Cientistas transformam células da pele em neurônios

Por , em 31.01.2012

Uma nova pesquisa converteu células da pele diretamente em células que se desenvolvem nos principais componentes do cérebro.

O experimento, feito com ratos, pulou a etapa do processo com células-tronco. Eles disseram a experiência tem potenciais usos médicos, mas muitos mais testes são necessários antes que a técnica possa ser usada na pele humana.

Células-tronco, que podem se transformar em qualquer tipo de célula, são uma promessa enorme em uma série de tratamentos.
Uma das grandes questões desse campo é onde obter as células. Células-tronco embrionárias invocam questões éticas, e pacientes precisariam tomar medicamentos imunossupressores se qualquer tecido com células-tronco não correspondesse às seus próprios.

Um método alternativo tem sido retirar células da pele e reprogramá-las em células-tronco “induzidas”. Isso pode ser feito a partir de células do próprio paciente, no entanto, o processo resulta na ativação de genes causadores de câncer.

Agora, pesquisadores americanos estão investigando uma outra opção – a conversão das células da pele de uma pessoa em células especializadas, sem criar células-tronco”induzidas”.

Eles transformaram as células da pele de ratos diretamente em neurônios, criando células “precursoras neurais”, que podem se desenvolver em três tipos de células do cérebro: neurônios, astrócitos e oligodendrócitos.

Essas células precursoras têm a vantagem de que, uma vez criadas, podem ser cultivadas em laboratório em números muito grandes, uma vantagem em tratamentos.

Células do cérebro e células da pele contêm a mesma informação genética, no entanto, o código genético é interpretado de maneira diferente em cada uma. Isto é controlado por “fatores de transcrição”.

Os cientistas usaram um vírus para infectar as células da pele com três fatores de transcrição conhecidos pelos seus altos níveis em células precursoras neurais. Depois de três semanas, cerca de uma em 10 das células tornaram-se células precursoras neurais.

As células se integraram nos cérebros dos ratos e produziram uma proteína importante para a condução do sinal elétrico pelos neurônios.

Os pesquisadores disseram que mais pesquisas precisam avaliar a segurança e eficácia do método, mas seu potencial é grande. O estudo abre a porta para considerar novas formas de regenerar neurônios danificados.[BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • negative:

    Deveriamos aprovar o uso de células tronco de origem em embriões e fetos mortos. Indivíduos formados e vivos devem ter preferência sobre mortos.

    Um acúmulo de células que não terá vida poderia ser a cura para um indivíduo funcional e fértil.

    Por razão de sobrevivência de espécie, ou mesmo que individual, gerar a maior chance de sobrevivência nos indivíduos da espécie é o melhor meio para eventualmente, através da diversidade, expandir os horizontes evolutivos.

  • luiiz antônio:

    eu espero que essa nova descoberta venha ser um grande avanço da ciência ,pois eu mesmo e milhares de pesoas no mundo precisam de uma restauação dos neurôneos que foram destruidos por varios motivos ,princialmente com o uso ecessivo de alocool e drogas durante anos e mais anos .

  • Camillo Durval:

    ¨Células-tronco podem se converter em qualquer tipo de células…!¨ Os pacientes terminais renais crônicos não podem, nem devem, aguardar…tanta burocracia…para terem a chance de sobrevida…enquanto são ¨dizimados¨ pelas complicadas diálises e riscos de transplantes. Torna-se urgente a aplicação de células-tronco, rins artificiais, medicamentos e outras terapias para revertermos os péssimos dados da Epidemia do Milênio, que já aflige países, pacientes renais e centros de HD! Faz-se essencial apoio maciço à área de pesquisas para avanço urgente e mais eficaz ¨do que aí está¨. Renal crônico, Advogado, 70 anos de idade, há 5 em hd, vejo as aflições que padecemos, a maioria bem, muito mais jovem!

Deixe seu comentário!