África se torna grande mercado de celulares do mundo

Por , em 16.11.2011

O continente africano é o mercado de celulares que mais cresce no mundo, perdendo em tamanho apenas para a Ásia. Nos últimos cinco anos, o número de clientes cresce quase 20% anualmente.

Até o fim de 2012, o número total de clientes será de 735 milhões. O motivo desse crescimento, para alguns analistas, deve-se ao alto custo e baixa qualidade das linhas fixas no continente.

Peter Lyons, um dos diretores da GSM (Sistema Global para Comunicações Móveis), que possui o padrão de telefonia móvel mais popular do mundo, afirmou à BBC que a quantidade de usuários de celulares na África, no fim de 2011, atingiu 649 milhões.

E isso quer dizer que mais da metade da população pode ser encontrada longe de um fixo. “Isso equivale a 65%. De cada 100 pessoas, 65 possuem algum tipo de conectividade portátil”, comentou.

Mas o continente ainda não atingiu o padrão de tecnologia que estamos acostumados. Em uma declaração, a GSM afirmou que 96% dos usuários são pré-pagos, com pouca presença ainda de sistemas de trocas de dados.

Grande mercado

O Quênia fez algo parecido com a redução dos impostos sobre automóveis no Brasil, reduzindo em 16% as taxas sobre os celulares. Com isso, as vendas subiram mais de 200%.

Mas a Nigéria ainda é a linha de frente no número de clientes de celular: mais de 93 milhões, o que representa 16% do continente, afirma a GSM.

Já a África do Sul, um dos mais desenvolvidos da região, tem a maior penetração de banda larga móvel – 6%. Em segundo lugar vem o Marrocos, com 2,8%.

“A indústria portátil na África está explodindo, e ainda há espaço para muito desenvolvimento”, comentou Lyons. Para comprovar, ele disse que 36% das pessoas nos 25 maiores mercados africanos ainda não possuem acesso ao celular.

“Para tirar vantagem total desse potencial, os países precisam desenvolver mais base aos serviçoes de banda larga, e também introduzir reduções de impostos para as indústrias”, afirmou.

A GSM comentou que os países devem desenvolver escopo suficiente para tecnologias como 3G, HSPA (High-Speed Packet Access) e LTE (Long Term Evolution), que são inovações nos padrões de comunicação portátil e transmissão de dados.[BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • Asdrubal:

    É natural.
    No mundo desenvolvido já todos têm pelo menos um telemóvel funcional, pelo que já só compram para actualizar. Ao contrário, em países menos desenvolvidos, que estão a arrancar agora com mais força para esse tipo de consumo, é natural que haja mais gente a aderir.

    E desenganem-se que eles irão para telemóveis de há 10 anos atrás, irão exactamente para a tecnologia mais recente. Há muito a ideia que países menos desenvolvidos que adquirem tecnologia mais antiga ou recolhem os restos do mundo desenvolvido. Nada mais errado. Até mesmo ao adquirirem a tecnologia mais recente, leva a que ultrapassem tecnologicamente os países mais desenvolvidos, visto que estes terão que passar por um processo de substituição de equipamento obsoleto, o que leva tempo.

  • Gustavo J C. S.:

    Funk na áfrica? falou isso só pela maioria das pessoas de lá ser negra? Aqui no brasil só pessoas negras escutam Funk? Desde quando? Só falta falar que os celulares são vendidos no mercado “negro”. Preconceito cara.. pra que isso? Eu também não gosto e não ouço Funk, mas espeito quem gosta.

    • —:

      funkeiro não merece respeito enquanto andar com o carro no volume no maximo achando que todo quer ouvir aquela bosta

Deixe seu comentário!