Com a tecnologia atual não teríamos nenhuma chance contra esse asteróide

Por , em 3.05.2021

Um asteróide fictício vindo em direção a Terra se mostrou mais poderosos que todos os cientistas

Um grupo de especialistas de agências espaciais dos EUA e da Europa participou de um exercício de uma semana liderado pela NASA no qual enfrentaram um cenário hipotético: um asteroide a 50 milhões de quilômetros de distância estava se aproximando do planeta e poderia nos atingir em de seis meses.

A cada dia que passa do exercício, os participantes aprenderam mais sobre o tamanho, trajetória e chance de impacto do asteroide. Então eles tiveram que cooperar e usar seu conhecimento tecnológico para descobrir se algo poderia ser feito para evitar o pior.

Uma ilustração artística de asteroides zunindo pela Terra. (Peter Carril/ESA)

Os especialistas não conseguiram. O grupo determinou que nenhuma das tecnologias existentes na Terra poderia impedir o asteroide hipotético de se chocar contra o planeta dado o prazo de seis meses da simulação. Nesta realidade alternativa, o asteroide caiu na Europa Oriental.

Até onde sabemos, nenhum asteroide representa uma ameaça para a Terra desta forma. Mas estima-se que dois terços dos asteroides de 140m de tamanho ou maiores — grandes o suficiente para causar estragos consideráveis — permanecem desconhecidos. É por isso que a NASA e outras agências tentam se preparar para tal situação.

“Esses exercícios, em última análise, ajudam a comunidade de defesa planetária a se comunicar entre si e com nossos governos para garantir que todos nós sejamos coordenados caso uma potencial ameaça de impacto seja identificada no futuro”, disse Lindley Johnson, oficial de defesa planetária da NASA, em comunicado à imprensa.

Seis meses não é tempo suficiente

O asteroide fictício na simulação foi chamado 2021PDC. No cenário da NASA, foi “visto” pela primeira vez em 19 de abril, época em que se pensava ter 5% de chance de atingir nosso planeta em 20 de outubro, seis meses após sua data de descoberta.

Mas o segundo dia do exercício avançou para 2 de maio, quando novos cálculos de trajetória de impacto mostraram que 2021PDC quase certamente atingiria a Europa ou o norte da África. Os participantes da simulação consideraram várias missões em que uma espaçonave poderia tentar destruir o asteroide ou desviá-lo de seu caminho.

Região de impacto prevista para 2021 PDC no dia 2. (JPL/NASA)

Eles concluíram que tais missões não seriam capazes de sair do solo no curto espaço de tempo antes do impacto do asteroide.

“Se confrontados com o cenário hipotético 2021PDC na vida real, não seríamos capazes de lançar nenhuma espaçonave em tão pouco tempo com as capacidades atuais”, disseram os participantes.

Eles também consideraram tentar explodir ou desviar o asteroide usando uma bomba nuclear.

“A implantação de uma missão de ruptura nuclear poderia reduzir significativamente o risco de danos causados pelo impacto”, descobriram.

Ainda assim, a simulação estipulou que 2021PDC poderia ter de 34,75m a 500m, de modo que a chance de uma bomba nuclear fazer qualquer diferença era incerta.

O terceiro dia do exercício foi 30 de junho, e o futuro da Terra parecia sombrio: a trajetória de impacto do 2021PDC mostrou que se dirigia para o leste europeu.

No dia 4, uma semana antes do impacto do asteroide, havia 99% de chance de o asteroide atingir perto da fronteira entre Alemanha, República Tcheca e Áustria. A explosão geraria a energia de uma grande bomba nuclear.

Tudo o que poderia ser feito era evacuar as regiões afetadas antes do tempo.

Representação do artista do asteroide Chicxulub há 66 milhões de anos. (Chase Stone)

A maioria dos asteroides voam sem enxergarmos, e muitos são vistos tarde demais

É tentador supor que, no mundo real, os astrônomos avistariam um asteroide semelhante a 2021PDC com muito mais do que seis meses de antecedência. Mas a capacidade do mundo de vigiar objetos próximos à Terra (OPTs) é lamentavelmente incompleta.

Qualquer rocha espacial com uma órbita que a leve a 200 milhões de km do sol é considerada um OPT. Mas Johnson disse em julho que a NASA acha que “só encontramos cerca de um terço da população de asteroides que estão lá fora que poderia representar um risco de impacto para a Terra”.

Claro, a humanidade espera evitar uma surpresa como os dinossauros tiveram a 65 milhões de anos atrás, quando um asteroide de 10 km de largura caiu na Terra. Mas nos últimos anos, os cientistas deixaram passar muitos objetos grandes e perigosos que chegaram muito perto.

O cometa Neowise, um pedaço de gelo espacial de 5km de largura, passou a 103 milhões de km da Terra em julho. Ninguém sabia que o cometa existia até que um telescópio espacial da NASA o descobriu se aproximando quatro meses antes.

Cometa Neowise sobre Hokkaido, Japão, 11 de julho de 2020. (Observatório Nayoro/Reuters)

Em 2013, um meteoro de cerca de 19,81m de diâmetro entrou na atmosfera viajando 64.374 km/h. Explodiu sobre Chelyabinsk, Rússia, sem aviso prévio, enviando uma onda de choque que estourou janelas e danificou edifícios em toda a região. Mais de 1.400 pessoas ficaram feridas.

E em 2019, um asteroide “assassino de cidades” de 130,15m de largura voou a 72.420 km da Terra. A NASA não sabia quase nada.

Isso porque, atualmente, a única maneira que os cientistas tem de rastrear um OPT é apontando um dos telescópios na direção certa na hora certa.

Para resolver esse problema, a NASA anunciou há dois anos que lançaria um novo telescópio espacial dedicado a observar asteroides perigosos. Esse telescópio, chamado missão de vigilância de objetos próximos à Terra, juntamente com o recém-lançado Telescópio de Cama de Teste da Agência Espacial Europeia e o Telescópio Flyeye que está sendo construído na Itália, deve finalmente ampliar o número de OPT que podemos rastrear.

Ilustração da nave DART perto de um asteroide. (NASA/Johns Hopkins APL)

A NASA está testando maneiras de evitar uma colisão

A NASA investigou as opções que os cientistas teriam se descobrissem um asteroide perigoso em rota de colisão com a Terra. As idéias incluem detonar um dispositivo explosivo perto da rocha espacial, como os participantes do exercício sugeriram, ou disparar lasers que poderiam aquecer e vaporizar partes do asteroide alterar sua trajetória.

Outra possibilidade seria enviar uma nave espacial para se chocar contra um asteroide próximo, alterando sua trajetória. Esta é a estratégia que a NASA está mais séria.

Ainda este ano, a agência tem planos de lançar um teste dessa tecnologia. O Teste de Redirecionamento duplo de asteroides (DART, na sigla em inglês) enviará uma nave espacial para o asteroide Dimorfos e o atingirá propositalmente em outono de 2022.

A NASA espera que a colisão mude a órbita de Dimorfos. Embora esse asteroide não seja uma ameaça à Terra, a missão pode provar que redirecionar um asteroide é possível com tempo de chumbo suficiente. [Business Insider]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!