Você já ouviu falar no Etanol de trigo?

Por , em 25.07.2010

O trigo é um alimento milenar, largamente utilizado na alimentação ocidental há milhares de anos, mas ainda estão descobrindo novas utilidades para ele. Nessa era de busca por alternativas para combustíveis, qual não foi a surpresa de um instituto de biotecnologia de Kalundborg, Dinamarca, quando eles conseguiram fabricar etanol a partir da palha do trigo!

A produção desse novo tipo de etanol já passou da fase de testes, e a empresa dinamarquesa quer montar uma refinaria exclusivamente dedicada à produção do “Etanol de biomassa”. A grande vantagem da produção de Etanol a partir da palha de trigo é que não é necessário haver combustíveis fósseis (sim, geralmente a matéria-prima para o Etanol é a cana-de-açúcar, carro-chefe da produção brasileira, por exemplo, mas é preciso haver combustíveis fósseis durante a produção) no processo. A celulose do trigo, encontrada na molécula interna chamada Lignina, é o local de onde se extrai o etanol.

Para fornecer energia à própria refinaria, a empresa deu outra grande jogada de sustentabilidade: vão utilizar o vapor rejeitado da Asnaes, maior usina energética da Dinamarca, para colocar a sua própria em funcionamento. Essa “parceria” entre as duas usinas vai permitir com que se produza energia elétrica e combustível de etanol ao mesmo tempo, e de maneira limpa, já que os rejeitos poluentes de uma são usados como combustível para a outra. Nem todos os rejeitos poluentes serão utilizados, mas os especialistas falam em no mínimo 70% do aproveitamento desse material. Assim, será uma usina “quase neutra”, ambientalmente falando.

Dessa forma, o Etanol produzido poderá ser um eficiente substituto para a gasolina, que é mais poluente e está se tornando a cada dia mais cara, escassa e disputada. Além disso, a produção deixa Lignina (a fibra do trigo) sólida, que também é um combustível e pode substituir o carvão mineral, que tem as mesmas desvantagens de qualquer combustível fóssil.

Atualmente, essa refinaria dinamarquesa é a única em funcionamento no mundo usando a celulose (e sua produção é de 5,2 milhões de litros anuais – pouco perto do que se produz de outras fontes energéticas), mas três usinas nos Estados Unidos já fazem planos para adotar o mesmo método. Ao que parece, a crise energética que os ambientalistas previram, se existir, será amenizada. [Daily Tech]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • Espedito:

    Essa ideia eu já tinha ouvido falar em 2009 em Piracicaba/SP em um congresso de Etanol, tem outras plantas que produzem muito mais biomassa que o trigo, a Petrobras tem estudos nessa area e se não me engano ainda existem muitos complicadores que oneram a produção de energia a partir de biomassa. Um deles é o custo internacional das enzimas – ou catalisadores biológicos – usadas na produção de energia, que oscilava em 2008 entre US$ 0,30 a US$ 0,50 por galão de etanol. O gargalo do negócio são os benditos catalizadores biológicos. O negócio vai funcionar mais ou mentos assim, a celulose por ser é um polímero de glicose, é uma molécula grande e complexa. O catalizador vai agir na molécula de celulose e transforma-la em um xarope de glicose. O catalizador vai fazer com que a ligação entre uma glicose e outra seja rompida, e aí você tem então a glicose livre para ser fermentada e fazer o etanol. Abraços!

  • Rosângela:

    Sorry!!!!!! “problemas ambientais”.

  • Rosângela:

    Adoro quando o homem trabalha em projetos visando amenizar problemas ambientes.
    Sensacional!!!! “já que os rejeitos poluentes de uma são usados como combustível para a outra”. Uma usina “quase neutra” é melhor do que nenhuma.
    Excelente Rafael.

  • Thiago_czz:

    esse negócio de falar que tem gente morrendo de fome virou meme aqui né? ô trollagenzinha chata do capeta…

  • Lucian:

    “Enquanto isso milhares de pessoas morrem de fome…”
    acho que Eartha não leu o texto…

  • Eartha:

    Enquanto isso milhares de pessoas morrem de fome…

Deixe seu comentário!