10 coisas que você não vai acreditar que seu corpo tem

Por , em 29.01.2020

Seu corpo provavelmente contém algumas coisas estranhas – como elementos radioativos e metais preciosos – que você jamais imaginou que seria possível.

Essa é a graça dessa bela máquina; os cientistas estão sempre descobrindo novas coisas incríveis que o constituem.

10. Álcool

Álcool?! Tipo uma das bebidas mais consumidas do mundo? Exatamente.

Eu sei o que você está pensando: se há álcool no nosso corpo, por que gastamos tanto tempo e dinheiro tentando ficar bêbados?

Porque a quantia é muito baixa. Enquanto o etanol – um tipo de álcool que ocorre naturalmente e é utilizado para fabricar bebidas alcoólicas – pode ser criado no nosso organismo, estamos falando de até 0,8 miligramas da substância por litro de sangue. O metanol também já foi detectado no sangue humano de pessoas saudáveis e sóbrias em uma quantia de 0,6 miligramas por litro.

O álcool é criado pela ação de bactérias e fungos em nosso trato gastrointestinal, que fermentam carboidratos como açúcar. Felizmente, os valores produzidos são muito baixos para causar problemas legais, então não tente usar sua população microbial como desculpa se for pego no bafômetro.

E também não pense que seria legal produzir mais álcool por conta própria, sem precisar pagar por isso. Pessoas que possuem uma condição chamada de “síndrome da autofermentação” (ABS, na sigla em inglês) – o que significa que seus sistemas digestivos contêm muita bactéria e fungo que produz álcool por fermentação – podem ter mais de quatro gramas de álcool por litro no sangue, ponto no qual ficam bêbados sem ter ingerido nem uma bebida sequer – com a diferença de que não têm nenhum controle sobre isso, o que pode afetar demais suas vidas.

9. Ozônio

Você com certeza já ouviu falar da camada de ozônio que protege a Terra da radiação ultravioleta. O problema é que essa substância é muito instável e tende a se desintegrar em minutos. Logo, precisa ser “reabastecida” continuamente na atmosfera.

Diversas coisas podem produzir ozônio, incluindo tempestades, atividades humanas e nosso próprio corpo.

Sim, nosso sistema imunológico produz ozônio como forma de combater doenças. Temos um tipo de glóbulo branco chamado de neutrófilo que passeia pelo corpo eliminando bactérias e fungos infecciosos. Para fazer isso, ele se alimenta de moléculas de oxigênio. Os anticorpos em seguida transformam essas moléculas em ozônio, o que elimina invasores.

Uma vez que cerca de três quartos dos glóbulos brancos do nosso corpo são neutrófilos, a quantidade de ozônio molecular produzida por pessoa é significativa. Isso quer dizer que a camada de ozônio está salva da destruição?

Não. O ozônio em altitudes baixas e grandes concentrações é prejudicial. 25 quilômetros acima da Terra, ele é excelente contra a radiação solar. Já próximo ao solo, o ozônio contribui para a poluição do ar, enquanto no corpo humano quebra o colesterol, criando moléculas tóxicas que podem precipitar o desenvolvimento de condições como aterosclerose e artrite.

8. Cianeto

“Aí já é demais”, você deve estar pensando. Álcool e ozônio até vai, mas veneno?! Pois é. Enquanto o cianeto é uma substância altamente tóxica para seres humanos – que inclusive já foi utilizada como arma diversas vezes -, também existe naturalmente no nosso corpo.

Ele pode entrar no nosso organismo através de fontes como ar, água e alimentos, ou pode ser produzido por processos químicos internos.

Por exemplo, maçã e espinafre contêm cianeto, ainda que apenas alguns microgramas (um micrograma é um milionésimo de grama). Para matar um ser humano de 70 kg, seria necessário 0,1 grama.

Além disso, nossa saliva cria cianeto em forma de gás nas nossas gargantas, expelido em seguida por nossa respiração. Uma pessoa saudável pode conter até 50 microgramas de cianeto a cada 100 gramas de tecido corporal.

Essa quantia nunca se acumula, no entanto, porque é processada pelo nosso fígado e excretada pela urina. Uma parte também pode ser convertida em dióxido de carbono por nossos pulmões, conforme comentado acima.

7. Elementos radioativos

Está ficando cada vez mais estranho, mas prometo que é verdade: a todo momento, seres humanos contêm pequenas quantias de elementos radioativos no corpo.

Obviamente, em grandes quantidades, isso seria péssimo. E nem é preciso que alguém esteja tentando te matar com uma bomba atômica. Por exemplo, radiação ultravioleta em excesso pode levar ao desenvolvimento de câncer.

Um elemento radioativo encontrado em nosso corpo é o tório, geralmente utilizado em dispositivos eletrônicos. Podemos ingeri-lo através de alimentos e água, mas nosso corpo felizmente o processa e elimina em questão de dias.

Já o urânio é mais demorado. Comum em reatores nucleares e armas de destruição em massa, também pode ser ingerido através de comida (principalmente vegetais não lavados) e água em uma quantia de cerca de 5 microgramas diariamente. Estudos indicam que um adulto médio contém 22 microgramas de urânio em seu corpo. O nosso organismo pode levar alguns meses para expelir a substância, enquanto a maior parte dela fica depositada em nossos ossos.

Por fim, podemos abrigar também o isótopo radioativo potássio-40, ingerido a partir de diversos alimentos, que felizmente é benéfico para nosso organismo.

6. Metais preciosos

Opa, tá melhorando! Nosso corpo não contém apenas coisas perigosas, mas coisas valiosas também, como ouro.

A maioria fica no nosso sangue – uma pessoa tem, em média, 0,02% de ouro no sangue, o que equivale a 0,2 miligramas do metal precioso, o suficiente para fazer um pedaço de ouro puro de 0,22 milímetros. Nosso corpo também contém, em média, 88 microgramas de prata.

Tirar esses metais do nosso organismo não seria muito fácil, mas tem um outro jeito: nossas fezes. Cientistas descobriram que elas possuem partículas de ouro e outros metais caros. Um quilo de fezes humanas abarca cerca de quatro gramas de cobre, prata, vanádio e ouro. As evacuações de um milhão de pessoas podem valer, juntas, aproximadamente US$ 13 milhões. Já pensou?

5. Drogas ilegais

Voltamos à zona do perigo: você sabia que seu corpo produz versões de algumas drogas legais e ilegais?

Por exemplo, nosso organismo pode fabricar endocanabinóides, moléculas semelhantes às substâncias químicas da maconha.

Nosso cérebro também produz compostos chamados de endorfinas, com os mesmos efeitos analgésicos que a morfina, além de dimetiltriptamina, uma droga conhecida pela sigla DMT. Geralmente extraída de plantas sul-americanas, essa substância pode ter efeitos alucinógenos severos (por exemplo, é ingrediente comum do famoso ayahuasca). Os cientistas pensam que, no nosso corpo, é liberada durante o sono profundo ou em experiências de quase morte.

Outra droga que podemos produzir é o ácido gama-hidroxibutírico, ou GHB. Nosso organismo o contém, como o DMT, em quantidades minúsculas e não prejudicais. No dia a dia, a substância pode ser usada por fisiculturistas para ganhar músculos, ou ser prescrita para tratar distúrbios do sono. Porém, é muito perigosa se não for utilizada corretamente.

Tanto o DMT quanto o GHB são drogas ilegais, a menos que prescritas. O GHB, inclusive, foi proibido porque começou a ser utilizado como hipnótico e anestésico a partir da década de 1960. Pessoas mal-intencionadas o utilizavam para fazer pílulas conhecidas como “Boa Noite Cinderela” com o intuito de estuprar e roubar, pois a droga causa perda de controle, relaxamento muscular e desorientação.

4. Campo magnético

Quando pensamos em forças magnéticas, pensamos geralmente em corpos celestes. Mas elas não estão limitadas a planetas, por exemplo – seres vivos também podem gerar seu próprio magnetismo.

Todo objeto que possui correntes elétricas fluindo por ele também produz magnetismo. Como vários de nossos órgãos geram eletricidade, nós temos magnetismo.

No geral, os cientistas estimam que a força do campo magnético da superfície do corpo humano seja de um décimo de milionésimo à da Terra.

Cada órgão usa uma certa quantidade de eletricidade e possui seu próprio campo, no entanto. Por exemplo, o cérebro tem um campo 200 milhões de vezes mais fraco que o da Terra. O coração, o mais magnético dos nossos órgãos, tem um campo um milhão de vezes mais fraco que o do nosso planeta – ele até se estende para fora do corpo, afetando alguns processos biológicos.

3. Pó de estrela

Você com certeza já ouviu falar que somos feitos de pó de estrela. O que isso significa? Que nosso corpo é 97% composto de átomos encontrados em estrelas. Nossa massa é 93% material estelar.

No começo do universo, os únicos elementos presentes eram o hidrogênio e o hélio. As primeiras estrelas, formadas assim, começaram a ficar mais pesadas e complexas e produzir outros elementos, como carbono, nitrogênio, oxigênio, fósforo, ferro e enxofre – basicamente, a composição do corpo humano.

Quando estrelas morrem, elas geralmente explodem e suas camadas viajam pelo universo, podendo alcançar a superfície da Terra. Aqui, seus elementos se misturam com o solo e são absorvidos pelas plantas, consumidas por nós. Ao longo dos anos, os materiais formados dentro das estrelas se tornaram simplesmente parte de nossos corpos, renovados com esses elementos o tempo todo.

2. Luz

Podemos até nos considerar seres iluminados, mas não emitimos luz, certo? Como quase toda a matéria no universo, apenas a refletimos.

Na verdade, não. Os cientistas sabem há um bom tempo que o corpo humano pode emitir radiação luminosa. Por exemplo, o calor do nosso corpo produz luz infravermelha. Não podemos vê-la, mas alguns animais podem.

E quanto à luz visível? Em 2009, o cientista Masaki Kobayashi, do Instituto de Tecnologia Tohoku, no Japão, investigou o que chamamos de “bioluminescência humana”. Ele fotografou cinco indivíduos nus durante 20 minutos a cada três horas por três dias com câmeras supersensíveis à luz, concluindo algumas partes do nosso corpo, como nossos pescoços e cabeça, emitem luz.

Ironicamente, essa luz, embora visível, é muito fraca para a notarmos – é cerca de mil vezes menos intensa do que estamos adaptados para enxergar.

Os cientistas creem que nossa bioluminescência seja produzida por moléculas pequenas chamadas de fluoróforos, que emitem fótons após interagirem com os elétrons liberados pela respiração celular.

Kobayashi também concluiu que os seres humanos atingem o “pico” de brilho às 16h. Isso se deve provavelmente ao nosso relógio biológico – nós gastamos mais energia nesse período da tarde.

1. Antimatéria

Quando a matéria e a antimatéria colidem, se aniquilam, deixando apenas energia para trás. Somos feitos de matéria e, apesar da volatilidade da antimatéria, também temos um pouco dela dentro do nosso organismo.

Como assim?! Bom, para compreender esse processo, vamos voltar ao potássio-40, que já sabemos no item 7 existir no corpo humano.

O potássio-40 é um isótopo radioativo que decai. Em outras palavras, ele se transforma em outro elemento depois que seus átomos perdem energia. Ele pode ser transformado, por exemplo, em cálcio-40. Durante esse processo, perde algumas partículas e gera outras, incluindo uma partícula de antimatéria chamada antineutrino.

Os cientistas estimam que 5.000 átomos de potássio-40 decaem por segundo no corpo humano. Cerca de 89,25% desses átomos viram cálcio-40, gerando pelo menos 16 milhões de antineutrinos por hora.

O potássio-40 também pode ser transformado em argônio-40, o que libera um pósitron, ou a “versão antimatéria” do elétron. Esse processo é bem mais raro, ocorrendo em apenas 0,001% dos casos. Ainda assim, levando em conta os 40 átomos de potássio que se decompõem por segundo, podemos gerar cerca de 180 pósitrons por hora.

Vale observar que tudo isso é resultado de apenas um isótopo radioativo se transformando dentro do corpo humano. Nós também temos outros elementos que decaem, gerando antipartículas. Ou seja, somos basicamente reatores de antimatéria. [Listverse, Abril]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (36 votos, média: 4,92 de 5)

Deixe seu comentário!