do Sistema Solar exterior, onde mundos como Europa e Titã chamam pra uma visita astrobiológica.
      Mas nesse cenário de crise econômica, surgiu algo de potencial muito positivo: cooperação. Um bom exemplo desse potencial foi a missão NASA-ESA Cassini Huygens lançada em 97, a Saturno e Titã, muito bem sucedida e superando espectativas.

Deixe seu comentário!