As 8 descobertas arqueológicas mais apavorantes

Publicado em 20.04.2011
No mundo da arqueologia, lidar com fragmentos de ossos e outras lembranças de pessoas que estão há muito tempo mortas é uma atividade corriqueira. Mesmo assim, algumas descobertas superam a barreira do aceitável e remetem a fatos horríveis de vidas – e, principalmente, mortes passadas. Eis a lista das oito principais descobertas arqueológicas que mais nos dão arrepios:

1 – Neanderthais canibais

Por mais distantes que pareçamos, nós e os neandertais somos próximos o suficiente para que a revelação a seguir soe muito sinistra. Em 2010, pesquisadores relataram a descoberta dos esqueletos de uma família de neanderthais em uma caverna na Espanha. O que torna a descoberta tão deprimente é que os ossos apresentavam sinais de canibalismo.

As três mulheres adultas, três homens adultos, três adolescentes, duas crianças e um bebê podem ter sido a refeição do dia para um outro grupo de neandertais – seres humanos como nós ainda não habitavam a Europa nesta época. Esta família não é a única evidência de canibalismo neanderthal, de acordo com os arqueólogos. Parece que quando a situação ficava difícil, os neandertais não hesitavam em contar com a ajuda – a carne – de seus semelhantes.

2 – Criança queimada no Alasca

Cerca de 11.500 anos atrás, uma criança de três anos foi queimada e enterrada em uma lareira no centro do Alasca. Após a cremação, a casa que abrigava foi abandonada.

O corpo solitário – na realidade, fragmentos ósseos carbonizados, que foram encontrados ainda dispostos da mesma forma como estavam quando o fogo se apagou – atingiu em cheio o emocional dos seus descobridores: o arqueólogo da Universidade do Alasca, Ben Potter e antropólogo odontológico Joe Irish. Ambos os investigadores são pais de crianças com aproximadamente a mesma idade que aquela encontrada no Alasca tinha quando morreu.

“Isso foi muito marcante para nós dois – pensar, além do aspecto científico, que esta era uma vida, um ser humano tão jovem que morreu”, conta Potter.

3 – O mistério da tumba

Sepultado, desenterrado, queimado e re-enterrados: esse foi o destino pós-morte do meio-irmão de Alexandre, o Grande e seu sucessor, Filipe III Arrhidaios, de acordo com textos históricos. A questão é: os arqueólogos realmente encontraram o que restava do homem após tudo o que fizeram com ele?

Um túmulo real na Grécia contendo os ossos queimados de um homem e de uma jovem mulher pode ser o lugar de descanso de Filipe III e de sua jovem esposa e rainha guerreira Eurídice. Eles foram, respectivamente, mortos e forçado a cometer suicídio pela madrasta de Filipe III, Olímpia, mãe de Alexandre, o Grande.

Mas alguns pesquisadores argumentam que o homem sepultado é na verdade Filipe II, pai de Alexandre, o Grande. Isso faria da mulher na tumba, Cleópatra, a última esposa de Felipe II (Não confundir com a famosa rainha egípcia. Essa Cleópatra, no entanto, também teve um fim trágico: ela foi ou morta ou forçada a cometer suicídio pela mesma Olímpia, que, você já deve estar imaginando, não era flor que se cheirasse).

O debate ainda permanece se o túmulo é o lugar de descanso final de Filipe II ou III. O mais recente ponto do debate científico é se os ossos foram queimados secos ou cobertos de carne e vísceras.

4 – Expedição mal-sucedida

A busca da lendária Passagem do Noroeste – o caminho pelo norte do Canadá até o Alasca, a oeste – ceifou muitas vidas, incluindo a dos 129 exploradores que buscavam uma rota marítima pelo Ártico em 1845. Liderados pelo contra-almirante britânico Sir John Franklin, a tripulação condenada caminhou em direção ao desconhecido gelado, onde todos iriam morrer principalmente de fome, escorbuto e hipotermia.

Para piorar, muitos dos resquícios dos homens mostram vestígios de envenenamento por chumbo, provavelmente a partir de alimentos enlatados que estavam comendo. Altos níveis de chumbo no organismo podem causar fraqueza, vômito e convulsões.

Os primeiros mortos receberam um enterro adequado – mesmo que raso. Mais tarde, à medida que mais e mais exploradores morriam, dizem os pesquisadores, os corpos não eram mais enterrados – alguns podem ter sido canibalizados. Poucos corpos foram identificados, apesar das tentativas de reconstrução facial, como visto acima.

5 – Antiga guerra química

As guerras antigas era uma questão complicada, mas um grupo de 20 ou mais soldados romanos podem ter encontrado uma morte particularmente desagradável quase 2 mil anos atrás. Durante um cerco à cidade síria de Dura, tomada pelos romanos, soldados persas cavaram túneis sob os muros da cidade em uma tentativa de enfraquecê-los. Os romanos resolveram cavar seus próprios túneis, na tentativa de interceptar os persas. Estes, porém, perceberam o plano do inimigo e, de acordo com alguns arqueólogos, e prepararam uma armadilha terrível: uma nuvem de fumaça petroquímica nociva, que teria transformado os pulmões dos romanos em ácido.

Os túneis foram escavados primeiramente nos anos 20 e 30 do século passado e estão sendo reescavados agora. Alguns arqueólogos modernos acho que a colocação dos esqueletos e a presença de cristais de enxofre e betume sugerem uma guerra química. Em todo caso, o gás de asfixia teria sido “a fumaça do inferno”, opina o arqueólogo Simon James, da Universidade de Leicester, Reino Unido.

6 – O primeiro leproso

A lepra, hoje conhecida como hanseníase, possuía há muito tempo um estigma. A doença não é muito contagiosa, mas os leprosos foram banidos e desprezados ao longo da história, em parte devido às feridas causadas pela doença.

Um achado arqueológico sugere que o estigma que envolve a hanseníase começou bem antes do imaginado. Um esqueleto de 4 mil anos, descoberto na Índia, é a mais antiga evidência arqueológica conhecida da hanseníase. O fato de que o esqueleto sobreviveu sugere que a pessoa em questão era um pária: a tradição hindu manda cremar os mortos – apenas aqueles considerados inaptos são enterrados. O esqueleto foi encontrado em uma caixa cheia de pedra junto com as cinzas de estrume de vaca queimado – acreditava-se, naquela época, que a substância era sagrada e purificante.

7 – O guerreiro leproso

Os leprosos nem sempre foram universalmente desprezados. Na Itália medieval, eles podem até ter entrado para o exército e lutado em batalhas. Um esqueleto descoberto recentemente em um cemitério medieval italiano traz os sinais indicadores da hanseníase, bem como o que parece ser um golpe de espada. O homem, que pode ter morrido em combate, foi sepultado com seus companheiros.

Outros túmulos no cemitério são igualmente macabros. Pelo menos dois continham os corpos de homens que tinham sobrevivido trauma na cabeça, incluindo o que parece ser uma ferida de machado durante uma batalha. Um homem, provavelmente ferido por uma clava, parece ter sido submetido a uma versão medieval de cirurgia cerebral após a lesão.

8 – Acrobata em sacrifício

Provas de sacrifício humano já foram encontradas em todo o mundo, mas a descoberta de um possível local de imolação, relatada em 2008 pela revista Antiguidade, parece particularmente bizarra. Em um prédio antigo no que hoje é a Síria, os arqueólogos encontraram uma estranha combinação de ossos humanos e animais. Três esqueletos humanos estavam lado a lado, sem cabeça. A julgar pelas lesões ósseas pouco comuns e pelas áreas de fixação superdesenvolvidas de ligamentos e ossos, os pesquisadores identificaram um dos esqueletos como um possível acrobata.

O edifício estava cheio de sujeira e abandonado depois que os corpos sem cabeça foram deixados lá, levando os investigadores a suspeitar de que os animais e os artistas se sacrificaram, talvez se deixando abater por uma catástrofe natural de algum tipo. Se a vida de artista hoje em dia não é fácil, imagina na Síria antiga. [LiveScience]

Autor: Bruno Calzavara

Bruno Calzavara é recém-formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e está de volta à equipe do Hype após dois anos. Adora todos os esportes, exceto futebol. Gosta de chocolate e de sorvete, mas não de sorvete de chocolate.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

42 Comentários

  1. Muito interessante sua matéria. Gostei mesmo!
    Mas, Bruno Calzavara, dá uma atenção pro seu português. Tem alguns erros de concordância ali que atrapalham a leitura.

    Thumb up 2
  2. Infelizmente eu tenho que descordar do primeiro leproso, a menos que eu veja outro artigo parecido. Pois os primeiros leprosos de que se tem notícia são de + ou – seis mil anos… Eu posso estar enganado, porém, a irmã de Moisés tem mais de 4 mil anos…

    PS: Ótimas matérias. Gostei muito…

    Thumb up 8
    • Já que vai usar a bíblia de base, pela mesma o planeta tem apenas 4 mil anos, então a irmã de Moisés não pode ter 4mil anos, uma vez que ela não estava presente no momento da criação.

      Thumb up 2
    • Dã, Moisés é uma lenda filhão, se liga!!

      Thumb up 4
  3. gostei muito da materia a respeito do canibalismo, talvez eu tambem nessa situação,comeria alguém .parabéns pela matéria

    Thumb up 6
    • por outro lado a matéria “PORTUGUÊS” não lhe fascina em nada né…..

      “maréria arqueologia” sempre mim …..

      amigo , esqueça arqueologia e se concentre no “Português”

      Thumb up 3
  4. Gostaria de enfatizar a inteligência da KATARINA.Realmente as observações que ela fez são excepcionais. PARABÉNS…ABRAÇOS!

    Thumb up 7
  5. Pois é, segundo o historiador judeu naturalizado cidadão romano, Flávio Joséfo,em Jerusalém nos aos 70 eC. durante o cerco de Jerusalém pelos soldados romanos, a fome chegou a tal ponto que as mães matavam seus filhos pequenos e os coziam para se alimentarem deles. É horrível ou não? “História dos Hebreus” por Flávio Josefo.

    Thumb up 11
  6. jornalista é um bicho superficial e por vezes maldoso.. tipo a mulher da janela cheia de preconceitos que espalha fofoca da vila inteira..rs

    Thumb up 4
  7. só pomos perconceitos a tudo isto porque não vivemos nessa epoca. se vivessemos nesse tempo provavelmente não achariamos tao horrivel tudo isto,porque afinal podiamos fazer igual ,ou pior .embora alguns possam dizer que nunca fariam tal coisa , à tanto tempo atras quem sabe.

    Thumb up 15
  8. Há outros exemplos de crianças queimadas. Na antiga Canaã, era comum sacrificar crianças ao deus Baal. Descobertas arqueológicas encontraram milhares de vestígios de crianças carbonizadas nesses rituais medonhos.

    Thumb up 10
  9. Olá a todos !
    Katarina, parabéns por suas observações !
    Também questiono várias das conclusões do estudo mas voce já as explicitou muito bem.
    A da criança queimada foi uma conclusão “Macgyveriana” por parte dos pesquisadores :-)
    Abraços a todos e Feliz Páscoa !

    Thumb up 6
  10. Realmente os comentários da Katarina são muito pertinentes.
    Em relação ao canibalismo entre “nehendertais” julgo que esse facto é aceite como uma realidade. Os indícios passam, não pelas marcas de dentes, mas sim pelos ossos cortados para lhes ser retirado o tutano.
    Não compreendo é o sensacionalismo da descoberta. Então actualmente não existem Homo sapiens sapiens canibais?

    Relativamente à criança queimada, o texto omite informações primordiais:
    1 – a criança foi cremada depois de morta, o que faz com que o facto nada tenha de apavorante
    2 – tratava-se de um povo nómada, daí terem abandonado a casa
    Tão simples como isso.
    Mas se passassem estas informações já não era uma notícia extraordinária.
    Por extrapolação, pergunto-me se os outros casos serão tão “precisos” como este.lolololol

    Thumb up 9

Envie um comentário

Leia o post anterior:
estacaoespacail
9 recordes espaciais

Você se lembra de qu...

Fechar