Vício em cafeína é associado a dois genes

Por , em 8.04.2011

Os genes já foram culpados por todo o tipo de coisa. Próximo fator dessa lista: gosto por café.

Segundo um novo estudo, ser viciado em cafeína é em parte determinado pelos genes. Dois deles – envolvidos na degradação da cafeína no fígado – foram associados com a quantidade de cafeína que as pessoas consomem.

Inesperadamente, o estudo não encontrou uma forte ligação entre o consumo de cafeína e os genes envolvidos na resposta do cérebro a cafeína. O fígado, mais do que o cérebro, determina a ingestão diária de cafeína de uma pessoa.

Os resultados sugerem que as pessoas que bebem mais cafeína são as mais capazes de “tolerá-la”. Ao invés de beber cafeína para se sentir bem (uma resposta no cérebro), seu consumo é estabelecido pela rapidez com que seu fígado quebra a cafeína – quanto mais rápido, mais você bebe.

O café (e outras substâncias com cafeína) são muito populares. Descobrir o que influencia este hábito é útil. Com moderação, a cafeína tem resultados positivos; pode combater o declínio cognitivo, por exemplo. Mas em excesso pode prejudicar a cognição, causar insônia e até alucinações.

Os pesquisadores digitalizaram os genes de mais de 47.000 indivíduos. Os participantes responderam a perguntas sobre a quantidade de café, chá, refrigerante e chocolate que consumiam.

Os cientistas identificaram dois genes, CYP1A2 e AHR, associados com a ingestão de cafeína. Todo mundo tem esses genes, mas algumas pessoas têm variações mais ativas. Pessoas com as versões mais ativas destes genes bebem cerca de 40 miligramas de cafeína a mais do que os outros.

O método utilizado para encontrar esses genes, conhecido como estudo de associação do genoma, procura genes ligados a uma doença ou hábito de uma forma completamente imparcial. Isto significa que os pesquisadores entraram no estudo sem uma ideia preconcebida do que iriam encontrar.

O gene CYP1A2 também está envolvido na degradação de muitos produtos químicos, incluindo substâncias cancerígenas. O próximo passo da pesquisa é ver se as variações deste gene também influenciam o risco de uma pessoa ter câncer.

Além disso, os pesquisadores vão investigar se as pessoas que não bebem cafeína também possuem variações genéticas. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 1,00 de 5)

2 comentários

  • luciana:

    Com certeza:

    pode combater o declínio cognitivo
    Fico bem mais esperta depois do cafézinho, do café com leite quente, da média com pão e manteiga.

  • FELIPE:

    Acho que meu organismo é viciado em café. Seu eu pelo menos não tomar um copo de café na parte da manhã, pode esperar que à tarde me da uma dor de cabeça forte. É horrivel 0_0

Deixe seu comentário!