Arqueólogos descobrem rua de 2.000 anos em Jerusalém construída pelo governador Pôncio Pilatos, que condenou Jesus à morte

Por , em 23.01.2020

Pesquisadores da Autoridade de Antiguidades de Israel e da Universidade de Tel Aviv descobriram uma passagem antiga construída por Pôncio Pilatos, famoso governador de Judeia responsável por condenar Jesus à morte por crucificação.

Escondidas sob as pedras do pavimento haviam mais de 100 moedas datadas de aproximadamente 17 a 31 dC.

Essa descoberta, feita no sítio arqueológico da Cidade de Davi, localizado no Parque Nacional dos Muros de Jerusalém, é uma forte evidência de que a rua foi encomendada por Pilatos, atual “prefeito” de Judeia no período.

A passarela

A antiga passarela era provavelmente usada por peregrinos que se dirigiam para o culto no Monte do Templo, um local significativo até hoje tanto para seguidores do judaísmo quanto do cristianismo. A passarela sobe da Piscina de Siloé para o Monte, o que é um forte indicativo de que era uma rota especial, utilizada por religiosos.

A rua termina próxima a essas escadas, que levam ao Monte

No momento da construção da rua, Jesus teria curado a cegueira de um homem ali, enviando-o para se lavar na Piscina de Siloé.

A passagem, com cerca 600 metros de comprimento e 8 de largura, foi pavimentada com pedras grandes comuns durante o Império Romano. Estima-se que aproximadamente 10.000 toneladas de rocha calcária tenham sido usadas em sua construção, o que teria exigido habilidades especiais.

“Se fosse uma passagem simples que ligasse um ponto A a um ponto B, não haveria necessidade de construir uma rua tão grande. No mínimo, tem 8 metros de largura. Isso, combinado com a pedra finamente esculpida e os ‘objetos’ ornamentados como um pódio ao longo da rua, indicam que era uma passagem especial”, afirmaram Joe Uziel e Moran Hagbi, arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel, que participaram da pesquisa.

A escavação

Os pesquisadores realizaram uma extensa escavação no local durante seis anos até revelar uma seção de 220 metros da rua “perdida”, identificada pela primeira vez em 1894 por arqueólogos britânicos.

As pedras da passagem estavam escondidas atrás de camadas de pedregulhos, destroços de quando os romanos assolaram a cidade em 70 dC. A “mistura” de estruturas desabadas continha restos de armas como pontas de flechas e estilingues, além de árvores queimadas.

No processo de escavação, centenas de moedas presas sob as pedras foram descobertas, datadas entre 17 e 31 dC. Esse período sugere que o trabalho começou e foi concluído durante o governo de Pôncio Pilatos em Judéia.

“Datar usando moedas é muito exato. Como algumas têm o ano em que foram cunhadas, isso significa que, se uma moeda com a data 30 dC foi encontrada embaixo da rua, a rua terá que ter sido construída no mesmo ano ou depois dessa moeda ter sido cunhada, então a qualquer momento depois de 30 dC. No entanto, nosso estudo vai além, porque estatisticamente as moedas cunhadas cerca de 10 anos depois são as mais comuns em Jerusalém; portanto, não tê-las abaixo da rua significa que a rua foi construída antes de sua aparição, ou seja, somente na época de Pilatos”, esclareceu Donald T. Ariel, arqueólogo e especialista em moedas da Autoridade de Antiguidades de Israel, um dos autores do estudo.

Pôncio Pilatos: cruel ou oportunista?

Os registros históricos e relatos bíblicos sobre Pôncio Pilatos não são nada agradáveis. Somente o fato de ter ordenado a morte de Jesus já o torna extremamente impopular.

Existem ainda outros relatos indicam ações poucoi lisonjeiras do governante, como ter confiscado dinheiro de um tesouro sagrado para construir um aqueduto, violado leis religiosas judaicas e espancado opositores.

Segundo o antigo escritor Fílo, as pessoas de Judéia ficaram tão cansadas dos “subornos, insultos, assaltos, indignações, injúrias, execuções sem julgamento incessantes” e da crueldade geral de Pilatos que teriam enviado uma petição ao imperador romano Tibério pedindo ajuda.

As novas evidências arqueológicas, entretanto, devem complicar um pouco essa figura “atroz”. O fato de Pilatos ter construído uma rua com destino ao Monte do Templo pode sugerir que ele não era completamente egoísta e insensível à religião quanto se poderia supor.

A importância da rua e a força de trabalho que ela teria demandado faz com que não seja “mais possível ver esse primeiro período de governança romana direta na Judéia como um caracterizado exclusivamente por interesse próprio e corrupção”, disseram os pesquisadores.

Dito isso, a rua pode ter sido edificada como uma tentativa de “aliviar as tensões” entre Pilatos e os judeus, bem como para promover Pilatos como um bom governante.

Um artigo sobre a descoberta foi publicado na revista científica Tel Aviv: Journal of the Institute of Archaeology. [Phys, LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (22 votos, média: 4,86 de 5)

Deixe seu comentário!