Descoberto o mais antigo fóssil humano com 2,8 milhões de anos

Por , em 9.03.2015

O registro mais antigo conhecido do gênero Homo – o do ser humano – representado por uma mandíbula inferior com dentes, foi encontrado recentemente na região de Afar, na Etiópia, e data de 2,8 a 2,75 milhões de anos atrás, de acordo com uma equipe internacional de geocientistas e antropólogos.

Eles também dataram outros fósseis entre 2,84 e 2,58 milhões de anos atrás, o que ajudou a reconstruir o ambiente em que este indivíduo primitivo viveu.

Segundo a pesquisadora associada do Departamento de Geociências da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, Erin N. DiMaggio, o registro da evolução dos hominídeos de 3 a 2,5 milhões de anos é pouco conhecida em sítios superficiais, particularmente na região onde foram encontrados. Hominídeos são o grupo de primatas que incluem o Homo sapiens – humanos modernos, vulgo “nós” – e seus ancestrais. O termo é usado para o ramo da linha evolutiva humana que existe depois da separação dos chimpanzés.

Datar diretamente fósseis tão velhos é impossível, então geólogos usam uma variedade de métodos para descobrir a idade das camadas de rocha em que os fósseis são encontrados.

Os pesquisadores dataram a recentemente descoberta mandíbula fóssil de Ledi-Geraru, conhecida por seu número de catálogo LD 350-1, datando várias camadas de cinzas vulcânicas ou tufo usando argônio 40 e argônio 39, um método que mede os diferentes isótopos de argônio e determina a idade da erupção que criou a amostra. Seus resultados foram publicados na edição online da revista “Science Express”.

“Estamos confiantes”, garantiu DiMaggio, autora principal do artigo. “Nós usamos vários métodos de datação radiométrica, incluindo a análise de camadas de cinzas vulcânicas, e todos mostram que o fóssil hominídeo tem entre 2,8 e 2,75 milhões de anos de idade”.

A área da Etiópia onde a LD 350-1 foi encontrada é parte do Sistema Rift do Leste Africano, uma área que sofre extensão tectônica, o que permitiu que as rochas de 2,8 milhões fosses depositadas e depois expostas pela erosão. Na maioria das áreas em Afar, rochas que datam entre 3 e 2,5 milhões de anos estão incompletas ou foram erodidas, de modo que datar essas camadas e os fósseis que elas abrigam é impossível. Na área de Ledi-Geraru, essas camadas de rochas estão expostas, pois a área é dividida por falhas que ocorreram após as rochas sedimentares terem sido depositadas.

fossil ancestral humano antigo 3

Ao datar camadas de cinzas vulcânicas abaixo dos fósseis e, em seguida, acima dos fósseis, os geólogos podem determinar as datas mais antigas e as mais novas nas quais o animal que se tornou o fóssil poderia ter vivido.

Outros fósseis encontrados nesta área incluem os de antílope pré-histórico, herbívoros dependentes de água, elefantes pré-históricos, um tipo de hipopótamo, crocodilos e peixes. Estes fósseis estão no intervalo de tempo entre 2,84 e 2,54 milhões de anos.

A professora universitária e integrante do Instituto de Origens Humanas da Universidade do Estado do Arizona, Kaye E. Reed, analisou o aglomerado de fósseis para tentar aprender sobre a comunidade ecológica em que o Homo primitivo LD 350-1 viveu.

Os fósseis sugerem que a área era um habitat mais aberto de pastagens mistas e terras arbustivas com uma floresta de galeria – árvores ao redor de rios ou zonas úmidas. A paisagem foi provavelmente semelhante a locais africanos como as planícies do Serengeti ou o Kalahari. Alguns pesquisadores sugerem que a mudança climática global que se intensifica a cerca de 2,8 milhões de anos resultou na variabilidade climática e aridez africanas, e isso estimulou mudanças evolutivas em muitas linhas de mamíferos.

fossil ancestral humano antigo

“Podemos ver sinais de aridez de 2,8 milhões de anos de idade na comunidade faunística Ledi-Geraru”, disse Reed. “Mas ainda é muito cedo para dizer que isso significa que a mudança climática é responsável pela origem do Homo. Precisamos de uma amostra maior de fósseis de hominídeos e é por isso que continuamos a vir para a área de pesquisa de Ledi-Geraru”. [Phys.org, National Geographic, Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,67 de 5)

Deixe seu comentário!