Há uma imensidão de civilizações mortas na Via Láctea: estudo

Por , em 2.01.2021

A maioria das civilizações alienígenas que já apareceram em nossa galáxia provavelmente já se destruíram.

Esse é o resultado de um novo estudo, publicado em 14 de dezembro no banco de dados de pré impressão arXiv, que usou astronomia moderna e modelagem estatística para mapear o surgimento e a morte da vida inteligente no tempo e no espaço pela da Via Láctea. Seus resultados são uma versão mais precisa de uma famosa equação que o fundador da Search for Extraterrestre Intelligence (SETI), Frank Drake, escreveu em 1961. A equação de Drake, popularizada pelo físico Carl Sagan em sua minissérie “Cosmos”, contava com uma série de variáveis misteriosas – como a prevalência de planetas no universo, que era uma pergunta sem resposta na época.

No novo artigo, escrito por três físicos da Caltech e um estudante do ensino médio, é muito mais prático. Diz onde e quando a vida é mais provável de ocorrer na Via Láctea, e identifica o fator mais importante que afeta sua prevalência: a tendência das criaturas inteligentes para a auto-aniquilação.

“Desde a época de Carl Sagan, tem havido muita pesquisa”, disse o coautor do estudo Jonathan H. Jiang, astrofísico do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA na Caltech. “Especialmente desde o Telescópio Espacial Hubble e o Telescópio Espacial Kepler, temos muito conhecimento sobre as densidades [de gás e estrelas] na via láctea e nas taxas de formação de estrelas e formação de exoplanetas … e a taxa de ocorrência de explosões de supernovas. Na verdade, temos alguns dos números [que eram mistérios na época do famoso episódio ‘Cosmos’].”

Os autores analisaram uma série de fatores que supostamente influenciam o desenvolvimento da vida inteligente, como a prevalência de estrelas semelhantes ao sol que abrigam planetas semelhantes à Terra; a frequência de supernovas mortais, de explosão de radiação; a probabilidade e o tempo necessários para que a vida inteligente evolua se as condições estiverem certas; e a possível tendência de civilizações avançadas de destruirem a si mesmas.

Modelando a evolução da Via Láctea ao longo do tempo com esses fatores em mente, eles descobriram que a probabilidade de vida emergindo com base nos fatores conhecidos atingiu o pico de cerca de 13 mil anos-luz do centro galáctico e 8 bilhões de anos após a formação da galáxia. A Terra, em comparação, está a cerca de 25 mil anos-luz do centro galáctico, e a civilização humana surgiu na superfície do planeta cerca de 13,5 bilhões de anos após a formação da Via Láctea (embora a vida simples tenha emergido logo após a formação do planeta).

Em outras palavras, somos provavelmente uma civilização que está na fronteira em termos de geografia galáctica e relativamente atrasados como habitantes da Via Láctea auto-consciente. Mas, assumindo que a vida surge razoavelmente frequentemente e eventualmente se torna inteligente, provavelmente há outras civilizações lá fora – a maioria agrupada em torno dessa banda de 13 mil anos-luz, principalmente devido à prevalência de estrelas semelhantes ao sol na região.

A maioria dessas outras civilizações que ainda existem na galáxia hoje são provavelmente jovens, devido à probabilidade de que a vida inteligente tenha grande possibilidade de se erradicar em longas escalas de tempo. Mesmo que a galáxia tenha atingido seu pico civilizacional há mais de 5 bilhões de anos, a maioria das civilizações que estavam por aí provavelmente se auto-aniquilaram, descobriram os pesquisadores.

Esta última é a variável mais incerta no artigo; quantas vezes as civilizações se destroem? Mas também é o mais importante para determinar o quão difundida é uma civilização, descobriram os pesquisadores. Mesmo uma chance extraordinariamente baixa de uma determinada civilização se exterminar em qualquer século — digamos, via holocausto nuclear ou mudança climática descontrolada — significaria que a esmagadora maioria das civilizações que atingiram seu pico na Via Láctea já se foram.

O artigo foi submetido a uma revista para publicação e aguarda revisão por pares. [Space]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

2 comentários

  • ENAX:

    A explosão demográfica vai acabar com a vida na terra. Todos o recursos do planeta serão exauridos. Os mares estarão poluídos, não haverá água potável. Os humanos nós próximos séculos destruirão o planeta…

    • Eviniciusb:

      O problema não é a explosão demográfica e sim a forma inconsciente que utilizamos recursos finitos :c

Deixe seu comentário!