Aumentam as esperanças de vacina contra a malária

Por , em 28.09.2011

A malária mata cerca de 3 milhões de pessoas por ano e atinge mais de 500 milhões em todo o mundo. Pela sua dimensão, a busca pela sua cura é bastante intensa.

Recentemente, os investigadores conseguiram alguns resultados promissores a respeito de uma vacina contra a doença.

A experiência foi projetada como teste de segurança, mas os pesquisadores descobriram que as crianças vacinadas tinham altos níveis de proteção.

Descrito como o resultado mais encorajador, o estudo deixou os cientistas esperançosos. Eles acreditam que a vacina terá baixos custos de produção.

Centenas de vacinas diferentes têm sido desenvolvidas até agora, mas a vacina MSP3 testada é apenas a segunda a mostrar um nível substancial de proteção contra a doença.

Durante o estudo com 45 crianças, descobriu-se que as que receberam a vacina tiveram uma incidência da doença três a quatro vezes menor do que as crianças que não receberam.

Inicialmente, as crianças foram divididas em três grupos e apenas dois deles receberam a vacina experimental contra a malária.

Os dois grupos tinham tipos muito similares de resposta imune, induzida pela vacina, bem como uma proteção quase idêntica.

A equipe que produziu a vacina descobriu uma proteína-chave do próprio parasita, MSP3, que provoca o corpo a produzir anticorpos que matam o parasita.

A proteína é única, pois não muda muito entre as diferentes linhagens do parasita. Este é um fator crítico no desenvolvimento de uma vacina eficaz.

Foram realizados vários estudos epidemiológicos que confirmam que houve uma associação entre a vacina e a proteção adquirida, ou seja, quando você for imunizado com esta molécula você realmente induz a proteção.

Encorajados pelos resultados iniciais, os pesquisadores expandiram o teste para 800 crianças. Mas eles continuam sendo de cautelosos.

Hoje há muito alarde sobre vacinas possivelmente eficazes, por isso é preciso ter paciência e mais confirmações. O teste será 20 vezes maior dessa vez e em condições de transmissão extremamente altas, por isso deve produzir resultados de muito claros – será preto e branco.

A outra candidata a vacina que tem demonstrado sucesso contra a malária é chamada RTS, S. Mas há preocupações de que ela possa ser cara, especialmente para pessoas da África e de outras regiões afetadas pela doença.

A nova possível vacina pode ser muito mais barata – talvez menos de um real. Só precisam provar que ela funciona. [BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • Ivan:

    Manuel Elkin Patarroyo
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    Manuel Elkin Patarroyo Murillo (Ataco, Tolima, 3 de novembro de 1946 -) é um médico colombiano mundialmente reconhecido pelo desenvolvimento de uma vacina sintética contra a malária, uma doença transmitida pelo mosquito Anopheles gambiae. Esta vacina, cujos primeiros resultados em humanos foram publicados na revista Nature em 13 de agosto de 1987, mostrou uma eficácia entre 30-60% no ser humano.[1][2] Acredita-se que ela poderia ajudar a evitar a ação destruidora da malária evitando o óbito de um milhão de habitantes em diversos países considerando que 3 milhões de pessoas morrem anualmente devido à malária.[3] Em 1994 ganhou o Prémio Príncipe das Astúrias como reconhecimento de seu estudos sobre a malária. Em 1999 a OMS testou a vacina na Gâmbia, Tanzânia e Tailândia, com resultados parcialmente efetivos. Atualmente coordena o desenvolvimento de uma vacina com uma eficácia maior para a malária.
    [editar]Biografia

    Patarroyo estudou medicina no Universidade Nacional da Colômbia. Recebeu bolsa de estudo na Universidade de Yale, obtendo sua graduação de doutoramento na Universidade Rockefeller em Nova iorque.
    Trabalhou no melhoramento da vacina contra a malária no Instituto Nacional de Imunologia do Hospital San Juan de Dios em Bogotá, Colômbia. Devido à falta de verbas governamentais para o hospital passou a desenvolver a vacina em laboratório próprio.
    [editar]Controvérsias

    A vacina desenvolvida por Patarroyo é cercada de algumas controvérsias: apesar seus resultados parciais de eficácia, cientistas norte-americanos concluíram que a vacina não era viável e seu uso deveria ser descontinuado. Patarroyo acusou “arrogância” na orientação desses cientistas porque a vacina foi elaborada num país em desenvolvimento.[1]
    Referências

    ↑ a b Health: Race for malaria money. BBC News (26 de julho de 1999). Página visitada em 2008-01-26.
    ↑ Susan Aldridge, Magic Molecules: How Drugs Work (Cambridge University Press, 1998), p. 89
    ↑ Vacina contra a malária será eficaz em dois anos (2007-06-17). Página visitada em 2008-01-09.

    Categorias: Médicos da Colômbia | Malária

  • Eddy:

    Mata 3 milhões porque querem.
    Não buscam a cura, buscam um medicamento que seja suficientemente caro e dentro do controle das farmacêuticas que equilibre uma equação onde estão presentes os seguintes fatores:
    1- Têm que gerar lucro.
    2- Têm que fazer de conta que cura. Ao menos um pouco, melhor será remediar.
    3- Têm que ter doença para o remédio. “Bom, se não têm, não é um problema, nóis cria ela”.

    Se querem curar a malária falem com Jim Humble sobre MMS. Por exemplo. Parece que ele cura. E já faz tempo. Quem mais quer aumentar a lista?

Deixe seu comentário!