Bactérias probióticas podem ajudar no tratamento da depressão

Por , em 31.08.2011

Quem diria que as bactérias presentes no seu intestino poderiam influenciar diretamente na sua felicidade e bem-estar? Cientistas acabaram de descobrir uma ligação entre estas bactérias e a depressão no cérebro de ratos. Em breve, o mesmo pode acontecer com seres humanos.

A descoberta pode motivar o desenvolvimento de novas maneiras de controlar a depressão, a ansiedade e outros distúrbios psicológicos. Apesar dos ratos servirem bem como modelos para a compreensão de aspectos do cérebro humano, os pesquisadores lembram que os resultados precisam ser replicados antes de conclusões antecipadas serem tiradas.

O novo estudo chega na hora em que pesquisadores começam cada vez mais a suspeitar que o intestino está de alguma forma ligado ao cérebro. Por exemplo, muitos dos distúrbios intestinais podem estar ligados ao estresse ou a transtornos psiquiátricos, como ansiedade e depressão.

No novo experimento, os cientistas testaram ratos, alimentando-os com um caldo contendo Lactobacillus rhamnosus JB-1. Esta espécie vive naturalmente em nosso intestino e os cientistas estão explorando se cepas desta bactéria podem ser usadas como “probióticos” para melhorar a nossa saúde.

Eles descobriram que os roedores com a bactéria apresentaram comportamento menos relacionado com estresse, ansiedade e depressão do que os ratos alimentados com caldos simples. Eles também apresentaram níveis significativamente mais baixos do hormônio do estresse, a corticosterona, em resposta a situações estressantes como labirintos.

O neurocientista John Cryan garante que isso abre possibilidade para desenvolver terapias que tratam transtornos psiquiátricos visando o intestino. Num futuro próximo, você poderá tomar um iogurte com probiótico no lugar de um antidepressivo.

Os pesquisadores planejam estudos subsequentes que desvendem se o intestino pode afetar outras substâncias químicas do cérebro que têm sido relacionados com humor, como a serotonina e dopamina. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 4,33 de 5)

3 comentários

  • Henrique:

    O intestino possui o mesmo numero de neurônios que o cérebro. Isto, porque é preciso um “computador” para determinar que tipo de alimento está presente, e qual a quantidade e tipo de cada enzima deve ser utilizada para a digestão. Portanto, alimentos que ajudam na digestão proporcionam uma melhora no humor, porque os neurônios do intestino disparam neuroimpulsos benéficos ao cérebro. Além disso, a pessoa fica menos “enfezada”!!

  • Roberto:

    Sim, eu tenho depressão e sinto uma estreita relação entre depressão, ansiedade, falta de concentração e disturbios gástricos. Quando estes sintomas estão atenuados fica tudo bem, tudo calmo. Sempre desconfiei das bactérias, mas receio que iogurte e probióticos usuais não sejam eficazes.

    • Julio Neto:

      Tente usar tudo quanto for de vegetais fermentados, ou feitos em casa (por exemplo, chucrute de repolho ou de outra verdura-folha)ou comprado, como o floranew da anew.Mas os use muito e sem falhar. Funciona. Instrua-se de como fazer isso em casa.

Deixe seu comentário!