Bebê prematuro é salvo por embalagem de sanduíche

Por , em 28.09.2010

Lexi Lacey nasceu com cinco meses e meio. Ela pesava menos que um quilo e os médicos disseram que ela tinha apenas cerca de 10% de chance de sobreviver. Como ela foi salva? Com uma embalagem de sanduíche da lanchonete do hospital.

Lógico que o plástico ainda não havia sido usado, por isso serviu perfeitamente ao propósito de manter a temperatura do bebê. Quando uma criança prematura nasce a principal preocupação é mantê-la quente, já que seu corpo não tem gordura suficiente manter calor suficiente por conta própria.

Normalmente isso é feito pelas encubadoras. Mas as encubadoras do hospital em que Lexi nasceu, o Worcestershire Royal Hospital, só conseguem acomodar bebês nascidos com mais de sete meses de gestação. Como não havia tempo suficiente para transferir o bebê os médicos precisaram pensar rápido e improvisaram com a embalagem de sanduíche.

O saco plástico tinha 15 centímetros, ideal para o corpo pequenino de Lexi, e conseguiu mantê-la viva até ela estar forte o suficiente para ser transferida para outro hospital, mais preparado.

Depois de 11 semanas se recuperando, no dia 3 de setembro, Lexi pôde ir para a casa com seus pais. [Gizmodo]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

15 comentários

  • Branca:

    Incrível!

  • Juliana Barbosa:

    Incrível como algumas pessoas são ignorantes..Por ser um site de ciências as pessoas não podem comentar, relacionando a sobrevivência da menina á Deus???? Gente estupida!

  • Juliana7:

    Eu fiquei emocionada! Linda essa matéria! São essas coisas que nos fazem valorizar a vida cada vez mais. Tomara que ela esteja bem e que Deus abençoe os médicos que a salvaram!

  • William Afonso:

    vejo esse povo falar graças a deus isso graças a deus aquilo?? é deprimente ver esse tipo de comentario em um site de ciencias… cada um acretida no que quiser.. eu nao busquei o ateismo.. busquei a verdade e o ateismo veio como consequencia … faça o bem para o proximo … nao pela recompensa de um ser imaginario, nao para ir pro ceu… simplismente faça

  • Zilá de Ávila:

    Belíssima inspiração, salvou uma vida pequenina,um ser humano completo perfeito!

  • diandra:

    minha filha tambem nasceu de 33 semanas e hoje ela tem 3 meses e pesa 6 quilos

  • Fernanda Thug:

    Alexandra,
    O que VOCÊ faria pra salvar uma criança que tem 10% de chance de sobreviver, eu aposto que você largaria pra lá com o seu nojo e deixaria uma criança morrer, então antes do nojo pense em quem ganhou e o que ganhou, os médicos salvaram uma vida e os pais tiveram a filha deles então faça um grande favor, tente postar comentários ÚTEIS!

  • luciana:

    gostaria de vêr como a mocinha esta hoje.

  • Lidiane:

    Alexandra, por um acaso vc é mãe??? com certeza o seu “nojo” só seria explicável mas não aceitável, se vc nunca tivesse tido um filho, pq independente do estado em que ele se encontra, vc iria cuidar e amar de qqr maneira! E agradecer à Deus por dar inteligência suficiente à médicos, que fazem jus ao posto que ocupam e assim podemos compara-los com anjos, que venha como vier, o que eles querem mesmo é salvar vidas… já vc, por favor, não seja médica, vc pode ficar com “nojinho” e assim deixar de salvar uma vida!

  • Everton Carlos da Costa Cardoso:

    Com a recém-nascida contando com apenas 10% de chance de sobreviver e utilizando uma embalagem de sanduíche, os médicos realizaram um verdadeiro milagre para salvar a vida da criança.

  • Igor:

    Se não fossem os médicos essas crianças morreriam, acham que “Deus” as salvaria ??? iriam ver os bebes definharem, pois não existe um ser supremo que salvaria todos…

  • Alexandra:

    Muito legal, mas eu fiquei com nojo!

  • James:

    Não vão se acostumando,o numero de filhos por casal esta diminuindo.

  • Elizabeth:

    Graças à criatividade de alguns médicos, muitas vidas puderam ser salvas. Lembro de um que colou o coração com super bonder.
    Parabéns a esses médicos e suas idéias excepcionais.

  • Janette Carvalho:

    Eu tb tenho um neto que nasceu com 465g e foi o maior sofrimento que se pode ter. Hoje está bonitão e forte com 1 ano e 3 meses, graças a Deus e à medicina que cresce a passos largos, e tb à pessoas que se dedicaram, com louvor a sofrida mãe dele, tb guerreira incansável!

Deixe seu comentário!