Cientistas criam componente de computador usando DNA

Por , em 2.04.2013

Mesmo o mais complexo dos computadores funciona com base em componentes eletrônicos microscópicos chamados “transistores”, normalmente feitos de silício e outros materiais inorgânicos. Recentemente, porém, cientistas conseguiram produzir transistores a partir de um material biológico: DNA.

De modo similar aos transistores convencionais, os biológicos (nomeados “transcritores”) permitem operações lógicas do tipo “se a condição X for cumprida, deverá ocorrer Y”, que é uma das três funções básicas de um computador – junto com o armazenamento e a transmissão de informações. E, diferentemente de seus equivalentes inorgânicos, que lidam com impulsos elétricos, os transcritores controlam o fluxo de enzimas ao longo de sua cadeia de DNA – ao deixar passar determinados impulsos e impedir outros, eles permitem a criação de operações altamente complexas.

Além de controlar o fluxo de elétrons/enzimas, os transistores/transcritores amplificam os sinais recebidos (no caso dos componentes orgânicos, alterando a produção de enzimas na célula em que se localiza), para que eles atravessem os circuitos.

Daqui a algumas décadas, se estudos como esse forem levados adiante, é possível que tenhamos computadores literalmente “vivos”.[LiveScience, Science Magazine]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

10 comentários

  • franklucca:

    Computadores vivos!! Sinceramente não é uma boa ideia..Lembrem-se do Computador Hall de 2001. E imagine so vc ter fazer uma guerra para desligar o cp da sua propria casa!? É obvio que tudo que vive tem medo da morte…melhor não ir tão longe, não vale a pena

  • Mine Crafter:

    Tão assistindo filmes demais.

  • geraldo:

    Será um dos pressupostos da eternidade? A certeza só virá a longuíssimo prazo.
    Melhor esperar e acreditar pacientemente.

  • Jossan Borba:

    Normal e uma tendência natural. A nanotecnologia e a Biologia Sintética é uma surpresa apenas aqui no Brasil (por enquanto), pois temos o mau hábito cultural de esperamos outros países pesquisar e desenvolverem tudo (tudo, de fato) em todas as áreas do conhecimento para depois termos o direito de dizer: “É assim, sim, eu li ontem no Abstract dos artigos publicados na Nature e na Science, os “fulanos” descobriram isso e os “sicranos” desenvolveram aquilo.” À saber, para os (des)informados, as mesmas tecnologias são pesquisadas aqui no Brasil; a diferença é que a corrupção política (principalmente)ceifa-nos as verbas destinadas para a ciência, educação etc. O Brasil alienado é um Brasil seguro! Sendo assim, Salve, ciência e tecnologia e seus pobres, miseráveis e incompreendidos adeptos!

  • Duda Weyll:

    E lá vamos nós estudar engenharia genética para não perder o bonde! 😛

  • grasisuperstar:

    Literalmente vivos não concordo, mas sem dúvida vão ser incrivéis tomara que continuem as pesquisas

  • aguiarubra:

    Mais um conceito de Jornada nas Estrelas está deixando de ser apenas especulação científica usada em ficção científica.

    Nesse caso, a nave “Voyager” (de Star Trek Voyager) usa componentes bio-neurais, em forma de gel, em sua maquinária.

  • Damiao Jastzombek:

    suspeitei desde o principio!

  • Marco337:

    Legal. Se colocarmos sêmen nos transistores talvez o próprio circuito gere um processador e tenhamos o primeiro computador híbrido da história ( metade homem e metade máquina). Fala serio.

  • George Edward:

    Terá mais velocidade na gravidade zero?

Deixe seu comentário!