Vacina pode prolongar a vida de pacientes com câncer de cérebro

Publicado em 5.10.2010

Segundo pesquisadores, pacientes com um câncer de cérebro chamado glioblastoma que foram tratados com uma determinada vacina viveram cerca de duas vezes mais do que aqueles que foram tratados com radiação e quimioterapia.

O estudo incluiu 35 pessoas com glioblastoma, que tinham sido submetidos à radiação e foram tratados com quimioterapia, tomando uma droga chamada temozolomida, comercializada sob a marca Temodar, que tem o objetivo de melhorar a resposta imunológica.

Destes participantes, 18 pessoas receberam a vacina e 17 continuaram no grupo de controle. Aqueles que receberam a vacina viveram uma média de 26 meses, em comparação com 15 meses do grupo de controle.

A vacina – Celldex Therapeutics Inc – tem como alvo uma mutação em um gene, chamado receptor do fator de crescimento epidérmico, que faz o câncer crescer e se desenvolver. Segundo a equipe, a vacina foi bem sucedida, não matando as células cancerosas com a mutação em apenas um de todos os pacientes que se submeteram ao tratamento.

Além disso, os testes de resposta do sistema imunológico mostraram que os pacientes que desenvolveram anticorpos após a vacinação foram mais propensos a responder a ela, o que dá aos médicos uma boa maneira de ver quais pacientes poderiam se beneficiar da vacina.

Os pesquisadores também afirmam que a vacina é a primeira que atinge proteínas presentes apenas nas células cancerosas, o que pode significar que ela tem menos efeitos colaterais que outras vacinas contra o câncer.

O glioblastoma multiforme tipicamente mata metade de suas vítimas dentro de um ano. Os pacientes raramente sobrevivem mais de três anos.

Muitos pacientes do estudo ainda estão vivos após cinco anos, o que os cientistas disseram ser bastante incomum nesta doença. Segundo os pesquisadores, apesar de não parecer ajudar os pacientes a viver muito mais tempo do que eles esperavam, os resultados são bastante encorajadores, já que esse tipo de câncer muitas vezes mata os pacientes dentro de um ano.

No entanto, os pesquisadores tomam uma posição cautelosa, e afirmam que o tratamento ainda precisa ser comprovado em um estudo clínico de grande escala.

Segundo os cientistas, a descoberta é mais um exemplo do potencial da imunoterapia de câncer, que são tratamentos que ativam o próprio sistema imunológico do paciente para combater o câncer.

No início deste ano, instituições americanas aprovaram a primeira vacina contra o câncer, uma terapia contra o câncer de próstata. Em junho, foi provado que outro tipo de tratamento do sistema imunológico ajuda a prolongar a vida dos pacientes com melanoma agressivo, a forma mais letal de câncer de pele, doença para qual existem poucas opções de tratamento. [Reuters]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

4 Comentários

  1. Meu Pai tb foi diagnosticado como podmos ter mais informação e acesso vacina ? Obrigada

    Thumb up 0
    • minha mãe está com glioblastoma multiforme grau VI. Gostaria que ela participasse desse estudo tomando a vacina. Como faço?

      Obrigada!!

      Thumb up 1
    • oi esta passando por esta problema precisa falar com algem !!!

      me ajuda

      Thumb up 1
  2. oi! minha mãe, foi diagnosticada com esse tipo de cancer, glioblastoma, gostaria de saber como posso me informar mais sobre essa vacina.
    att
    bianca

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
ednobel
Prêmios Nobel: pioneiro na fertilização in vitro vence o Nobel de Medicina

Perto dele, todo pap...

Fechar