6 a cada 10 pessoas no mundo vivendo com demência sem diagnóstico

Por , em 14.09.2011

Um relatório mundial sobre Alzheimer de 2011 estima que 27 dos 36 milhões de doentes em todo o globo – 75% – estão vivendo com demência sem terem sidos diagnosticados.

A Grã-Bretanha, com 750 mil doentes, é um dos piores países ricos quando se trata de diagnóstico. Em alguns países, os médicos conseguem identificar quatro das cinco pessoas com a condição.

“Essas pessoas precisam ser ajudadas. Melhorar o diagnóstico precoce pode beneficiar tratamentos e apoio, que poderiam melhorar muito a qualidade de vida dos doentes. O relatório de hoje deve despertar-nos a tomar medidas decisivas e transformar as taxas de diagnóstico em todos os lugares”, disse Jeremy Hughes, chefe executivo da Sociedade do Alzheimer.

O relatório descobriu que os governos poderiam economizar bilhões se focassem no diagnóstico precoce, já que poderiam salvar mais de 16.000 reais por pessoa, por exemplo, reduzindo a necessidade de cuidados especiais ou lugares em hospital.

Estudos indicam que drogas como Aricept, Exelon e Reminyl permitem que os pacientes permaneçam independentes por mais tempo nos estágios iniciais do mal de Alzheimer, a forma mais comum de demência.

No entanto, uma crença errônea de que a demência é uma parte normal do envelhecimento leva ao não diagnóstico de muitas pessoas até os estágios finais da doença.

Enquanto não há “nenhuma maneira única” de fechar esta “lacuna no tratamento” do Alzheimer, o que está claro é que cada país precisa de uma estratégia nacional que promova o diagnóstico da demência precoce e cuidados continuados posteriormente.

O diagnóstico precoce é fundamental, pois permite que as pessoas planejem seu futuro, evitando a necessidade de intervenção em crise e admissão a cuidados hospitalares agudos.

Isto proporciona melhores resultados para as pessoas com demência, o que lhes permite viver bem melhor. Se você está preocupado com um membro da família, quanto mais cedo você discutir o problema, melhor. Não espere até que uma crise force a situação.[Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

9 comentários

  • Newbie:

    Quem já presenciou a experiencia de estar em um comodo da casa ou trabalho e não saber o que foi fazer lá, com certeza tem com o que se preocupar…

  • Aloisi:

    Eu tava lendo a matéria pensando na minha vó. Pensando se eu falava algo sobre o assunto pra ela ou não até que…

    “Se você está preocupado com um membro da família, quanto mais cedo você discutir o problema, melhor. Não espere até que uma crise force a situação.”

    Depois disso me pareceu até um sinal. Vou seguir o conselho.

    Obs: Segundo artigo que fala sobre essa doença maldita e que eu penso em alertar minha vó né, reincidência é caso de ação imediata, é o que farei aha =D

  • sergio antoniazzi:

    Seria bom para todos que enunciassi qual o tratamento adquado para evitar maiores consequencias posteriores.

  • Alex:

    O Título da matéria dá margem à uma interpretação ambigua.
    Seria melhor algo como: 6 em cada 10 pessoas com demência não foram diagnosticadas.
    Veja que o Ze da Feira também percebeu isso.

  • zelia:

    Não brinquem com coisa séria!
    É muito triste ter uma mãe acometida com tal doença, e não poder fazer nada para ajudar a tratá-la.

  • Ze da Feira:

    Achei que era em toda a população. Se bem que…

  • Pensador®:

    A maioria dos eleitores brasileiros estão com demência. Votam em qualquer um. Também não se lembram em que votaram nas últimas eleições.

  • 13:

    Então tomem cuidado, se num grupo de 10 dos seus amigos, 4 forem normais, vc é um demente…kkk

    • X:

      tem razao…kkkkkk
      e quem negativar o comentário é por que tem 4 amigos normais kkkk

Deixe seu comentário!