O teste do espelho de Darwin tem algo a ver com a consciência?

Uma ideia de Darwin se tornou, ao longo dos anos, um teste psicológico bastante controverso. Uma lista aparentemente aleatória de animais “passa” neste teste, mas algumas descobertas recentes colocam em causa o que isso realmente significa.

O teste é simples: consiste no que você vê quando você olha em um espelho.

Se você passa por um espelho e vê uma mancha estranha em seu rosto, você tenta limpá-la, certo? Parabéns, você acabou de passar em um teste simples de autoconsciência. Talvez.

O teste do espelho começou como um pensamento casual de Darwin, quando ele registrou as travessuras de um orangotango em um zoológico brincando com um espelho que ele tinha dado ao animal. Logo, o cientista se perguntou o que exatamente o orangotango achava da imagem de si mesmo: será que ele se reconhecia no espelho? E se assim fosse, o que isso significaria?

Gordon Gallup se perguntou a mesma coisa em 1970, e resolveu criou um teste para ver se os animais eram capazes de autorreconhecimento. Usando chimpanzés acostumados a espelhos, ele anestesiou os animais e colocou uma mancha de tinta sem cheiro em uma de suas sobrancelhas.

Os chimpanzés foram revividos e receberam espelhos no qual podiam observar sua imagem. Gallup então observou o comportamento dos animais a fim de ver se eles notavam a mancha em seus próprios corpos – o que a maioria fez.

Para Gallup, qualquer animal que pudesse entender que a imagem no espelho era um reflexo de si mesmo mostraria autoconsciência. Os chimpanzés, então, eram conscientes de si mesmos como indivíduos separados de seus arredores.

chimp-mirror test self recognition sentient sentience intelligence intelligent animals sapient-

Com o tempo, a lista de animais autoconscientes cresceu. Golfinhos, pegas (espécie de pombo), orcas, todos os grandes símios, e, eventualmente, elefantes passaram no teste. Macacos não. Os seres humanos, em geral, passam no teste, mas leva um tempo. Os bebês começam a notar sua imagem em torno de 18 meses, e quase nenhum ser humano falha no teste após a idade de 24 meses.

…ou assim nós pensávamos. Apesar de um estudo feito em 1986 mostrar que até mesmo crianças criadas em culturas sem espelhos notavam uma mancha em sua sobrancelha, a maioria desses estudos foi realizada na América e na Europa.
Pesquisas recentes feitas em Fiji e no Quênia mostraram que crianças de cerca de 6 anos de idade não passam no que Gallup considerou o teste do espelho.

As crianças dessas pesquisas pareciam despreocupadas com a mancha, e se mostraram desconfortáveis com o teste como um todo. Embora indicassem claramente, através de movimentos, que sabiam que o espelho refletia a sua própria imagem, a maioria delas congelou quando olhou para sua reflexão (ao invés de apontar para ou limpar a mancha). Em um dos estudos, apenas duas das 82 crianças “passaram” no teste.

Autoconsciência ou prioridade?

Ninguém pode argumentar que uma criança de 6 anos de idade não tem autoconsciência. Então, a questão que fica é: o que o teste realmente testa?

Se não é autoconsciência que estamos medindo, então o que bebês americanos e europeus poderiam ter em comum com elefantes que não têm em comum com outros bebês da mesma idade? E o que bebês de partes do Quênia têm a ver com bebês de Fiji que eles não compartilham com os americanos?

É possível que as crianças que não respondem ao teste da mancha veem seu reflexo no espelho como uma “terceira coisa” – tecnicamente, não é ela mesma e nem uma outra pessoa.

Enquanto os bebês que passam no teste são como os chimpanzés e orcas, os bebês que não passam também podem ter seus próprios grupos na natureza. Alguns estudos mostram que, embora os macacos-prego falhem no teste da mancha, eles estão cientes de seus reflexos no espelho como sendo diferentes de si mesmos e diferentes de outros macacos. Eles podem estar pensando na imagem como algo abstrato.

Ao mesmo tempo, essas crianças podem diferir de outras em algo tão tecnicamente simples quanto uma preocupação com uma mancha em seu rosto. O teste do espelho pressupõe que a coisa mais importante que você pensa quando vê o seu reflexo é uma mancha desconhecida, e que a coisa mais sensata a se fazer é corrigi-la imediatamente, ou pelo menos investigá-la.

Por algum tempo, os cientistas não pensavam que os gorilas tinham autoconsciência com base nessa suposição. Foi só quando eles observaram o comportamento dos gorilas após o teste que perceberam que eles estavam se escondendo antes de tentar limpar a mancha em particular – o que significa não só que eles têm consciência de si mesmos, mas como um sentimento de vergonha social.

Em 2004, época dos estudos no Quênia e em Fiji, os elefantes não tinham passado no teste também. Em 2006, os pesquisadores descobriam que um a cada três elefantes asiáticos passava no teste. Eles atribuem a variação nos resultados ao fato de oferecerem aos elefantes um grande espelho que eles foram capazes de tocar, em vez de um pequeno espelho que não podiam investigar.

061030_elephantknows_hmed_1230p.grid-6x2

Quanto aos elefantes que falharam, os pesquisadores acreditam que um animal que se cobre de lama não vai necessariamente se preocupar com uma pequena marca no seu rosto.

Estudos recentes também concluíram que embora macacos não toquem na mancha em seus rostos, eles usam reflexos para estudar áreas de seus próprios corpos difíceis de ver, como seus órgãos genitais.

O teste, ao que parece, tem mais variáveis do que pensávamos. Claramente, há uma ampla gama de resultados possíveis, além dos indicados anteriormente. De certa forma, o considerado teste de autoconsciência pode ser mais um teste de prioridades – prioridades definidas tão cedo que aparecem mesmo em bebês.[io9]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 3,00 de 5)
Curta no Facebook:

10 respostas para “O teste do espelho de Darwin tem algo a ver com a consciência?”

  1. Interessante, mas observo que um ser humano, ao olhar no espelho e perceber a mancha, é porque já tinha olhado antes, e sabia que a mancha não estava lá antes. Ou seja, que a mancha não faz parte de sua fisionomia “normal”. Assim, o fato de o animal não perceber a mancha pode significar apenas que, por estar vendo sua imagem pela primeira vez, não percebe/não tem conhecimento de que a mancha não faz parte de sua fisionomia/aparência. Os macacos que tentam limpá-la após o teste já tinham contato com espelhos antes.

    • Talvez não, Carlos.

      Poderia ser o caso de você ter visto tantos rostos que já sabe o que esperar quando vê um rosto, e a mancha que você vê no seu chama a atenção.

      Mas você coloca o dedo no espelho? Ou coloca o dedo no próprio rosto?

    • Há uma diferença entre EGO e CONSCIÊNCIA. O EGO é individualidade, CONSCIÊNCIA é a vibração quântica dos microtúbulos celulares (Penrose).

  2. Já vi alguns testes de espelho com golfinhos, apresentados no Discovery Channel, que foram bastante impressionantes para mim. O History Channel também apresenta documentários com leões caçando na savana, que demonstram a capacidade que eles tem para raciocinar ao adaptar suas estratégias de caça de búfalos, seus terríveis inimigos.

    Vi também pássaros fazendo pesca usando miolos de pão como isca, ao invés de comê-las, como seria de se esperar de um animal “instintivo”.

    Tais evidências de consciência e autoconsciência foram suficientes para mim. Há uma corrente na Filosofia da Mente que nega a consciência no ser humano, reduzindo tudo a “…uma sequência de inputs e outputs que formam uma cadeia por onde a informação se move…” https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&ved=0CDsQFjAB&url=http%3A%2F%2Fpt.wikipedia.org%2Fwiki%2FDaniel_Dennett&ei=h9d-UfDTLKWD0QGakoHADg&usg=AFQjCNHWxM3pP4AnToJEeeXpsNPy1fUgbQ&sig2=VPZ1NBG4a2GJYVr72zgVpw&bvm=bv.45645796,d.dmQ

    A principal consequencia desse tipo de ideia é a de que qualquer percepção que tenhamos não é um “fato” real na Natureza, pois tudo seria pré-programado pelo “acaso inconsequente”.

    Quem “engole” esse tipo de ideia simplesmente não pode argumentar nada a respeito da consciência dos outros animais, pois não a reconhece nem em sim mesmo!!!

    Mas, se a lógica e o raciocínio não existam para esse tipo de gente, ela existe, sim, para quem pensa diferente.

    É muito interessante saber que “…O teste [do espelho], ao que parece, tem mais variáveis do que pensávamos…”, pois só quem pensa de verdade (e não condicionado a “genes pensadores”) poderá ajuizar sobre o melhor método para aperfeiçoar tais testes.

  3. Cesar, o problema é considerar a autoconsciência humana no negócio.

    Tipo, já fizeram esse teste com cachorros, e nenhum se reconhece no espelho. acontece que o sentido que realmente “guia” um cachorro é o olfato e não a visão. e o cachorro não se reconhece no espelho simplesmente por que ele não usa a visão pra reconhecer nada. mas reconhece e tem consciência dos seus próprios cheiros e lugares que já passou. ou seja, é autoconsciente sim. só usa um sentido diferente do humano para isso. e demoramos décadas pra perceber isso em cachorros.

    • Lander

      Se puder, assista “Missão Pet” e “O Melhor Amigo do Cão” (séries do The History Channel) e vc não terá a menor dúvida da auto-consciência dos cães.

    • Lander, do jeito que eu vejo a coisa, o problema é definir “consciência” ou “autoconsciência” de uma forma universal e objetiva. O teste do espelho era uma ferramenta que parecia ajudar a investigar a autoconsciência e assim ajudar a definir a mesma.

      A maioria das pessoas nunca pensou profundamente no assunto mas não tem pejos de dizer “ah, mas é óbvio que os animais tem consciência”, mas a obviedade acaba quando se examina a questão de perto, com profundidade.

      Há muita sutileza envolvida nestes estudos, e tratar o assunto de forma leviana como eu vejo em alguns casos é um insulto à inteligência dos pesquisadores.

  4. Acho tudo isso muito estranho mesmo…como o ser humano pode achar que outros seres não possuem autoconsciência, não e necessário ser inteligente para possuir isso.

    O ser humano nao domina o planeta hj so por ter um dos melhores cérebros,dominamos pq possuímos varias coisas boas e ruins que geram a vontade de evoluir,melhorar e facilitar tudo,dominamos por simplesmente termos o cérebro muito bom,um corpo fragil,maos(nao sei bem oque deveria chamar esse tipo de coisa) que servem para construir coisas e a linguá que nos permite passar descobertas um para o outro.
    Tipo acho que uma boa comparação de um animal esperto seria os elefante,ou mesmo os chipanzés,eles tem um cérebro evoluído,mas seus corpos são fortes e suas linguás não são evoluídas(no caso dos elefantes tb não possuem mãos boas para construir objetos)e seus corpos são fortes.
    Imaginem se vcs fossem um desses animais,vc pode ate ter o cérebro para aprender e compreender o mundo ao seu redor mas para que você vai querer saber como fazer um casaco se vc possui pelos que te protegem?para que vc vai querer construir uma arma se vc ja tem um bom corpo para se proteger?E como vc tera vontade de aprender se não a ninguém que te incentive ou nenhum motivo para tal?

    O único motivo para o ser humano dominar e a sorte do acaso, não por sermos os únicos animais com cérebro evoluído,na minha opinião existem muitos animais espertos,elefantes,macacos, chipanzés,golfinhos e muitos outros animais possuem sim inteligencia,mas não são incentivados a explorar essa inteligencia, não possuem todos as características necessárias para querer explorar o mundo ao seu redor, só por não sermos capazes de nos comunicar com eles muitos já os acham estúpidos primitivos…mas sim eles possuem inteligencia e consciência de sua própria esistencia.

    • Matheus, como alguém pode achar que animais tem autoconsciência sem nenhuma evidência disso? Se há evidências, nada mais normal do que verificar se estas evidências são realmente de autoconsciência. Pressupor alguma coisa sem nenhuma evidência é anti-científico, e é o que leva à criação de superstições e enganos.

      Não sei se me fiz entender, achar que animais tem autoconsciência ou não tem não quer dizer nada, por que não prova nada. Eu posso achar que animais tem autoconsciência, você pode achar que não, mas isto não vai mudar o fato, e para saber qual é o fato, é preciso ir além do que eu ou você achamos, é preciso investigar.

Deixe uma resposta