Desenhar pode indicar risco de derrame em homens mais velhos

Publicado em 13.05.2012

O químico e empresário sueco Alfred Bernhard Nobel (1833-1896), o ator inglês Alan Napier (1988) – mundialmente conhecido por sua interpretação de Alfred Pennyworth no seriado ‘Batman’ da década de 1960 – e o cineasta japonês Akira Kurosawa (1910-1998).

O que essas pessoas aparentemente tão diferentes têm em comum? Todas foram vítimas do acidente vascular cerebral (AVC), vulgo derrame.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o AVC é a segunda maior causa de mortes em todo o mundo, sendo responsável por quase 10% dos falecimentos anuais em todo o globo. Só no Brasil, a cada cinco minutos uma pessoa é vítima da doença, transformando-se na primeira causa de morte e incapacidade no país, de acordo com a Sociedade Brasileira de Neurologia.

Mas, afinal, o que é AVC? O acidente vascular cerebral acontece quando artérias que irrigam o cérebro se rompem ou são obstruídas, o que acaba por provocar a morte do tecido cerebral.

Um teste pode ajudar

Embora as estatísticas nos preocupem, cientistas descobriram um teste que pode prever o risco de homens mais velhos terem a doença.

O teste é simples: desenhar linhas entre alguns pontos numéricos, em ordem crescente, o mais rápido que conseguir.

Aqueles que não se saem bem no teste têm 3 vezes mais chances de morrer de um derrame que aqueles que tiveram sucesso na tarefa.

A pesquisa contou com mil homens, entre 67 e 75 anos, e os acompanhou por 14 longos anos. Dos 155 que sofreram AVC, 22 morreram dentro de um mês.

Segundos os cientistas da Universidade de Uppsala, na Suécia, responsáveis pelo estudo, o teste consegue revelar qualquer dano escondido às artérias cerebrais, mesmo que não existam sinais ou sintomas óbvios.

E esse resultado aponta para o fato de que podem existir mudanças biológicas ainda desconhecidas pelos especialistas que anunciem um futuro AVC. Agora, os pesquisadores querem descobrir que sinais são esses, exatamente.

De acordo com Bernice Wiberg, responsável pelo estudo, os testes são simples, baratos e altamente acessíveis para usos clínicos. “Eles podem ser uma ferramenta valiosa se aliados aos métodos tradicionais de medir pressão sanguínea e outros fatores de risco”, conta Wiberg. [BBC, UOL, OMS]

Autor: Luan Galani

é jornalista. Entusiasta da Teoria-M, é um rato de biblioteca apaixonado pelo que a ciência pode nos proporcionar. Nas horas vagas, é um amante inveterado de música erudita, que pede perdão aos russos por ainda considerar Mozart a grande lenda.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. Legal mas faltou um link para imprimir o teste e instruções de como analisar o resultado.

    Thumb up 6

Envie um comentário

Leia o post anterior:
io
Ilusão de óptica: uma espiral fantasma que aparece do nada

Não se preocupe, os ...

Fechar