10 coisas que nos contaram sobre cachorros e não são nem um pouco verdade

Por , em 29.06.2016

Compreender os comportamentos únicos, característicos e por vezes confusos dos nossos cães é muito importante para auxiliar na nossa capacidade de possuir, entender e cuidar destes animais tão especiais da forma mais correta possível. Mas, às vezes, as coisas que lemos e ouvimos sobre cachorros – principalmente na internet – não são totalmente verdadeiras. Pelo contrário: há muitos mitos que precisam ser esclarecidos para o bem da nossa relação com eles.

Nesta lista, você vai encontrar 10 mentiras comuns que a maioria de nós já ouviu e sempre acreditou ser verdade sobre o melhor amigo do homem – desde coisas biológicas até fatores comportamentais dos animais que a maioria das pessoas, até mesmo aquelas apaixonadas por cachorros, desconhece.

10. Eles não enxergam cores

Easter Dalmatain Puppy
Você provavelmente já ouviu pelo menos uma vez em sua vida que os cães não enxergam cores, o que significaria que eles só seriam capazes de perceber as coisas em preto e branco. Isto é, na verdade, apenas um mito. Embora a visão de um cão não lhe permita experimentar as cores da maneira que nós experimentamos, eles são capazes de ver algumas cores.

Ao invés de um espectro de escala de cinza, como se imagina, os cães tendem a ver as coisas mais em tons amarelos, azuis e violetas. Isto significa que as cores disponíveis no espectro humano de visão, tais como vermelho, verde e laranja, são acessíveis para os caninos.

Tanto nos seres humanos quanto nos cães, os fotorreceptores na retina contêm bastonetes e cones. No entanto, o que faz com que a nossa visão seja diferente é a presença de uma fóvea (a região central na retina do nosso olho) que nos dá a capacidade de ver com detalhamento visual afiado. Isto não está presente nos olhos dos cães.

No entanto, os cães têm algumas vantagens visuais que nós, humanos, não temos. Na retina do olho de um cão, há mais hastes (os fotorreceptores responsáveis pela visão escotópica, que é a visão em baixos níveis de luz). Isto dá a eles uma visão noturna superior à dos seres humanos.

9. Quando eles abanam o rabo, significa que eles estão felizes

caes 9
Esta não é inteiramente falsa. Quando um cão abana o rabo, isso pode de fato indicar felicidade. No entanto, nem sempre é este o caso. Ao contrário dos humanos, os cães não expressam emoções através de suas expressões faciais. Eles usam suas caudas para isso.

A principal função da cauda de um cão é a comunicação. Na verdade, aprender o que diferentes movimentos indicam poderia ajudar os donos a compreender melhor o seu animal de estimação. Alguns gestos são relativamente óbvios. Por exemplo, um rabo entre as pernas mostra medo ou, como sentencia o conhecimento popular, arrependimento ou culpa.

Mas o que quer dizer quando eles abanam o rabo?

Se um cão está tentando demonstrar felicidade, toda a parte de trás do seu corpo geralmente começa a balançar junto com a cauda. Já um cão cuja cauda está de pé no alto e abanando lentamente na verdade está indicando cautela. Se você não estiver familiarizado com o cão, este poderia ser um sinal de alerta para que você mantenha uma certa distância dele.

Se a cauda está abaixada e abanando freneticamente, isso pode sugerir que o cão está prestes a correr ou lutar (dependendo da situação). Felizmente, isso funciona de outra maneira também. Às vezes, quando a cauda de seu cão não está abanando, ele pode apenas estar relaxado.

8. Quanto maiores eles forem, mais tempo de vida eles vão ter

caes 8
Na verdade, geralmente o oposto é o que de fato acontece. Embora a média de vida de raças com cães pequenos, como o Chihuahua e o Dachshund, seja de cerca de 14 a 15 anos, a média de vida de raças maiores, como o Malamute do Alasca, é apenas de 8 a 10 anos. Este tempo de vida diminui ainda mais para as raças “gigantes”, como o São Bernardo, que possuem uma expectativa de vida média de apenas 5 a 8 anos.

Esta tendência estranha no tempo de vida é contrastante com quase todos os outros membros do reino animal. O padrão geral é que, quanto maior o animal, mais tempo a sua vida útil é estimada. O menor mamífero do mundo, o morcego-abelha, tem uma vida média de 5 a 10 anos, enquanto o maior mamífero do planeta, a baleia azul, tem uma vida útil de muito mais tempo – estimado entre 80 a 90 anos.

Os cientistas explicam esta tendência através da análise do uso de energia corporal. As células do corpo de mamíferos maiores são mais lentas e mais eficientes, o que significa que duram mais tempo. Então porque esta tendência inverteu-se nos cães?

Infelizmente, ainda que não seja algo exatamente surpreendente, a expectativa de vida diminuiu nos cães de raças maiores devido ao modo como eles foram criados por seres humanos ao longo dos anos. Os cães maiores crescem rapidamente em seu primeiro ano de vida. O Dogue Alemão, por exemplo (a maior da raça de cães do mundo) se desenvolve cinco vezes mais rápido do que os seres humanos. Devido a este crescimento rápido, grandes raças de cães também envelhecem rapidamente, o que significa que suas vidas são encurtadas.

7. Eles não podem ver TVs de tela plana

caes 7
Pensa-se frequentemente que os cães são completamente incapazes de perceber as imagens em uma TV de tela plana, devido à sua experiência diferente de visão. No entanto, este não é exatamente o caso. As antigas TVs de tubo produziam imagens em cerca de 24 quadros por segundo, o que, para nós, parecem imagens em movimento. Isso porque nós temos uma frequência crítica de fusão de luz vacilante (o número de quadros que precisamos ver em um segundo para perceber um filme como algo contínuo, e não um grande conjunto de imagens paradas) de cerca de 16 a 20 quadros por segundo.

Em cães, esta frequência é muito maior, em torno de 40 a 80 quadros por segundo. Quando eles assistem a TVs antigas, eles apenas enxergam um monte de cintilação. Mas o que dizer das TVs modernas?

O mito de que os cães são incapazes de ver imagens em uma televisão de tela plana é quase certamente falso, pois o número de quadros fornecidos em um segundo é muito maior do que a taxa produzida por televisões antiquadas. Além disso, há prova definitiva de que os cães reagem a imagens em TVs de plasma, provando que eles são capazes de ver alguma coisa quando estão na frente de uma televisão.

6. Você deve despertá-los se achar que eles estão tendo um pesadelo

caes 6
Se os cães sonham ou não ainda é uma questão em aberto. Embora ainda não exista uma resposta definitiva, as evidências apontam fortemente na direção que sim, eles sonham. Cães passam pelo sono REM (movimento rápido dos olhos), que é o tipo de sono que temos quando estamos sonhando.

Sonhar também está relacionado com o processo de fixação de memórias, que é algo que cães definitivamente já comprovaram a capacidade de fazer. E quanto a pesadelos? Para começar, não podemos dizer com 100% de certeza que os cães são capazes de ter pesadelos, uma vez que não sabemos se eles realmente sonham.

Para os proprietários que testemunham seus cães lamentando-se e contraindo-se enquanto dormem, pode ser bastante estressante e difícil deixá-los assim, já que eles parecem estar bastante desconfortáveis. Muitos donos encarregam-se de tirar seus cães de seus supostos horrores do sono, acordando eles para que saiam de seus pesadelos.

No entanto, isso pode, na verdade, ser mais estressante e prejudicial para a saúde do cão do que simplesmente deixá-lo dormindo. Como os seres humanos, cães necessitam de uma certa quantidade de sono profundo para assegurar uma boa saúde mental e o seu desenvolvimento normal.

Os cães tendem a dormir entre 14 e 16 horas todos os dias, mas muito pouco disto é sono profundo. Quando um cão parece estar sonhando, ele provavelmente está ganhando alguns minutos deste sono profundo vital que seu desenvolvimento e sua saúde exigem. Interromper este sono poderia na verdade ser bastante ruim para eles, por melhor que seja a intenção.

5. Se seus narizes estão molhados, eles estão saudáveis

caes 5
Na verdade, um cão com um nariz quente e seco pode ser tão saudável quanto aquele cujo nariz está frio e úmido. A temperatura e umidade do nariz de um cão muda dia após dia. Isto pode ser devido à sua atividade recente, ao meio ambiente, ou possivelmente a outros fatores.

A umidade e a temperatura do nariz de um cão não são nem um pouco medidas válidas ou mesmo confiáveis da sua saúde. Um cão com um nariz molhado e gelado poderia estar sofrendo de uma doença grave, da mesma forma que um cachorro com um nariz quente e seco.

Se você alguma vez flagrou o seu cão com um nariz seco, não se preocupe. Isso provavelmente é resultado de uma boa soneca ao sol. Mas então quando devemos ficar preocupados com a saúde dos nossos cães? Sugestões mais precisas de questões de saúde são os hábitos alimentares e comportamentais do seu cão. Se você notar uma mudança repentina em seu apetite ou personalidade, talvez seja hora de levá-lo até um veterinário para ser examinado.

4. Bacon não irá prejudicá-los

caes 4
Embora seja do conhecimento comum que os cães não devem ingerir chocolate e outras guloseimas, muitas pessoas não sabem que muitos outros produtos alimentares humanos podem prejudicar cães também. Talvez o mais chocante nesta lista proibida seja o bacon.

Para a maioria das pessoas, parece lógico que um bom pedaço de bacon seria um presente ou uma recompensa bastante decente para o seu companheiro canino de vez em quando. Afinal de contas, o bacon é uma carne e a carne é uma parte essencial da dieta de um cão.

No entanto, o bacon pode na realidade ser muito prejudicial para os cães e possivelmente levar a problemas de saúde a longo prazo. Os altos níveis de gordura nesta parcela de carne de porco pode causar inflamação do pâncreas dos cachorros, condição também conhecida como pancreatite. O pâncreas é responsável pela liberação de enzimas digestivas que garantam que o corpo seja capaz de absorver e digerir os alimentos corretamente.

A pancreatite diminui a capacidade do pâncreas, o que significa que ele pode não funcionar corretamente. Isso pode levar seu cão a fazer a digestão dos alimentos de forma incorreta, o que pode deixá-lo extremamente doente. Então, da próxima vez que você estiver saboreando suas deliciosas fatias de bacon e pegar seu cão encarando o prato com seus melhores olhos de filhote desamparado e faminto, com baba escorrendo de seus lábios, é melhor apenas virar para o outro lado e ignorá-lo. No fim das contas, por mais desumano que isso pareça, você pode estar o salvando no longo prazo.

3. Buldogues ingleses têm essa cara devido a um erro no cruzamento de raças

caes 3
Com seus ombros atarracados, mandíbula projetadas para fora e pele enrugada, o Buldogue Inglês é provavelmente uma das mais distinguíveis entre todas as raças de cães. Estes cachorros também estão associados com figuras britânicas icônicas – com Winston Churchill como maior exemplo.

Apesar de ser uma raça tão famosa, o Buldogue Inglês tem uma surpreendentemente longa lista de preocupações com a saúde em comparação com os outros cães. Um dos riscos comuns em Buldogues é a síndrome braquicéfala, uma doença encontrada em cães com cabeças curtas e narinas estreitadas. Uma via aérea obstruída provoca cães com esta síndrome a puxar ar com o nariz constantemente, lutando para recuperar o fôlego.

Ironicamente, o Buldogue Inglês foi criado para ter esta estrutura facial estranha justamente para melhorar a sua respiração em sua finalidade inicial. O Buldogue Inglês foi criado principalmente para o propósito de atacar touros. Na época, as pessoas acreditavam que isto amaciava a carne, ao diluir o sangue do animal.

Esta crença encorajou a proposição de leis em muitas áreas da Inglaterra afirmando que os touros deveriam ser combatidos por cachorros antes de serem abatidos. O crânio curto e plano do buldogue realmente o ajudou a respirar quando ele mordia os touros, uma vez que ele poderia manter um controle firme sobre o touro enquanto ainda era capaz de respirar pelo nariz. O desenho da cabeça dos Buldogues era completamente intencional. Embora eles sofram hoje devido a sua forma facial única, o propósito original disto foi na verdade para ajudar o cão.

2. Eles gostam de ser abraçados

Little boy showing affection and love for his best friend, a cuddly golden retriever.
Este fato é um pouco difícil de ser aceito pelos amantes de cães. Entre os seres humanos, um abraço é um gesto amoroso e reconfortante de carinho. Transferir este comportamento para os nossos cães é apenas a nossa forma de mostrar-lhes que nós gostamos muito deles.

No entanto, os cães não interpretam este ato da mesma forma que nós. Para os cães, o posicionamento de um membro sobre o corpo significa uma posição dominante, o que deixa os cachorros que ficam abaixo de membros como os nossos braços se sentindo ansiosos. Esta é a ação que usamos quando estamos abraçando. Em nossa tentativa de mostrar o nosso carinho pelo nosso amigo, na verdade estamos retratando o nosso domínio no ponto de vista dele.

No entanto, isto não é verdade para todos os cães. Como seu cão se sente sobre um abraço depende da personalidade dele e da interpretação que ele tem da ação. Se um cão tem uma reação nervosa ao gesto, ele vai demonstrar isso alterando sua linguagem corporal.

O cão pode ficar duro, fechar a boca, e talvez lamber os lábios. Este é um sinal evidente de que ele está confuso pela ação, provavelmente imaginando o que ele fez de errado para merecer isso. Mas não se preocupe. Se o seu cão não gosta de abraços, ele não vai gostar menos de você por isso. Seu cão ainda te ama.

1. Cães comem grama quando estão doentes

caes 1
É comum que as pessoas pensem que o único propósito de cães comerem grama é uma tentativa deles ficarem doentes de propósito, a fim de expurgar algo prejudicial de seus estômagos. Na realidade, este raramente é o caso. De acordo com as pesquisas, menos de 10% dos cães que comem grama parecem estar doentes.

Às vezes, os cães comem grama devido a uma condição que faz com que os animais tenham vontade de comer qualquer coisa que contenha nutrientes e minerais que estão faltando em suas dietas. Isso também pode ocorrer como resultado de tédio, o que pode levar o seu cão a comer outras coisas bizarras, como lascas de tinta.

Outras vezes, os cães podem comer grama devido a fatores territoriais – como para provar que estão no seu território. Uma explicação mais simples para o comportamento, no entanto, é apenas que os cães gostam do sabor da grama. Como nós, que temos gostos específicos que apreciamos, os cães também têm. Grama pode ser apenas um deles. De qualquer maneira, a ideia de que apenas cães doentes comem grama é um equívoco. [Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (11 votos, média: 4,64 de 5)

3 comentários

  • EvandroJGC:

    Achava que eles comiam grama para regular o funcionamento instestinal. Sempre que minha cadela tinha dor de barriga eu via ela comendo grama

    • Cesar Grossmann:

      Como você sabe que ela tinha dor de barriga?

    • EvandroJGC:

      Pelo barulho que fazia no estômago, e ela ficava quieta também. Mas era mais uma suposição mesmo.

Deixe seu comentário!