9 bizarros fatos sobre o efeito placebo!

Por , em 19.02.2013

O efeito placebo é um dos fenômenos mais estranhos e menos compreendidos da fisiologia e psicologia humanas. A maioria de nós já experimentou ou ouviu falar nele: é a ideia de que podemos, essencialmente, nos curar de doenças simplesmente porque acreditamos que estamos sendo curados.

A ideia de nós mesmos nos enganarmos a ter saúde prova que o cérebro é realmente uma entidade extremamente poderosa. Embora faça sentido, de uma forma estranha, que sejamos capazes de fazer isso, há certos aspectos do efeito placebo que até mesmo cientistas e médicos não conseguem explicar. Veja 10 exemplos notáveis do efeito placebo:

9. Efeito placebo também ocorre entre cães e outros animais

efeito placebo fatos

Empresas farmacêuticas empregam os mesmos procedimentos (testes duplos e cegos) em cães ao testar medicamentos para animais, como para humanos. Em um estudo em particular, cães com epilepsia receberam ou uma medicação, ou um placebo. O grupo do placebo reagiu de forma extremamente positiva.

Novos estudos com hamsters também revelam que a maioria dos animais tem algo semelhante ao efeito placebo, que entra em ação dependendo do ambiente e da energia corporal disponível. Quando hamsters foram levados a acreditar que era inverno, seu sistema imunológico entrou em um estado mais dormente para preservar energia. Esse mecanismo ajuda a explicar por que não podemos simplesmente nos recuperar, mas precisamos tomar uma pílula, seja qual for. Em essência, nós precisamos de algum tipo de influência externa para iniciar a sequência de eventos que levam ao efeito placebo.

8. Embriaguez placebo

8

Mulheres geralmente ficam bêbadas mais facilmente que os homens, requerendo menos álcool. Na verdade, para ficar embriagado não é necessário nenhum álcool. Isso porque podemos simplesmente enganar-nos a pensar que estamos bêbados. Pesquisas diferentes já descobriram que aqueles que acreditam ter bebido álcool (mesmo que a bebida fosse não alcoólica) se sentem bêbados e têm realmente o julgamento prejudicado. Ou seja, se saem pior em testes simples e seu QI torna-se menor, como se estivessem realmente embriagados.

7. Onde você mora afeta o efeito placebo

7

Americanos tendem a exibir hipocondria mais do que qualquer outra cultura na Terra, já que a propaganda de saúde e medicamentos lá é extensa. Por alguma razão, tendem a atribuir muito poder aos medicamentos que podem ser injetados na veia (provavelmente porque foram condicionados a respeitar o poder de injeções desde o nascimento). Europeus, por outro lado, reagem de forma mais positiva a comprimidos de placebo do que injeções.

Ou seja, fatores culturais influenciam fortemente a maneira pela qual o efeito placebo se manifesta. Drogas de placebo utilizadas em um estudo para o tratamento de úlceras funcionaram muito melhor na Alemanha do que no Brasil. Um teste de drogas para hipertensão foi o menos reativo para as pílulas de placebo na Alemanha. Esses fatores culturais são poderosos na formação das nossas esperanças, medos e expectativas, de maneira que o efeito placebo se transforma quando atravessa fronteiras.

6. Placebo ainda funciona mesmo que você saiba que é placebo

6

Toda a premissa do efeito placebo é que os pacientes acreditam que estão recebendo medicamento verdadeiro e são curados. Mas, mesmo quando os pacientes descobrem que estão recebendo uma droga falsa, ela ainda funciona de forma eficaz, o que não faz nenhum sentido.

Em testes nos quais os doentes recebem medicamentos simulados, eles são eventualmente informados de que tomaram placebo. Depois de saber disso, cientistas esperam que os benefícios positivos do remédio diminuam ou pelo menos enfraqueçam nos pacientes. Mas, pelo contrário, os efeitos positivos permanecem e muitos querem continuar a tomar a droga. No futuro, isso poderia significar que médicos prescreverão pílulas de açúcar para pacientes com pleno conhecimento que estão tomando placebo.

5. É possível derivar efeito placebo através de infecções falsas de doenças não relacionadas

5

Um grupo de médicos queria ver se as pessoas que sofriam de asma que fossem infectadas com amarelão iriam sentir alívio nos seus sintomas. Eles dividiram o grupo de doentes asmáticos em dois, infectaram um com ancilóstomo, e fizeram o segundo pensar que também tinha sido infectado.

O grupo que tinha realmente sido infectado viu uma melhora. O segundo grupo, incrivelmente, também. Isso demonstrou que as melhorias de ambos os grupos foram resultado do efeito placebo. A maior parte do grupo que tinha sido infectado escolheu manter as infecções após terminar o estudo, por causa das vantagens percebidas.

4. Placebo tem um gêmeo malvado chamado de “nocebo”

4

Assim como as nossas expectativas sobre a eficácia de uma droga podem influenciar a nossa reação a um placebo, uma expectativa de efeitos colaterais pode levar-nos a experimentá-los também. Isso tem se manifestado em uma infinidade de formas, às vezes extremas, e ficou conhecido como “nocebo”.

Um estudo notável documentou os efeitos do nocebo na Itália, onde pessoas com ou sem intolerância à lactose tomaram o que pensaram ser lactose (não era). 44% das pessoas com intolerância e 26% sem intolerância desenvolveram sintomas de desconforto gastrointestinal.

Como se ter diarreia e estômago sem motivo algum não fosse ruim o suficiente, imagine perder a fé em seu pênis normal por causa do que o seu médico lhe disse. O efeito nocebo lamentavelmente funciona em pessoas que tomam medicamentos reais, como foi revelado por um estudo realizado em homens que tomaram a droga finasterida para próstatas aumentadas. Metade foi informada pelo médico que disfunção erétil era um possível efeito colateral, e a outra metade não. Do grupo que ouviu sobre o efeito, 44% relataram disfunção erétil, em comparação com apenas 15% do grupo que não tinha sido informado.

Em outro estudo, um paciente participando de um teste para medicação antidepressiva engoliu 26 pílulas de placebo em uma tentativa de suicídio. Mesmo sendo completamente inofensivas, sua pressão arterial de alguma forma caiu perigosamente.

3. Cor e tamanho afetam o efeito placebo

3

Nossa percepção de quão bem funciona uma pílula muitas vezes determina o quão bem ela realmente acaba funcionando. Esta eficácia percebida é baseada em grande parte no tamanho, forma e cor da pílula.

Pesquisadores descobriram que pílulas de placebo amarelas são as mais eficazes no tratamento da depressão, enquanto pílulas vermelhas levam o paciente a ficar mais alerta e acordado. Comprimidos verdes ajudam a aliviar a ansiedade, enquanto pílulas brancas aliviam problemas estomacais, como úlceras. Quanto mais pílulas de placebo as pessoas tomam, melhor, com as tomadas quatro vezes por dia sendo mais eficazes do que as tomadas duas vezes por dia.

Comprimidos que têm uma “marca” carimbada sobre eles também funcionam melhor do que pílulas que não têm nada escrito sobre elas. Parece que nós somos superficiais até quando se trata de medicamentos falsos.

2. Cirurgias placebo também são eficazes

2

Imagine sofrer uma lesão que exige cirurgia e ser submetido ao procedimento, o que resulta em um membro sem dor. Agora imagine o médico lhe dizendo, um mês depois, que não reparou nada durante a cirurgia, apenas lhe cortou e lhe fez acreditar que um procedimento tinha ocorrido.

Isso é essencialmente o que vem acontecendo em testes médicos, e os resultados mostram que as cirurgias falsas podem ser tão eficazes quanto as reais. A melhor parte é, obviamente, que a cirurgia falsa é bem mais barata.

1. O efeito placebo ficou mais poderoso ao longo dos anos

1

O efeito placebo foi observado pela primeira vez no final de 1700, mas suas verdadeiras implicações fisiológicas não foram realmente compreendias até a década de 1970. Ainda assim, parece que, quanto mais os médicos conduzem testes, mais poderoso o efeito placebo se torna.

Isso pode ser resultado de nosso condicionamento social. Humanos colocam muita fé em profissionais médicos. Conforme a tecnologia médica melhora, a mortalidade diminui e a nossa fé na medicina se torna mais forte. Tomamos conforto na rotina de ir ao médico, ser examinado, ir à farmácia e começar a tomar pílulas. Esperamos nos curar e, ao longo do tempo, essa expectativa tornou-se ainda mais pronunciada, conforme nossa fé na ciência se fortaleceu. Na Idade Média, teria havido pouca razão para ter fé nos procedimentos médicos, já que a maioria das pessoas morria. Hoje, nossa confiança nas drogas só deve crescer. Com isto, o efeito placebo cresce também.[Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

20 comentários

  • Kurt Lauschner:

    Então podemos concluir que as imagens nas carteiras de cigarro causem mais danos que os componentes do fumo?

  • Caio Silva:

    muito interessante!

  • Renan Altair Nardi:

    Bem, se o placebo não é remédio, não cura nada. Quem cura é a mente que por alguma forma sabe que o corpo, seu veículo ou habitação, está com defeito.
    Sou prova disso.
    Quando tenho alguma dor, concentro-me no local com intenção de que a dor e sua causa sejam eliminadas. Via de regra é o que acontece. Tenho 67 anos e isso tem sido uma benção.
    Sou também de opinião que o que acontece quando pessoas fazem imposição de mãos, benzem ou o que seja nada mais fazem do que ativar a mente do “paciente” que agirá em benefício de seu veículo avariado. A isso chamam de fé mas, para mim, nada mais é do que um mecanismo normal, natural e em franca evolução.
    Tomara que eu tenha razão porque, se tiver, bastará que todos conheçam o que têm à disposição.

    • Thayssa Reis:

      Renan, tomara que você realmente tenha razão.
      Acredito que a mente cria e modifica e tudo o que quisermos.

  • Anselmo Massular:

    Estamos dando muita ênfase á MENTE no efeito placebo. Acho que está na hora de perceber que não é a fabulosa “mente” que está produzindo estes efeitos. Nem a mente Consciente nem a Inconsciente, nem a Supramente e nem a Inframente. Estamos á frente de uma forma de energía desconhecida, que estamos apenas começando a arranhar. Como estas muitas outras presenças energéticas estão sendo detectadas, a cada dia…

  • tommy lommy:

    O placebo é a pedra no sapato dos racionalistas de plantão, a visão simplória de que a consciência é só uma espécie de imagem refletida pela matéria e/ou radiação.
    Apesar disso, vejam que os relatos pessoais têm um peso importante nessas experiências.
    Qual é o valor científico de experiências fundamentadas em relatos? É aí que se misturam fatos e viagem na maionese.

  • Franco C:

    Por isso muita gente acredita e se sente melhor ao usar remédios da homopatia, florais de bach, cromoterapia, cirurgias espíritas, etc…

  • Lais Helena Serra Ramalho:

    Muito interessante e impressionante. Se pudéssemos utilizar comprimidos placebos para algumas doenças, isso poderia reduzir o preço dos remédios e evitar efeitos colaterais causados pelas drogas verdadeiras, simplesmente afirmando que não existirão efeitos colaterais. E o mais assustador é que funciona mesmo que você saiba que está tomando placebos. E eu não sabia que isso funcionava com cirurgias também O_O

  • otavio junior:

    e amanhã aparece uma matéria declarando que 80% dos pacientes reagiram bem a uma nova droga que estava sendo testada, e ficaremos ressabiados sem saber se era placebo ou não.

  • blb:

    Vou me fazer acreditar que engolir um M&M inteiro emagrece…

  • Edgardo A. PRADO:

    estou virando fã de Nat (Natasha Romanzoti).

    Queria ter tempo de ler tudo o que ela escreve…

  • Revitalizando Brasil:

    Com o efeito Placebo influenciamos nosso cérebro a ignorar estímulos e realizar falsas interpretações. Com a descoberta do efeito os cientistas estão a cada dia mais certos de que Deus é o maior placebo que existe!

  • grasisuperstar:

    Como não gosto muito de usar medicação sem receita, Eu mesma ja apliquei tratamento placebo em casa e quase sempre funcionou…
    Ja curei dor de cabeça da minha vò com bolinha de miolo de pão que ela pensou que fosse um comprimido.
    Acredito que á mente tem poder para curar o corpo..só não sabemos usar direito ainda…..Ótima reportagem.

  • Lucas Noetzold:

    item 6 o mais estranho

  • JHR:

    O efeito placebo em animais e controverso…veja no link a opinião de um prof. de veterinária da USP, onde inclui a homeopatia nesta celeuma:
    http://www.veterinariosnodiva.com.br/Nilson.htm

    • Edgardo A. PRADO:

      a homeopatia podia se chamar “placebopatia”, né?

  • JHR:

    Natasha
    Acho que o link no item 9. está incorreto. O texto não diz nada a respeito de melhora no grupo que recebeu o placebo:

    “Em um grupo de cães, os cientistas retiraram OECs do revestimento de seus próprios narizes e injetaram essas células no local de sua lesão. Outro grupo apenas recebeu placebo. O estudo foi “às cegas”, o que significa que nem os pesquisadores nem os donos dos cães sabiam quais animais receberam o tratamento ativo ou o placebo até que o estudo terminasse.

    Os cientistas observaram os cães para reações adversas por 24 horas antes deles serem devolvidos aos seus proprietários. Em seguida, testaram a função neurológica dos animais a cada mês, avaliando também sua capacidade de andar em uma esteira.

    Uma melhoria significativa foi observada nos cães que receberam OECs, mas não naqueles que receberam placebo. Os cães tratados com as células conseguiram mover os membros posteriores anteriormente paralisados e coordenar seus movimentos com suas patas dianteiras”

    Não entendi!

    • José Luís:

      Mas o efeito placebo é qdo a pessoa/animal acredita que o que ela esta tomando ira surtir efeito pra curar o problema que ela estiver
      Nesse caso dos cahorro, por eles serem animais irracionais, eles nao sabiam pra qual finalidade a substancia estava sendo injetada neles,nao podendo acreditar que isso iria isso surtir efeito positivo, entao nao foi exatamente um efeito placebo

Deixe seu comentário!