Vacina de HPV funciona? Previne câncer? É segura?

Publicado em 4.07.2013

vacina de hpv funciona e é segura

A vacina de hpv, que atua contra o papilomavírus humano (HPV), tem atraído a atenção desde semana passada por dois motivos contraditórios: o governo japonês retirou sua recomendação para tomar a injeção, enquanto as autoridades de saúde pública nos Estados Unidos atribuíram a queda acentuada na prevalência do vírus entre adolescentes ao seu uso.

E aí? Será que os benefícios da vacina superam seus riscos?

A decisão do governo japonês é o resultado de 1.968 casos notificados de possíveis efeitos colaterais, 43 dos quais foram examinados por uma força tarefa do Ministério da Saúde. Desde 2010, 3.280.000 mulheres japonesas receberam a vacina contra o papilomavírus humano.

Nos Estados Unidos, por outro lado, apenas cerca de um terço das mulheres jovens recebem o programa completo da vacina, em três doses.
Aqui no Brasil, o Ministério da Saúde anunciou esta semana que o SUS passará a oferecer vacina contra o HPV a partir de março de 2014, para meninas de 10 e 11 anos, sempre com a autorização dos pais ou responsáveis. A meta é vacinar 80% desse público-alvo. De acordo com o ministério, serão investidos R$ 360,7 milhões para adquirir 12 milhões de doses.

Separamos perguntas frequentes para tentar sanar as dúvidas de todos:

Será que a vacina de hpv previne a infecção com o vírus?

Ambas as vacinas de papilomavírus humanos (Gardasil e Cervarix) têm demonstrado uma redução na taxa de infecção do vírus por mais de 90%. Esta redução é mantida por pelo menos cinco anos.

O problema é que, para que a vacina seja eficaz , precisa ser aplicada em pessoas que não foram expostas ao vírus. É por isso que a vacina é administrada a meninas de 12 a 13 anos de idade na Austrália e 14 a 19 anos de idade nos Estados Unidos.

A vacina pode provocar outros tipos de HPV?

Os ensaios clínicos têm demonstrado que ambas as vacinas contra o HPV fornecem proteção significativa contra outros cinco tipos oncogênicos: 31, 39, 45, 59 e 86. E a vacina Cervarix também protege contra os tipos 33 e 52.

A força e duração do efeito sobre outros tipos de HPV ainda estão sendo estudados.

A vacina previne o câncer de colo do útero?

Ainda não é possível responder com convicção esta questão, porque as vacinas de papilomavírus humanos só foram amplamente utilizadas na Austrália desde 2007, e internacionalmente desde 2006.

O vírus leva entre 10 e 20 anos a partir da infecção inicial para o desenvolvimento de cancro. Assim, o efeito direto da vacinação sobre as taxas de câncer do colo do útero é difícil de avaliar por enquanto.

Mas podemos vislumbrar um efeito olhando para os sinais de alerta do câncer de colo do útero – lesões pré-cancerosas chamadas neoplasia intra-epitelial cervical. As lesões de grau 2 e 3 são consideradas bons marcadores de câncer cervical porque eles são susceptíveis de evoluir para a doença 5% e 12% do tempo, respectivamente.

A vacina reduz estes dois tipos de lesão pré-cancerosa em mais de 99%. E os dois tipos de HPV abrangidos pela vacina estão ligados a cerca de 70% dos cânceres cervicais.

Isto sugere que um declínio significativo no câncer de colo do útero será observado na próxima década. Infecção por vírus do papiloma humano também tem sido associado a um número de outros cancros, tais como os do pênis (40% estão associadas ao HPV), da vulva ou vagina (40%), do ânus (90%), da boca (3%) e orofaringe ( 12%).

A vacina é segura?

Esta é provavelmente a pergunta mais frequente.

Como qualquer outro procedimento médico, essa vacina pode ter efeitos colaterais. Mas estes são em grande parte reações no local da injeção (vermelhidão, inchaço e dor no local da injeção).

Algumas outras pequenas reações, que desaparecem sem tratamento, tais como desmaios, dor de cabeça e náuseas também já foram relatadas.

Ensaios clínicos envolvendo mais de 44 mil mulheres não mostraram diferenças em efeitos colaterais graves entre as vacinas de papilomavírus humanos e grupos de controle. Mas o monitoramento da segurança das vacinas não para quando acabam as pesquisas. Uma vigilância pós-comercialização continua a examinar os possíveis efeitos colaterais da vacina. Também não há evidências de uma ligação entre a vacinação contra o papilomavírus humano e doenças auto-imunes.

E para o futuro, quais são as novidades?

O corpo crescente de pesquisa de campos, incluindo imunologia, virologia, saúde pública e epidemiologia, entre outros, devem ajudar a comunidade, incluindo médicos e pais, a ter a certeza sobre os benefícios da vacina contra o papilomavírus humano.

No momento, a conclusão é de que esses benefícios superam os seus riscos, e ainda existem mecanismos para continuar a acompanhar quaisquer situações negativas no futuro.[MedicalXpress]
[G1]

Autor: Ana Claudia Cichon

é jornalista e curitibana, que agora tenta a vida em São Paulo. Apaixonada, doente e viciada por futebol, do tipo que troca o aniversário da mãe ou do namorado para ir ao estádio.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

2 Comentários

  1. Esses efeitos colaterais verificados no Japão me chamaram a atenção, ao que me parece ainda não são conhecidos todos os efeitos dessa vacina, pelo menos por nós leigos. O que me veio à mente, na década de 80, houve um presidente nos EUA, que deliberadamente resolveu eliminar mendigos de seu país, sob alegação de recolhê-los para abrigos e tratá-los, só que isso custaria muito pro estado, aliado ao fato que era necessário vender uma imagem pro mundo que seu país tinha conseguido erradicar a miséria obsoluta, matava-os. Fica no ar uma pergunta, há algum outro interesse por trás dessa vacinação em massa, sabemos que quem mais é atingido com essas campanhas do ministério da saúde, é a população menos esclarecida e menos favorecida. Será que estão plantando agora pra colher no futuro, digo, as meninas de hoje são as mulheres de amanhã, será que teremos uma população de mulheres estéreis nas camadas mais inferiores da sociedade? Tudo que vem deles, eu desconfio.

    Thumb up 4
  2. A resposta será respondida daqui a 10-20 anos com a redução do câncer de colo do útero. No Japão devido aos efeitos colaterais ela foi suspensa até segunda ordem!

    Thumb up 2

Envie um comentário