Depressão pode ser fator de risco para Alzheimer ou outros tipos de demências

Por , em 8.05.2012

Uma nova pesquisa descobriu que pessoas que tiveram depressão na meia idade têm maior risco de desenvolver demência mais tarde.

A demência de que estamos falando é a demência vascular, que se trata de uma doença causada por acidentes vasculares cerebrais (derrames). É o segundo tipo de demência mais comum, depois do Alzheimer, sendo que as duas condições têm sintomas parecidos, mas processos diferentes.

O estudo também descobriu que pessoas que têm depressão já mais tarde na vida possuem maior risco de desenvolver mal de Alzheimer.

Os pesquisadores seguiram 13.000 adultos de 30 a 40 anos até seus 80 anos. Eles descobriram que sintomas de depressão na meia idade levavam a 20% mais risco de demência vascular, e depressão na terceira idade levava a 70% mais risco de Alzheimer, sempre em comparação com pessoas que não tiveram depressão.

“Os participantes do estudo eram 3,5 vezes mais propensos a desenvolver demência vascular se tivessem sintomas de depressão tanto na meia-idade quanto mais tarde na vida, o que sugere que a depressão recorrente provoca alterações vasculares que coloca as pessoas em risco para a demência”, explicou a autora do estudo, Deborah E. Barnes, professora de psiquiatria da Universidade da Califórnia, em San Francisco, EUA.

Porém, o estudo tem falhas. Foi baseado apenas em questionários sem aprofundamento, e os cientistas não viram imagens dos cérebros dos pacientes que tiveram demência nem souberam que se eles se trataram e de que forma da depressão.

Portanto, apesar de saberem que existe uma ligação entre as duas condições, os pesquisadores não podem dizer se a depressão causa demência ou se o tratamento da primeira condição pode evitar a segunda.

Não é a primeira vez que estudos sugerem que há uma relação entre demência e depressão. Uma pesquisa que revelou que as mulheres têm mais depressão do que os homens mencionou que evidências crescentes mostram que Alzheimer e Parkinson têm seu início em distúrbios de ansiedade na meia-idade. O início dos sintomas, como ataques de pânico e dificuldade para dormir, pode indicar um possível desenvolvimento de Parkinson de 5 a 6 anos depois.

Outro estudo mostrou que a depressão aumenta o risco de derrame, que, como vimos, é a causa de demência vascular. Também, uma pesquisa descobriu que a viuvez aumenta as chances de desenvolver Alzheimer, e isso pode estar ligado à depressão que o viúvo ou viúva sofre.

A principal questão que os cientistas têm que tentar responder agora é se é possível evitar a demência curando os sintomas da depressão.[CNN, IVDN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)

2 comentários

  • Flor de Lis:

    Gostaria de saber se pessoas que sofreram de depressão ainda na adolescência ou no início da fase adulta correm o mesmo risco de ter demência ou Alzheimer que as pessoas que apresentaram um quadro depressivo já em certa altura da vida. E se o fato de terem sofrido de depressão mais cedo pode aumentar significativamente esse risco.

  • Elida Milanellio:

    Si Señores de Hypeciancia, puedo decir afirmativamente que la depresion que es producida por el cerebro por la liberacion de un neurotrasmisor llamado Serotonina, que lo inunda y se desparrama por el torrente sanguineo. De la misma forma cuando el cerebro se desequilibra comienza a producir una Proteina llanada Tau, que satura los neurotrasmisores y conducen al mal de Alzneimbrerg. Hablo en calidad ee paciente que sufre la enfermedad.Y me encuentro en tratamiento con bastante exito. Elida Milanellio

Deixe seu comentário!