Encontro explosivo: estrelas gigantes vermelhas podem gerar supernovas

Por , em 28.08.2012

As explosões de supernovas são tão grandes que podem ofuscar o brilho de todas as estrelas de uma galáxia. Elas acontecem quando uma estrela anã branca aumenta sua massa em gigantescas proporções depois de absorver o material de uma estrela próxima. Essa explosão que envia luz para todo o universo cria uma supernova do tipo 1a. Essa troca de materiais entre estrelas já é um evento cosmológico bem conhecido. Mas cientistas ainda têm dúvidas sobre os tipos de estrela que cedem material à anã branca.

Acreditava-se que fusões entre duas anões brancas geravam essas explosões. Mas um novo estudo de astrônomos da fundação Las Cumbres Observatory Global Telescope Network (EUA) indica que as estrelas do tipo gigante vermelha, que estão numa fase avançada da evolução estelar, também podem se fundir com anãs brancas e gerar supernovas.

• O ciclo de vida de uma estrela

No vídeo abaixo, você confere uma simulação de como seria esse encontro explosivo. Uma estrela gigante vermelha doa massa para sua companheira anã branca, até que a última é destruída em uma supernova do tipo 1a.

A nova descoberta ocorreu em janeiro do ano passado, quando astrônomos avistaram uma supernova de aparência incomum a aproximadamente 675 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Lynx (Lyn). A partir do comportamento do gás na área da explosão, cientistas foram capazes de deduzir que a supernova tinha sido originalmente uma anã branca em órbita em uma estrela gigante vermelha.

As supernovas são importantes para os estudos astronômicos porque o brilho intenso faz com que sirvam como velas-padrão para estudos de expansão do universo, energia escura e para medir distâncias entre astros. Descobrir como cada supernova se comporta e classificá-las com mais precisão permitirá que astrônomos melhorem a forma como estudam o universo. [NYTimes/Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • Jonatas:

    Independe de onde vem a massa da acreção até o colapso da Anã Branca: De qualquer forma ela vai explodir, sendo a massa adicional vinda de uma nebulosa, uma anã vermelha ou uma estrela massiva.
    A hipótese fenômeno com as gigantes vermelhas é na verdade mais antigo e esteve em cheque, mas ainda é o mais forte. Porque?
    1 – porque estrelas aos pares são muito comuns.
    2 – uma envelhecerá e morrerá antes da outra, se tornando uma anã branca após sua gigante vermelha ter se expandido definitivamente como uma Nebulosa Planetária.
    3 – Quando a outra evoluir para Gigante Vermelha, ela se torna uma estrela expandida e o grande volume diminui a densidade e a coesão gravitacional do astro, que tem suas camadas externas a mercer dos puchões gravitacionais da Anã Branca vizinha.

    Supernova, podemos ter candidato a menos 10 anos luz: Sírius é uma estrela de grande massa e tem uma companheira anã branca, que certamente passará a acrescer material quando a estrela principal se expandir como Gigante Vermelha.

    • Carlos:

      Jonatas, me esclareça uma dúvida:

      O certo neste caso não seria o termo nova, ao invés de supernova?
      Porque pelo que eu saiba, novas são estrelas no fim de seu ciclo, como uma anã branca, que explodem após terem aumentado de tamanho por acreção de material de outra estrela, e supernova é quando uma estrela massiva, com mais de 8 massas do nosso Sol, ao fim de sua vida explode, gerando uma supernova, ou seja, no caso da supernova, ela não precisou de acrescer material para explodir, ela virou supernova no fim do seu ciclo por ser uma estrela com bastante massa.

Deixe seu comentário!