União Europeia propõe a proibição de “shark finning”

Por , em 28.11.2011

A União Europeia propôs uma proibição geral da remoção das barbatanas de tubarão, prática conhecida como shark finning, em que as barbatanas dos tubarões são cortadas, muitas vezes enquanto os animais ainda estão vivos, e seus cadáveres jogados no mar.

A Comissão Europeia apresentou o projeto de lei proibindo essa prática em todos os navios que pescam nas águas da UE, e em todos os navios da UE registrados em qualquer lugar do mundo.

As propostas pretendem fechar uma brecha nas regras da EU, que proíbem shark finning, mas permitem que os pescadores tenham pedaços de tubarão em seus barcos, incluindo as barbatanas valiosas, desde que cumpram com uma relação peso/carcaça de 5%.

Grupos de conservação de tubarões fizeram campanha durante anos contra essa relação, dizendo que permite que os pescadores europeus despejem um grande número de carcaças de tubarão no mar a cada ano.

“Ao fechar a brecha na nossa legislação, queremos erradicar a prática horrenda do finning e proteger os tubarões de uma forma muito melhor”, disse Maria Damanaki, chefe de pescarias da UE.

Segundo as propostas, os pescadores teriam de chegar em terra com os tubarões inteiros, com as suas barbatanas anexas, embora eles sejam autorizados a fatiar o animal, em parte, para facilitar o armazenamento e manuseio.

O projeto de regras deve agora ser aprovado pela maioria dos governos da UE no Conselho Europeu e legisladores no Parlamento Europeu antes de se tornar lei.

“Uma proibição da remoção das barbatanas de tubarão trará benefícios significativos para a gestão da pesca de tubarões e conservação, não só na Europa, mas em todos os oceanos onde navios europeus pescam tubarões”, disse Allison Perry, do grupo de conservação Oceana.

Em 2009, pescadores da UE desembarcaram mais de 110 mil toneladas de tubarões e raias em todo o mundo. A Europa é a segunda maior capturadora de tubarões, atrás somente da Índia. Espanha, França, Portugal e Grã-Bretanha representam mais de 90% das capturas de tubarões da UE, com a Espanha responsável por mais de metade do total.

China é a maior importadora e consumidora mundial de barbatanas de tubarão, principal ingrediente da sopa de barbatana de tubarão. A UE é a maior fornecedora de barbatanas para a China.

A demanda crescente por barbatanas tem contribuído para um terço de todas as espécies de tubarão europeu sendo ameaçadas de extinção, por isso a proibição é tão necessária.[ScientificAmerican]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • renildo marques fernandes:

    estes costumes são dos lixos humanos retardados mentais quem vivem seculos passados, onde a burrice é costumes destes lixos humanos, e vem grupo asiatico dizer que brasil é que dizima os tubarões, e eles tem este costume que seja afrodiziaco, onde criam ursos e tiram sua bile para nada, vergonha da humanidade, retardados mentais

  • Gyver:

    Deixem lá os tubarões extiguirem-se á vontade que assim uma pessoa já pode ir para o mar descansada sem ter medo de ficar sem um braço ou perna.

    • Euzinho:

      Pois é, será muito bom nadar sem medo de ser mordido por um tubarão.

      É claro… a chance de ser atingido por um raio é pelo menos 4 vezes maior, mas isso não importa, chances remotas são mais importantes que preservação ambiental.

      É claro… tubarões comem águas-vivas, então na verdade trocaríamos uma chance quase nula de ser mordido por uma quase certeza de ser ferroado por uma água-viva toda vez que fossemos nadar, devido à explosão populacional das mesmas… mas enfim, águas-vivas não matam, tubarões matam! Mesmo que seja menos de 15 pessoas por ano, no planeta inteiro, a maioria da qual se arriscou desnecessariamente em áreas perigosas ao invés das praias…

      É claro… algumas espécies de águas-vivas podem de fato matar, não só por reações alérgicas como praticamente toda espécie, mas com toxinas poderosas… e de fato, matam mais pessoas anualmente do que os tubarões, então extingui-los tiraria de nós a preocupação de levar uma mordida, que na grande maioria dos casos não causa nenhuma sequela permanente, e nos deixaria em pânico com a possibilidade de morrer devido ao ataque de um animal que se torna praticamente invisível na água e que pode ocorrer não só em águas mais rasas do que um tubarão poderia atacar, mas até mesmo na areia ao pisarmos em uma…

      E claro, já que estamos falando de praia, seria bom cortamos todas aquelas palmeiras que frequentemente vemos nas praias, que assim uma pessoa já pode ir para a praia descansada sem ter medo de morrer com um coco lhe acertando a cabeça. Pois é, parece hilário, mas cocos na cabeça matam mais pessoas do que tubarões anualmente…

  • Marcos – DF:

    Olá a todos !
    É uma prática idiota, imbecil e absurda ! Mas como em tudo tem a ganância, duvido que esta lei vá ser respeitada.
    O que tinha que ser feito era banir de vez esta prática.
    Abraços

  • Gabriel.¿:

    POVO IDIOTA

  • Renan:

    Inacreditavel que ainda existia crueldades como está! INACREDITAVEL. Simplesmente um absurdo oque eles faziam, a humanidade agradece a aprovação dessa lei.

  • Xico:

    Ainda bem que foi proibido, ato grotesco e bárbaro! Esse tipo de coisa não pode mais ser aceito na nossa sociedade!

Deixe seu comentário!