Gênio da física explica sua teoria radical para visitarmos outros universos

Por , em 28.11.2016

Será que somos (ou seremos, algum dia) capazes de viajar para outros universos? Existem muitas maneiras diferentes de um multiverso poder existir. O físico da Universidade de Columbia e principal teórico do campo das cordas, Brian Greene, explica no vídeo abaixo como poderíamos fazer isso – ou como, segundo ele, já fazemos.

Cientista diz que encontrou prova da existência outros universos

Greene explica que a resposta para essa pergunta depende do tipo de multiverso que estamos imaginando. Ele fala sobre duas possibilidades: em uma delas, teriam havido múltiplos Big Bangs, que teriam criado múltiplos universos, e viajar de um universo para outro seria impossível, porque nós não podemos sair do nosso universo. “Sair do nosso universo para ir até outro universo (nesse caso) seria basicamente voltar no tempo até antes do Big Bang que criou o nosso universo, e isso é algo que eu não acho que nós possamos fazer”, explica.

Buracos negros podem ser portais para outros universos

A outra possibilidade parece mais promissora, e vem da física quântica. A física quântica diz que a teoria só pode prever a probabilidade de uma possibilidade ou de outra: um elétron tem 50% de chances de estar nessa posição e 50% de chances de estar em outra posição. A questão é, se você mede a posição de um elétron e encontra ele na primeira posição, o que acontece com o outro elétron? “Uma proposta é que ele realmente existe, mas em outro universo. Todas as possibilidades descritas pela matemática da física quântica podem realmente acontecer, elas apenas acontecem em universos diferentes”, propõe.

5 motivos pelos quais devemos estar em um multiverso

É aí que as coisas ficam divertidas. Greene pergunta novamente: será que podemos viajar de um universo a outro? “Bom, o interessante é que, caso essas ideias estejam corretas, nós já viajamos, porque a possibilidade de irmos para a direita ou para a esquerda, de dizermos sim ou não, são desfechos quânticos ou processos físicos possíveis. Então, se tudo acontece, cada uma dessas opções aconteceu. Então, hoje pela manhã, quando você estava decidindo se comia panquecas ou ovos, bom, você comeu os dois. Panquecas em um universo, ovos em outro. Nesse sentido, você está constantemente viajando entre estes universos diferentes, porque cada possibilidade está sendo realizada por você nestes reinos diferentes”. Loucura, não é? Caso queira, veja o vídeo abaixo (em inglês), no qual Greene explica as coisas de forma mais visual[Business Insider]:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (16 votos, média: 4,88 de 5)

6 comentários

  • Jóquei de Pégasus:

    Gênio burro. Não existem universos, mas sim Universo, aquele que engloba tudo que existe sensivelmente ou hipoteticamente.

  • Gabe:

    Na verdade já tem uma teoria sobre isso… Que somos holagramas (do futuro, de algo que já aconteceu, ou outra coisa, não lembro direito…)

  • José Eduardo:

    Acredito que a nossa realidade possa ser apenas uma interpolação tridimensional holográfica, onde somos separados apenas pela frequência onde mudamos de estado físico para energético e visse-versa.

    • Cesar Grossmann:

      …seja lá o que isso for. Por que não faz sentido algum para mim.

    • eber:

      Disse Tudo!!! Só que também não entendi.

    • José Eduardo:

      A separação pela frequência séria a taxa de atualização do tecido espacial. Nesse aspecto a matéria finita poderia torna-se infinita

Deixe seu comentário!