Ajudar as pessoas aumenta seu tempo de vida

Por , em 13.09.2011

Um estudo da Universidade de Michigan (EUA) dá uma razão a mais para que as pessoas pratiquem o altruísmo: segundo os pesquisadores, quem se voluntaria para ajudar os outros, com desprendimento, melhora e aumenta saúde. Aparentemente, essa ação é um forte redutor de níveis de estresse no corpo humano, o que permite um salto na qualidade de vida.

Mas os pesquisadores garantem que o voluntário precisa agir sem nenhum interesse pessoal ou esperando recompensa (por exemplo, a recompensa de viver com mais saúde, se você ler esse texto e acreditar na pesquisa); é preciso que seja um ato movido pela simples vontade de fazer bem ao próximo.

Para chegar aos resultados, os pesquisadores conduziram um longo estudo com 10.317 pessoas. Em comum entre elas, o fato de terem cursado o Ensino Médio em 1957, ou seja, a maioria deles estava com 69 anos em 2008, quando se iniciou a última fase da pesquisa. Cerca de metade dos participantes eram mulheres.

Em 2004, os participantes responderam questionários sobre voluntariado. Neles, ficou especificada a quantidade de trabalhos voluntários na vida de cada um, com as respectivas razões que moveram as pessoas a trabalhar, e tomaram nota daqueles que pretendiam se voluntariar no futuro.

Em paralelo, foram analisados quadros de saúde de cada paciente datados desde 1992. Os “diagnósticos” seriam fechados ao lado de análises médicas, que incluíam indicadores como saúde mental, obesidade, uso de álcool e tabaco, além de também fatores sociais, estado civil e socioeconômico.

Entre as motivações dos voluntários, havia justificativas altruístas e outras nem tanto. Razões como “Eu sinto que é importante ajudar os outros” e “Voluntariado é uma atividade importante para as pessoas próximas a mim”, dadas por alguns dos participantes, conviviam com motivos como “Voluntariado é uma válvula de escape aos meus próprios problemas”, ou “Voluntariado me faz sentir melhor comigo mesmo”, e tudo foi devidamente anotado pelos pesquisadores.

Em 2008, iniciou-se a última fase da pesquisa, a verificação. Neste ano, a primeira bateria de resultados mostrou uma grande vantagem dos voluntários altruístas, no quesito taxa de mortalidade. Dos 2.384 voluntários, 4,3% faleceram de 2008 para cá. Entre os que se voluntariaram, mas o fizeram por interesse pessoal, a taxa foi 4%, um empate técnico com os integrantes do primeiro grupo. Entre os voluntários altruístas, o índice de mortalidade sofreu queda considerável: foi de apenas 1,6%.

Isso impressionou os pesquisadores, e colocou o estudo em um paradoxo: ajudar as pessoas, aparentemente, faz sua qualidade de vida crescer. Mas se você escolhe ser voluntário por causa disso, para melhorar sua saúde, esse benefício perde o efeito. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

11 comentários

  • Leyde:

    Só que a maioria que são voluntários é por que estão em busca de um emprego. A chance de um voluntário conseguir um trabalho é bem maior do que os que ficam em casa sentado em frente a Tv esperando ser contratado. Ser voluntário é uma oportunidade que ajuda a desenvolver as abilidades e aperfeiçoar naquilo que gosta de fazer. Com certeza ajudar as pessoas aumenta o tempo de vida.

  • damião:

    GOSTEI DO SEU DEPOIMENTO SR.BO VIDINO! É ASSIM MESMO!

  • Daniel:

    Realmente, tem muito estrangeiro que vem para o Brasil e não querem sair mais: Os turistas sexuais. eles vem aqui fazer “voluntariado” com nossas mulheres e crianças! Os que não querem sair daqui se encantam com as belezas naturais do Brasil e com a hospitalidade do povo. É obvio, o povo brasileiro tem síndrome de vira latas e baba ovo de qualquer gringo que chega aqui. Se existe estrangeiro de país desenvolvido fazendo voluntariado aqui deve ser raríssimo. E claro que eles vão morar na parte desenvolvida do Brasil. Vai procurar estrangeiro morando em favela pra ver!

    • Johnny Max:

      Concordo em grau, número e gênero com a afirmação “Brasileiro tem sídrome de vira latas”. Ô povinho besta que lambe o pé de qualquer estrangeiro.

  • Vitor:

    Infelizmente no Brasil é praticada a Lei de Gerson!
    Enquanto nos EUA e países desenvolvidos ,de 10 pessoas 7 são voluntárias em algo, no Brasil de 10 pessoas apenas 3 são voluntárias.
    Sou escotista há 30 anos..desde moleque aprendi que ser solidário,fraterno…nos traz mais benefícios que enfiar dinheiro na cara do outro. Porque quem recebe o auxílio de voluntários,normalmente será um voluntário no futuro. E a corrente aumenta. Exigir do governo…SIM! Mas tem coisas que nós mesmo podemos fazer acontecer..e faz muito bem para a cabeça e o coração!

    • Bovidino:

      Vitor,
      Você tem razão.
      Todavia, não podemos fazer comparação entre EUA e países desenvolvidos com o Brasil.
      Pelo tipo de vida que leva o brasileiro e pela pobreza que impera, até que o brasileiro e muito solidário e muitos se entregam ao voluntariado.
      Tem muita gente desses países ditos desenvolvidos, que chegam no Brasil e não querem sair mais.
      Além disso, cada povo tem suas virtudes e seus defeitos.

  • Bovidino:

    Isso é uma lei da natureza.
    Tudo que você faz por interesse ou esperando recompensa, não te trás nenhum benefício. Muito pelo contrário, é prejudicial.
    O amor ao próximo e a solidariedade, sem segundas intenções, são as leis da felicidade.

  • x:

    E agora quem vai dizer que a biblia é só uma coleção de mitos?

    • Vitor:

      X….a Bíblia é quase um instrumento de punição. Fanáticos religiosos ficam esperando respostas e atos divinos. Largar a bíblia e botar a mão na massa rende muito mais….depois cada um vai ao seu culto, sua Igreja…etc…
      Não é raro..e ja observei muito isso: ” Pessoas da religião X só ajudam pessoas da mesma religião”. Ajudar trabalhando…não fazendo rezas e mandingas!

    • Ateu III:

      A bíblia é só uma coleção de mitos!

    • Nik:

      “Mas os pesquisadores garantem que o voluntário precisa agir sem nenhum interesse pessoal ou esperando recompensa”

      O CÉU seria essa recompensa, certo?

Deixe seu comentário!