10 teorias pseudocientíficas que te farão rir

Por , em 1.02.2015

Ao longo da história, tem havido inúmeras explicações científicas bem aceitas que mais tarde foram consideradas erradas. Mas alguns cientistas passam tão fora da marca que é preciso criar um novo termo para suas teorias bizarras totalmente equivocadas.

10. Wilhelm Reich com “Orgone”

pseudocientistas teorias erradas 10
Nascido em 1897, Wilhelm Reich foi um psiquiatra que trabalhou brevemente com Sigmund Freud e mais tarde começou a sua própria prática, em 1922. Em 1940, ele se mudou para os Estados Unidos e desenvolveu suas teorias. Segundo Reich, ele havia provado cientificamente a existência de um composto, uma forma de energia, que era a manifestação física da libido. Ela se acumulava no corpo e era descarregada com sucesso através de um orgasmo. Reich construiu uma máquina que lhe permitia estudar essa energia, chamada por ele de “orgone”. Com essa energia, formulou teorias sobre tudo, desde a gravidade até o clima.

Reich e seus apoiadores fizeram muita pesquisa sobre as propriedades do orgone. Em 1947, ele escreveu um livro chamado “The Cancer Biopathy” com base em suas experiências com células cancerosas de ratos. O cientista alegava ser capaz de prolongar a vida dos seus animais doentes por semanas, ainda mais quando usava a energia coletada de sua máquina de orgone. Até hoje existem organizações (como o American College of Orgonomy) que estudam formalmente o trabalho de Reich e oferecem tratamento para várias condições, incluindo transtorno de estresse pós-traumático, esquizofrenia, anorexia e transtorno obsessivo-compulsivo.

9. Frederic Petit com “A outra lua”

pseudocientistas teorias erradas 9
De acordo com o astrônomo Frederic Petit, a Terra tem uma segunda lua. Trabalhando em 1846 em um observatório em Toulouse, na França, Petit afirmou que a presença de uma segunda lua explicava todas as irregularidades astronômicas que a comunidade científica estava tendo dificuldades em resolver. Essa segunda lua tinha um tempo orbital de apenas 2 horas, 44 minutos e 59 segundos. No seu ponto mais distante da Terra, estava a cerca de 3.570 km de nós. Ninguém levou suas descobertas a sério, embora ele tenha publicado artigos por 15 anos após a sua “descoberta” inicial.

A teoria de Petit, apesar de bizarra, não é única. Outros também creem que a Terra tem mais de uma lua. Em 1989, Georg Waltemath afirmou ter descoberto que a Terra era orbitada por toda uma rede de “mini-luas”. Algumas iluminavam o céu com a mesma força que o sol, disse. O louco ainda lançou uma série de datas e horários em que as pessoas podiam ver estas pequenas luas, mas ninguém nunca viu nada fora do comum.

8. Marcel Vogel com “Plantas sentimentais e cristais mágicos”

pseudocientistas teorias erradas 8
Marcel Vogel descobriu que as plantas têm sentimentos. Mais ou menos. Técnico da IBM, ele pesquisou as respostas das plantas a estímulos de corte e danos, que provocavam uma reação que poderia ser lida e entendida em termos de energia liberada. De acordo com Vogel, as plantas estavam respondendo em conjunto com suas próprias emoções e energia. Ele determinou que elas estavam armazenando suas energias mentais e liberando-as no momento em que interagiam com ele.

Isso foi na década de 1960. Em 1984, Vogel fundou a Psychic Research Inc. com algumas metas muito ambiciosas. Ele queria purificar a água, reorganizar sua energia e acelerar o processo de envelhecimento de vinhos – tudo usando apenas cristais de quartzo.

Vogel alegou que passou a acreditar no poder dos cristais depois de meditar sobre o rosto da Virgem Maria enquanto se concentrava em um desses objetos. Depois de uma hora de foco, o cristal tomou claramente a forma de sua imagem mental. Alguns dos cristais cortados por Vogel ainda estão disponíveis para a venda – e são caros -, mas não criam energia, apenas amplificam a emitida pelo corpo de uma pessoa. Vogel informou que a força mais poderosa é o amor, e seus cristais são capazes de capturar, armazenar e ampliar o amor.

7. Ignatz Von Peczely com “Iridologia”

pseudocientistas teorias erradas 7
Enquanto nossos olhos podem de fato refletir nosso bem-estar, o médico húngaro Ignatz von Peczely levou essa ideia a um novo nível. Tudo começou quando ele notou uma marca preta no olho de uma coruja cuja perna ele tinha quebrado. Embora o incidente tivesse acontecido quando ele era jovem, Ignatz nunca o esqueceu. Quando se formou em 1867, já havia estudado os olhos de inúmeros pacientes e criado um gráfico de qual parte da íris era relacionada com qual parte do corpo.

De acordo com von Peczely e um contemporâneo chamado Nils Liljequist, qualquer distúrbio no corpo poderia ser diagnosticado através de alterações na cor da íris, sem necessidade de exames. Hoje, ainda existem iridólogos treinados para detectar doenças e defeitos genéticos através dos olhos. As pessoas são classificadas em três “tipos constitucionais” definidos por cor: as de olhos azuis pertencem ao tipo linfático e são predispostas a problemas de pele como acne, caspa, artrite, bronquite e irritações oculares. Pessoas de olhos castanhos são do tipo hematogênico e propensas a desenvolver anemia, doenças do aparelho digestivo, doenças crônicas e degenerativas, diabetes e gases. O terceiro tipo é uma mistura dos dois, chamado de biliar. Se a sua cor dos olhos é verde ou qualquer outra mistura de marrom e azul, significa que você é suscetível a doenças associadas com ambos os tipos, especificamente gases e doenças do sangue.

6. Juiz Edward Jones com “Personologia”

pseudocientistas teorias erradas 6
De acordo com um livro escrito pelo fundador do Centro Internacional para Personologia, a ciência começou na década de 1930 com um juiz do sistema tribunal de Los Angeles, nos EUA. Depois de ver os rostos de réu após réu, o juiz Edward Jones começou a correlacionar as aparências faciais das pessoas com os crimes que haviam cometido.

Mais tarde, mais “pesquisa” foi feita por um editor de jornal chamado Robert Whiteside. De acordo com as suas conclusões, o rosto de uma pessoa pode ser um indicador claro de que tipo de personalidade ela tem. Ele acreditava que ambas as coisas eram geneticamente determinadas e portanto deviam estar conectadas.

5. Alfred William Lawson com “Lawsonomia”

pseudocientistas teorias erradas 5
Alfred William Lawson foi lançador de beisebol profissional por 20 anos. Quando se cansou dessa profissão, se virou para a aviação. Ele é creditado com tendo uma ideia para criar um certo avião, mas suas próprias tentativas de formar uma empresa e construir uma frota falharam miseravelmente. Ele então fundou a Universidade de Lawsonomia, que ensinava apenas uma coisa: a própria Lawsonomia.
E o que seriam esses ensinamentos? Coisas como “não existe energia, apenas uma constante batalha de puxa-e-empurra entre as coisas com alta densidade e baixa densidade”; “a Terra está nadando em éter”; “tudo o que existe na Terra é sugado para o planeta através de um grande buraco perto do Polo Norte e distribuído por todo o mundo através de suas artérias internas” etc.

Alimentação e nutrição são conceitos complicados em Lawsonomia. As plantas são parasitas da Terra, e é provável que estão se comunicando entre si de uma maneira que não entendemos. Também, cozinhar suga toda a vida e os nutrientes de alimentos. Lawson chegou a essa conclusão por causa do que acontece com uma pessoa quando ela é jogada no fogo. É lógico que a mesma coisa acontece com tudo o que vive.

A Universidade de Lawsonomia chegou ao fim depois de uma investigação que questionou o que a instituição sem fins lucrativos estava fazendo com os seus fundos (mas deveria mesmo é ter questionado literalmente tudo sobre “Lawsonomia”).

4. Hanns Hõrbiger com a “Teoria Cósmica do Gelo”

pseudocientistas teorias erradas 4

Na década de 1920, o austríaco Hanns Hõrbiger inventou a seguinte teoria: tudo era feito de gelo no universo, desde as estrelas no céu até a Terra e o desenvolvimento da vida nela. Sua explicação para o desenvolvimento da ideia era bastante ambiciosa: Hõrbiger teve uma visão em 1894. Foi-lhe revelado que o gelo era a base de tudo. Os fatos que ele estava construindo suas teorias em torno eram baseados em “intuição criativa” e “experimentos artificiais”.

Ao invés de começar com a comunidade científica, Hõrbiger introduziu suas teorias para o público, na esperança de que o apoio popular fosse uma influência positiva. Surpreendentemente, funcionou. Livros e programas de rádio adotaram a Teoria Cósmica do Gelo na Alemanha, mas, depois da guerra, a credibilidade da ideia morreu.

3. John Keely com a “Máquina de Movimento Perpétuo”

pseudocientistas teorias erradas 3
Nascido em 1837, o vigarista John Keely conseguiu convencer muita gente de que tinha criado uma máquina de movimento perpétuo. Ele clamou que havia descoberto uma forma completamente nova de energia física que poderia produzir uma quantidade incrível de poder. Usando moléculas de água, Keely era capaz de sincronizar as vibrações moleculares com sua máquina e criar energia interminável.

Logo, ele conseguiu arrecadar US$ 5 milhões em capital com investidores para iniciar a Keely Motor Company. Ele foi capaz de demonstrar o seu motor de grande escala em 1874. Suas descrições incluíam palavras como “éter-etérico” e “impulsos metálicos”, e a máquina era ligada muitas vezes com a ajuda de vibrações de um instrumento musical. Ele manteve os investidores interessados por muito tempo, ao mesmo tempo se recusando a pedir qualquer patente, com medo de que alguém roubasse sua ideia.

Em 1890, organizações como a Scientific American começaram a questionar a tal máquina. Keely ainda conseguiu manter a empresa por mais oito anos, até morrer em 1898. Em resumo, a Keely Motor Company ficou ativa por 25 anos sem um produto e sem pagar um único dividendo a qualquer investidor. Quando eles foram checar a máquina após a morte do golpista, encontraram um piso falso e um recipiente de ar comprimido que eram a explicação para o “poder” do aparelho.

2. Rene Blondlot com os “Raios-N”

pseudocientistas teorias erradas 2
Em 1903, a comunidade científica estava animada com a descoberta da radiação e dos raios-X. O cientista francês René Blondlot estava experimentando com raios-X quando alegou ter tropeçado em algo ainda mais incrível: raios-N, nomeados assim em homenagem a sua cidade natal, Nancy.

Problema: ninguém conseguiu repetir facilmente os resultados de Blondlot. O cientista detectou pela primeira vez os raios-N quando viu uma pequena faísca do canto do olho. Suas instruções sobre como detectar raios-N eram bastante questionáveis (por exemplo, incluíam trancar-se em um quarto escuro por um tempo antes de realizar os experimentos para garantir que os olhos se ajustassem, e a nota de que algumas pessoas não seriam capazes de vê-los da primeira vez, nem da segunda ou da terceira).

Ainda assim, Blondlot e seus colegas franceses fizeram uma lista das propriedades dos raios-N – eles podiam supostamente passar por qualquer coisa que bloqueasse luz e só seriam parados por materiais transparentes; eram emitidos pelo sol, mas apenas em dias nublados etc. No entanto, pesquisadores na Inglaterra e na Alemanha não estavam convencidos da descoberta, que foi finalmente desmascarada quando um físico da Universidade Johns Hopkins (EUA) foi à França ver o experimento e provou que não havia nenhum raio-N. A carreira de Blondlot foi arruinada.

1. Albert Abrams com “Radiônica”

pseudocientistas teorias erradas 1
No início de 1900, um médico chamado Albert Abrams afirmou ter descoberto o segredo para diagnosticar e curar quase qualquer doença do corpo humano. A resposta estava nas vibrações de cada célula. Estas vibrações, chamadas de reações elétricas de Abrams, podiam ser lidas por muitos dispositivos. A prática, nomeada radiônica, detectava doenças através de amostras de sangue, saliva, unha ou até mesmo por análise de um objeto pessoal do aflito.

Sem surpresa, muitas pessoas chamaram a ciência de fraudulenta. A Scientific American e a Administração de Drogas e Alimentos dos EUA questionaram a ideia de Abrams, e enviaram amostras de sangue a fim de investigar se os resultados seriam precisos. A primeira amostra foi diagnosticada com colite, embora a pessoa de quem foi tirada estivesse morta. Um amputado foi diagnosticado como tendo artrite na perna que tinha perdido, e uma galinha foi diagnosticada com sinusite.

Por incrível que pareça, ainda existem organizações que praticam radiônica, descrita como uma ciência intuitiva utilizada para diagnosticar problemas usando os campos de energia de uma pessoa. [Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votos, média: 5,00 de 5)

4 comentários

  • Adriano Santana:

    Sobre o item 6, há uma referencia mais antiga sobre isto Cesare Lombroso e a Antropologia Forense de 1880!

  • Rafael Lanzarini:

    Faltou o Cronovisor do padre Ernetti

  • Jean Carvalho:

    A “teoria do Orgone” do Reich, lembra um pouco a “teoria do Fluido Universal, do Anton Mesmer (mesmerismo) Alguém se lembra disso?

    • Adriano Santana:

      Sim! Que foi adotada por Allan Kardec, não?

Deixe seu comentário!