A maioria dos experimentos com macacos leva a pouco benefício médico

Por , em 31.07.2011

Cientistas fizeram uma análise de experimentos com primatas não humanos ao longo de dez anos e descobriram que 9% desses experimentos não resultaram em nenhum benefício científico ou médico.

Além disso, a maioria dos 3.000 experimentos em macacos financiados por três órgãos da Grã-Bretanha entre 1996 e 2006 não tiveram um impacto médico significativo.

No entanto, especialistas explicam que esse número é devido, em parte, ao fato de a maioria dos estudos serem dedicados a aprender mais sobre o funcionamento do cérebro. Portanto, eles podem ter feito progresso científico significativo sem contribuir diretamente para a medicina humana.

Ou seja, apesar dos pesares, a revisão concluiu que a investigação médica em macacos é justificada e a maior parte dos trabalhos realizados é de boa qualidade.

Por exemplo, testes em macacos têm ajudado os cientistas a desenvolver com sucesso uma vacina contra a pólio e terapias de mudança de vida com “estimulação cerebral profunda” para pacientes com mal de Parkinson.

Ainda assim, o relatório alerta que outros estudos, tais como experiências relacionadas à visão, não levaram a lugar nenhum e nunca deveriam ter sido realizados.

Os pesquisadores que conduziram a análise disseram que o financiamento de estudos em primatas não humanos não deve ser continuado a não ser que um esforço foi feito para demonstrar seus potenciais e plausíveis benefícios médicos e sociais.

Ativistas do bem-estar animal disseram as descobertas reforçam o argumento para uma proibição total dos testes em primatas na Grã-Bretanha.

Lá, os acadêmicos representam apenas cerca de 10% dos 3.000 testes realizados em macacos a cada ano, sendo que a maior parte dos experimentos é feita por indústrias. Em comparação, os cientistas americanos realizam cerca de 60.000 experimentos em primatas por ano.

Recentemente, cientistas alertaram para limites éticos nos estudos com primatas, que poderiam causar híbridos de humanos e animais para os quais não estamos preparados.[Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 2,00 de 5)

7 comentários

  • Michaella Enguel:

    Essas pesquisas são VERGONHOSAS!Mesmo que trouxessem benefícios, quem disse que o ser humano tem o direito de explorar outras criaturas para resolver os seus problemas?
    Já é hora de respeitarmos os outros habitantes deste planeta e deixarmos de ser um bando trogloditas egoístas!

  • Quimera Falante:

    o que os cientistas fazem aos animais em laboratórios é uma abominação.
    existem várias maneiras de se fazerem testes sem ter que usar animais, mas as pessoas encistem em se manter nesse tipo de tortura por pura falta de vontade de adotarem métodos menos cruéis, incapacidade de compreender a dor animal, e por fator econômico.
    do que adianta tantos avanços científicos a custa da vida de milhares de animais que vão passar o seu curto período de vida em gaiolas com medo, e sofrendo todo o tipo de dores das mai horríveis.
    nada justifica isso, a dor e sofrimento que eles sentem é a mesma que qualquer ser humano sente, daria no mesmo usar humanos contra sua vontade nesses experimentos em que se injeta acido dentro dos olhos ou se abrem os corpos ainda vivos.

  • Raphael:

    Pesquisas com animais são uma tradição que deve ser removida. Existem meios superiores de progredir que são muito mais éticos do que métodos que utilizam animais.
    Vidas poderiam ser salvas tanto animais humanas e não-humanas. Os apoiadores da vivisecção criam esse “medo” de que a ausência de animais poderia atrasar ou barrar os avanços.

  • Issamu Matsumoto:

    De certa forma, a grande dívida acumulada pela humanidade em relação aos que sentem prazer e dor, manifestam felicidade e sofrimento, senão dirimida, ao menos é diminuída nas guerras, catástrofes naturais, epidemias…
    Visitem: dreamforanimalfreedom.blogspot.com

  • Luan P.:

    Veja o documentario Earthlings , ae veja sem pelo menos um vale a pena ..

  • Gyver:

    Não me agrada nada que os bichos sofram, mas apoio os testes com animais porque o resultado deles tem potencial para um dia salvar a vida a algum familiar meu.
    Mas há soluções melhores. Podiam testar em criminosos e bandidos condenados á pena máxima/morte. Ficavam os testes mais fiáveis e sempre se poupava a vida a uns macacos.

  • Jorginho:

    Fica o dilema: É JUSTO?
    Como fica os direitos dos animais?
    Se eu fosse dono de algum laboratório iria produz muito males para haver muita grana e poderio.

    Antes que alguém me crucifique numa cruz, digo isso falando de mentes doentias, atrás de grana e poder.

    E quem garante que muitas doenças não tenha sugido devido erros em experimentos e outros propositais?
    Quem garante que vírus e bactérias não esteja sendo modificadas com esse propósito?
    Nas guerras já usaram e quem garante que não usam sobre certas populações de forma branda?

    Quanto aos animais, admito haver grande progressos…
    Todavia,não concordo com essas pesquisas.
    Muitas vezes acabam criando doenças na tentativa de dominá-las. Como todos têm o direito de expressar, estou postando a minha opinião e deixando espaço para que post a sua.

Deixe seu comentário!