7 alimentos com má reputação que são na verdade saudáveis

Por , em 5.10.2018

Nos últimos anos, a ciência dietética passou por mudanças dramáticas de orientações, no que diz respeito a quais alimentos fazem bem ou mal para a saúde.

Confira sete deles que costumavam ter má reputação, mas agora os especialistas dizem que não podemos viver sem:

Abacates: uma deliciosa fonte de energia nutricional


Na era da dieta com baixo teor de gordura de uma geração atrás, os nutricionistas consideravam os abacates suspeitos devido ao seu alto teor de gordura.

Eles têm muita gordura, realmente: uma xícara de abacate possui cerca de 21 gramas. No entanto, 14 gramas são de gorduras monoinsaturadas, e estudos mostraram que essas gorduras podem na verdade reduzir nosso nível de lipoproteína de baixa densidade (LDL), conhecida como colesterol ruim.

“É preciso ter em mente o tipo de gordura que se está consumindo. É importante incorporar boas gorduras”, explica Ashley Amaral, nutricionista da Banner Health em Arizona (EUA).

Abacates também são recheados de vitaminas e minerais, incluindo potássio, magnésio, folato, vitaminas K, C, E, B5 e B6.

Por fim, oferecem outros benefícios. “Os abacates têm um maior valor de saciedade, o que significa que você se sentirá satisfeito por mais tempo”, esclarece Samantha Coogan, nutricionista e diretora do programa didático de nutrição e dietética da Universidade de Nevada em Las Vegas (EUA).

A única ressalva é que o abacate é um alimento de alto teor calórico, por isso Coogan recomenda comê-lo com moderação.

Ovos: uma fonte de proteína tradicional


O consumo excessivo de ovos já foi associado ao aumento do colesterol e de condições cardiovasculares. Ao mesmo tempo, diversas pesquisas mostraram que eles não afetam negativamente os níveis de colesterol.

No geral, os especialistas reconhecem que os ovos têm um lado muito saudável.

A Associação Americana do Coração recomenda até quatro ovos inteiros (ou seja, com gemas) por semana. As gemas abrigam praticamente todas as vitaminas que o corpo humano precisa, incluindo folato e vitaminas D e B12.

Batatas: alimento para o cérebro e para os músculos


Quando dietas com baixo teor de carboidratos se tornaram populares, certas frutas e vegetais ganharam má reputação por seu alto teor de açúcar ou amido. A batata é um desses vilões sem fama merecida.

Usina de potássio, oferece cerca de duas vezes mais desse mineral crítico por porção que uma banana. Além disso, é livre de gordura e colesterol. Ou seja, você pode comer sem culpa, desde que seja uma quantidade moderada de uma versão não frita deste alimento rico em carboidratos.

A humilde batata também é boa para o cérebro, segundo Coogan – oferece a glicose necessária para o órgão funcionar. Por fim, é ótima para restaurar as reservas de glicogênio muscular depois de se exercitar.

Arroz branco: energia rápida com benefícios


O arroz branco com baixo teor de gordura contém vitamina B6, magnésio e algumas proteínas. Essa é uma boa notícia, já que seu gosto leve e prazeroso atrai praticamente todo mundo.

“Não há razão para substituí-lo por arroz integral, especialmente para reabastecer após o exercício”, argumenta Coogan.

Embora nem todos os especialistas em nutrição concordem – muitos ainda preferem o perfil nutricional geral do arroz integral -, é seguro integrá-lo à sua dieta como uma opção de acompanhamento semanal.

Nozes: boas gorduras em pequenas doses


Esse é outro alimento que atraiu muitas críticas por seu alto teor de gordura. A pesquisa científica já corrigiu esse erro: nozes são cheias de gorduras mono e poli-insaturadas, os tipos bons. Também oferecem muita fibra e proteína.

Você pode incorporá-las em pratos salgados ou doces na sua rotina diária, ou abocanhar um punhado durante a hora do lanche para matar a fome.

Pipoca: um lanche que você pode comemorar


Em sua forma mais simples, a pipoca é um lanche saudável repleto de fibras integrais e antioxidantes, incluindo polifenóis, nutrientes que promovem a saúde do cérebro.

Então vá em frente e sacie seu desejo!

Chocolate amargo: uma escolha virtuosa de sobremesa


O chocolate meio amargo é rico em antioxidantes chamados flavonoides, que são ótimos para o coração e podem melhorar o funcionamento cognitivo.

O truque é comer porções pequenas, cerca de 30g, pois, mesmo nas versões amargas, ainda é um alimento altamente calórico.

Quanto maior a porcentagem de cacau no chocolate, maior a concentração de nutrientes que ele conterá e menos doce será. Para um bom equilíbrio entre nutrição e sabor, 72% de cacau é a melhor opção. [Forbes]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (41 votos, média: 4,73 de 5)

2 comentários

Deixe seu comentário!