Há vida inteligente fora da Terra? Os golfinhos podem ajudar a responder

Publicado em 8.09.2011

Os dicionários definem inteligência, basicamente, como a capacidade de aprender. Mas e quando falamos de vida inteligente fora da Terra? Será que esse conceito se aplica a extraterrestres? E aos animais? Um golfinho, por exemplo, não pode ser considerado inteligente? A agência americana SETI, especializada em procurar vestígios de vida fora do nosso planeta, resolveu tentar responder essas questões.

Uma das questões básicas, segundo os cientistas, é justamente definir o que se considera inteligência. Embora a definição simplista de “capacidade de aprender” predomine, há quem diga que é necessário mais; um ser inteligente deve aprender, fazer relações e tirar conclusões, analisar ideias complexas e resolver problemas. A faceta prática dessas ideias é o que se chama “tecnologia”: aplicar as ideias materialmente. Logo, segundo essa definição, achar vida inteligente fora do planeta significa encontrar seres que possuam e apliquem tecnologia.

Um conceito psicológico de inteligência, segundo pesquisadores da Universidade de Oxford, é mais “humanizado”. Não se trata apenas de saber produzir tecnologia, porque é preciso mais do que um cérebro para isso. Os golfinhos, por exemplo, podem ser considerados inteligentes, mas não podem produzir tecnologia porque não têm braços para isso (em uma definição mais prosaica, não têm o polegar opositor).

Alguns animais, e os golfinhos são o exemplo mais recorrente, têm exatamente o que a Universidade de Oxford define como inteligência. Para eles, um ser inteligente reúne três condições básicas: ideia de altruísmo (basicamente, reciprocidade nas atitudes, noções de causa e efeito na relação com seus semelhantes), “política” (noções de agrupamentos, divisões e lideranças) e empatia (a grosso modo, capacidade de ter e interpretar emoções, a sua e dos demais). Em sociedades no reino animal, tais habilidades são frequentemente demonstradas.

O que chama atenção dos pesquisadores quanto a golfinhos, no quesito inteligência, é a comunicação. Testes no passado já comprovaram que golfinhos são capazes de compreender e interpretar cerca de 50 comandos dados em inglês. Nós, humanos, por outro lado, não fazemos a mínima ideia do que significa a “linguagem” de ondas com a qual os golfinhos se localizam e se comunicam. Mas este conceito de linguagem também é discutível, segundo os cientistas.

O que os pesquisadores esperam, portanto, é fazer uma ponte entre a nossa comunicação e a dos golfinhos. De acordo com uma técnica aceita pelo SETI, chamada de “teoria da informação”, toda comunicação pode ser simplificada, visual ou auditivamente, a uma espécie de logaritmo de bits (algo como a linguagem do 0 e 1) da computação.

No cérebro humano, segundo essa tese, há um padrão unificado que permite o aprendizado de linguagens, e animais como o golfinho dispõem exatamente do mesmo recurso. Assim como nós, eles têm a capacidade de organizar informações soltas e fazê-las ter sentido para eles. Sabem também aplicá-las segundo suas necessidades, que no caso dos golfinhos é se comunicar à distância debaixo da água.

Como isso poderia ajudar a achar extraterrestres?

Essa teoria assume que humanos e golfinhos, no fundo, teriam um mesmo padrão de comunicação, que apenas se manifesta de maneiras diferentes. Assumindo isso como uma possibilidade, cientistas do Instituto Tecnológico da Geórgia (EUA) estão se dedicando a uma missão inusitada: construir um tradutor de “golfinhês” para uma linguagem conhecida pelos humanos. Os primeiros testes reais com essa máquina, que já está em desenvolvimento, são previstos para 2012.

A ideia, na teoria, é simples. Analisar ações e reações dos golfinhos, gravando os sons que eles emitem, e tentar converter a comunicação para um padrão mensurável por computador. O passo seguinte, nessa tarefa, seria mensurar a linguagem humana sob estes moldes e tentar unificar ambas as linguagens sob esse padrão (não se trata de “humanizar” os golfinhos, apenas decodificar a linguagem).

O princípio básico da teoria, formulada pelo SETI, afirma que tal habilidade de comunicação é o que caracteriza inteligência. Na busca por vida inteligente fora da Terra, seria possível usar esse padrão para rastrear vestígios de comunicação universo afora. É claro que isso depende de muitas variáveis, mas os cientistas imaginam algo como um sensor colossal que capte sinais de comunicação pela galáxia, como se fosse uma antena de rádio.

O problema (antes mesmo de pensar em quão difícil será decodificar a linguagem dos golfinhos através de um computador, transformar isso em um código que sirva para tradução humana e construir um sensor que capte essas transmissões no espaço), a princípio, é paradoxal.

Se o universo é realmente cheio de relações sociais e comunicações, como no mundo dos golfinhos, mas tais formas de vida espaciais não podem produzir tecnologia, como os golfinhos, estamos no escuro. As vidas inteligentes podem estar por aí, espalhadas no espaço, mas não seremos capazes de detectar. [LiveScience]

Autor: Stephanie D’Ornelas

É estudante de jornalismo, adora um café e um bom livro. Curte ciência, arte, culturas e escrever, mesmo que sejam poesias para guardar na gaveta.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

63 Comentários

  1. O universo não é infinito. Prova? O espaço-tempo está em expansão, pois existe uma força central que direciona todos os corpos para direções opostas. Mas se formos levar em conta que o multiverso é infinito, então a chance de existir vida fora da Terra, mesmo que não seja em nosso universo, é de 100%. O máximo de chance é 100%, e não infinita, assim como o minimo é 0%, e não infinito negativo. Um problema matemático nunca discutido por especialistas, é que, se você pede pra alguem adivinhar o número que você está pensando, de 1 a infinito, qual seria a chance? A principio eu calculei uma possibilidade de 0%, mas eu vi que isso estava errado, por que é possível sim, então, eu encontrei um paradoxo matemático (o primeiro da história), a chance da pessoa acertar o número, é de 0,∞0…1, ou seja, zero vírgula, seguido de infinitos zeros e depois dos zeros um hum. Entendes?

    Thumb up 0
  2. Sendo o universo infinito e a chance de vida inteligente fora da Terra eh igual a qualquer valor superior a zero, ainda ki seja 1 x 10 (elevado a -1000000000000000000000000000000000000000000000000000 x 1000000000000000000000000000000000000000) ainda resulta numa chance infinita de existência de vidas inteligentes

    Thumb up 6
    • O universo não é infinito. Prova? O espaço-tempo está em expansão, pois existe uma força central que direciona todos os corpos para direções opostas. Mas se formos levar em conta que o multiverso é infinito, então a chance de existir vida fora da Terra, mesmo que não seja em nosso universo, é de 100%. O máximo de chance é 100%, e não infinita, assim como o minimo é 0%, e não infinito negativo. Um problema matemático nunca discutido por especialistas, é que, se você pede pra alguem adivinhar o número que você está pensando, de 1 a infinito, qual seria a chance? A principio eu calculei uma possibilidade de 0%, mas eu vi que isso estava errado, por que é possível sim, então, eu encontrei um paradoxo matemático (o primeiro da história), a chance da pessoa acertar o número, é de 0,∞0…1, ou seja, zero vírgula, seguido de infinitos zeros e depois dos zeros um hum. Entendes?

      Thumb up 0
  3. Lendo o título lembrei na hora do Guia do mochileiro das galáxias, onde os golfinhos são os ETs então:

    Até logo e obrigado pelos peixes!!

    Thumb up 11
  4. voltando ao assunto ,pra mim a utilidade dos golfinhos nao chega a tanto ,treinalos militarmente e possivel ,para garregarem bombas ,e explodirem ,treinalos para terapias diversas … ,shooos em parque aquaticos , ate decodificar as lingagens deles e possivel ,mas tenho certeza ,que pelo tamanho de penis deles eles so pensam em buceta de golfinha.

    Thumb up 3
  5. E O SER HUMANO E UM SER MARAVILHOSO QUAndo se alcança o crisma,quando chegamos ,aonde estamos ,pra mim quem diz ; que o ser humano nao presta deve nao conhecer historia ,porque? antes eramos muitoo mais malvados do que hoje ,nao eramos ,heroes e hoje somos savamos os nossos semelhantes ex; bombeiros ,policias , isto e avanço ,isto e amor ao proximo seus tolos .

    Thumb up 3
    • Do que exatamente você está falando?

      Thumb up 4
    • Ele deve ter fumado um baseado!

      Thumb up 3
    • Adelimar, se “ontem” o ser humano fosse “muito + malvado” do q. hoje, então “hoje” talvez nem estivéssemos aqui…

      Thumb up 1
  6. Um planeta nas condições atuais da Terra no Universo, acredito que seja quase impossível de se encontrar. Os próprios astrônomos já chegaram a esta conclusão e acredito que certamente nunca encontraremos. Certamente vocês dirão, ora se este nosso mundo é real, porque então não haveria outros mundos parecido ou igual ao nosso?Eu respondo: Nada aqui foi criado pelo acaso. Algo infinitamente poderoso e dotado de tecnologia (ou poder)criou este planeta e nos somos parte desta experiência. Até o propósito de dar Inteligencia a uma só especie foi muito sábio e sabemos que há um limite intelectual em qualquer outro ser vivo não humano. O próprio Homem já vive em conflitos, imaginem se outra especie tivesse a nossa inteligencia?

    Thumb up 2
    • “O próprio Homem já vive em conflitos, imaginem se outra especie tivesse a nossa inteligencia?”

      Star Wars (Troll Mode: On)

      Thumb up 4
    • Você acha mesmo que se fosse para somente nós estarmos aqui, o Universo seria tão grande, ou que não há nada como a Terra? Desinformado.

      Thumb up 6
    • Laender, acreditar que a vida ou os seres inteligentes que povoam a Terra foram criados por outros seres, quer sejam divinos ou tecnológicos, é negar a possibilidade da evolução, além de abrir espaço para conjecturas do tipo: Estes outros seres, foram criados por seres superiores a eles? E estes últimos, também foram criados por seres ultra superiores? e assim vai…

      Thumb up 0
    • Outra questão é o fato de só haver uma espécie inteligente sobre a terra: a mais bem preparada, não necessariamente mais inteligente, eliminaria a outra, bem ao estilo brancos x (índios, astecas, maias). Os golfinhos sobreviveram porque vivemos em ambientes diversos.

      Thumb up 0
  7. Eu acredito em vida inteligente fora da terra, e concordo com o Bovidino, inteligencia é a capacidade de fazer o bem, e até que existem pessoas que o fazem aqui na Terra. São poucas, mas existem.

    Thumb up 3
  8. Eu queria muito que achassem vida inteligente em outro lugar, por que aqui não tem…

    Thumb up 12
  9. Já eu penso, que se conseguíssemos nos comunicar com seres de outros planetas, eles por certo, logo iriam descobrir que somos uma espécie selvagem, pervertida, ladrões, assassinos, hipócritas, mercenários, covardes, e por ai vai, todos os adjetivos pejorativos que os animais não possuem e consequentemente, eles iriam se comunicar com os golfinhos, que lhes diriam, que realmente eles acham que dever-se-ia abolir do planeta a raça humana, antes que o planeta seja explodido covardemente pela ganancia do homem.

    Thumb up 12
    • Jairo,
      Eles já sabem de tudo isso.

      Thumb up 11
    • Boa Bovidino!

      Thumb up 6
    • sim o ser humano tem todos esses defeitos,mas de todas as criaturas vivas no mundo ser humano é a mais nobre,porque é a única q tem a capacidade de amar embora muitos não deêm valor a isso,o homem é ladrão,é cruel,é destrutivo,sim,muitos são assim,mas talvez se homem tivesse uma visão mais espirutual sobre as coisas,nós não teríamos guerras,disputas por poder,desejo de sempre querer mais do que é necessário pra sua sobrevivência,enfim aindo acredito no homem não perdi a fé na humanidade!!!!

      Thumb up 4
    • “de todas as criaturas vivas no mundo ser humano é a mais nobre,porque é a única q tem a capacidade de amar”…

      Tem certeza, Danilo??

      Thumb up 0
    • Vc se considera isso aí tudo ki vc disse? Pq eu ñ me vejo assim. E vou além, ñ podemos nivelar toda nossa espécie pelos indivíduos mais hediondos ki existem dentre nós. Além disso, o homem, como toda criação eh refém de seus próprios instintos, ex: o fato do leão matar o filhote da corca o faz maligno? E a competição pelas fêmeas? Uma viúva negra eh maligna por devorar o macho? Bem, se msm assim, vc insiste em dar a sua espécie todos esses adjetivos ki citou aí, então ñ devemos ser da msm espécie, ou eu sou uma excessao, cercado de excessoes aki, e o Hype também tá cheio de excessoes! E kem não eh como o carinha aí falou, vota a favor do meu post kkk (sim, sou esnobe, kk maligno eu ñ?)

      Thumb up 1
  10. Possa até ser que tenha vida inteligente fora da terra, mas nós mesmo não estamos conseguindo resolver os problemas internosj e estamos omitindo auxilio ao nosso semelhante,ex: SOMÁLIA, quando as autoridades mundiais poderia interver ao invés de usarem suas INTELIGÊNCIA na construção armamento bélico para se auto-destrui-se.

    Thumb up 9

Envie um comentário

Leia o post anterior:
1
Religião e ciência: 6 visões sobre o núcleo da Terra

Os homens chegam à l...

Fechar